sexta-feira, 21 de Setembro de 2012

Guiné-Bissau: “PARAR TUDO” CONTRA A SIDA, MILITARES IMISCUÍDOS NA POLÍTICA

 


Luta contra HIV-Sida corre risco de paralisar, alerta associação
 
20 de Setembro de 2012, 20:07
 
Bissau, 20 set (Lusa) - A Rede Nacional de Pessoas com HIV-Sida da Guiné-Bissau alertou hoje para a situação "muito delicada" que o país atravessa, sem apoios para fazer face à epidemia, quase sem medicamentos e em risco de "parar tudo".
 
Em conferência de imprensa, o presidente da Rede Nacional das Associações de pessoas com HIV/Sida (RENAP-GB), Pedro Mandinca, traçou um quadro negro da situação da Guiné-Bissau face ao tratamento da doença, especialmente devido ao facto de o Fundo Mundial ter praticamente acabado com os apoios que dava ao país.
 
O Fundo Mundial, criado em 2002, é uma organização internacional que junta dinheiro para distribuir por 150 países, apoiando-os na luta contra a malária, tuberculose e HIV-Sida. Apoiava a Guiné-Bissau, mas nos últimos tempos tem criado entraves para novos apoios, de acordo com o Ministério da Saúde da Guiné-Bissau.
 
Segundo Pedro Mandinca, o programa de luta contra a Sida na Guiné-Bissau não recebe apoios do Fundo Mundial desde agosto de 2011, "o que tem constituído um risco para o aumento de novos casos de infeção e para o abandono da terapia, por falta de seguimento domiciliário e nutricional".
 
"Quando o mundo reclama por mais apoios para fazer face à epidemia, assistimos na Guiné-Bissau ao desmantelamento da resposta e dos bons resultados. Os recentes acontecimentos afastam cada vez mais o país dos objetivos de desenvolvimento do milénio", alertou.
 
Pedro Mandinca disse que muitos guineenses já abandonaram a medicação por falta de alimentação adequada e que só na região de Bafatá mais de 250 doentes deixaram de comparecer. É que, justificou, "em 2012, nenhum apoio nutricional e alimentar foi dado".
 
Segundo os números da Rede Nacional, a Guiné-Bissau, com uma prevalência de 3.4, é dos países da região com maior prevalência, havendo neste momento mais de 50 mil pessoas infetadas.
 
"O acesso universal ao tratamento está longe de ser realidade. No primeiro trimestre de 2012 apenas 14.969 tiveram acesso", disse Pedro Mandinca, acrescentando que em 2013 cerca de 65 por cento das mulheres grávidas e seropositivas ficarão sem acesso à profilaxia para eliminar riscos de transmissão aos filhos.
Depois, continuou, o país só tem capacidade para fazer 41.800 testes por ano (três por cento da população) e, sem dinheiro, está a verificar-se a rotura de medicamentos armazenados e de material para análises, e não está a ser feita a prevenção.
 
Mandinca disse que o governo de transição está sensibilizado para o problema e que inclusivamente se prontificou a ir a Genebra, ao Fundo Mundial, mas que teria recebido como resposta que "não valia a pena".
 
A Rede pede que o Fundo Mundial se lembre de que se está a falar "de pessoas que reclamam apenas o direito a vida digna e respeito" e ao governo que atribua à luta contra a Sida um orçamento consequente.
 
Há dois dias também a diretora do Hospital de Cumura (arredores de Bissau) Valéria Amato, alertou para a escassez de medicamentos contra a tuberculose desde dezembro passado e criticou o que apelidou de passividade das autoridades face à situação.
 
"O país depara-se com rotura de medicamentos para o tratamento da fase intensiva da tuberculose denominado HCRE e os doentes estão a passar por momentos difíceis", alertou.
 
FP.
 
Pequeno partido acusa militares de "continuarem a imiscuir-se" nos assuntos políticos
 
20 de Setembro de 2012, 18:32
 
Bissau, 20 set (Lusa) - O Partido da Solidariedade e do Trabalho, pequena formação da Guiné-Bissau sem representação parlamentar, acusou hoje as chefias militares de "continuarem a imiscuir-se nos assuntos políticos" e de fazerem acusações infundadas.
 
Num comunicado hoje divulgado, o partido diz que os militares acusaram o presidente da formação política, Iancuba Injai, de receber dinheiro do primeiro-ministro deposto, Carlos Gomes Júnior, para fazer um contragolpe de Estado (em resposta ao golpe de Estado de 12 de abril).
 
E diz também que as mesmas chefias militares "deram ordem ao governo de transição no sentido de mandar calar" o presidente do PST.
 
Além de presidente do PST, Iancuba Injai tem sido o habitual porta-voz da FRENAGOLPE (Frente Nacional Antigolpe), uma organização de partidos e associações contra o golpe de Estado de 12 de abril, na qual está incluído o PAIGC (maior partido, que estava no poder até 12 de abril).
 
No comunicado, o PST condena as "incessantes interferências das atuais chefias militares lideradas pelo seu chefe em assuntos políticos" e "desmente categoricamente" o hipotético envolvimento de Iancuba Injai em qualquer contragolpe.
 
O partido responsabiliza as chefias militares "pela integridade física" de Iancuba Injai e o governo de transição "pela manifesta incapacidade em impedir as contínuas e intempestivas interferências das chefias militares" em assuntos da competência dos políticos.
 
FP.
 
*O título nos Compactos de Notícias são de autoria PG
 
Leia mais sobre Guiné-Bissau (símbolo na barra lateral)
 

Sem comentários: