Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 30 de junho de 2016

“EFEITO SHAUBLE” FAZ SUBIR JUROS DA DÍVIDA PORTUGUESA A LONGO PRAZO



Repercussões das palavras do Ministro das Finanças da Alemanha continuam a sentir-se no início do dia de trocas entre investidores. Dificuldades da tarde de ontem continuam apesar das garantias do Ministério das Finanças que não haverá segundo resgate.

A confusão gerada ontem pelas declarações de Wolfgang Schauble ainda está a ter efeitos nos mercados de dívida: os juros das Obrigações portuguesas acima de três anos estão a subir em toda a linha, penalizando as indicações de dificuldades económicas crescentes. 

Durante a tarde de ontem, o Ministro das Finanças da maior economia europeia deixou no ar a ideia de que Portugal poderia precisar de um novo pacote de financiamento externo caso não cumprisse o défice acordado com Bruxelas para este ano, mas imediatamente recuou e disse que essa possibilidade era rejeitada pelo Governo português. Mesmo com a 'dança' de palavras, o efeito das declarações criou uma onda de pessimismo que fez aumentar os juros da dívida durante a tarde de ontem e que mantém a pressão sobre as Obrigações esta manhã. 

O Ministério das Finanças português tentou acalmar os ânimos mais exaltados com uma declaração pública de confiança, mas as declarações de Mário Centeno a admitir que o crescimento económico nacional poderia ficar abaixo do esperado acabaram por manter o pessimismo dos investidores.

As Obrigações do Tesouro a quatro anos registam a maior subida (mais de 1%), mas todos os títulos até 20 anos estão a ficar mais caros nas trocas entre investidores. 

Os custos de financiamento mais altos no mercado secundário faz temer uma subida dos juros nas emissões de dívida feitas pelo Estado, a principal arma de liquidez pública em Portugal.

Bruno Mourão com Elsa Pereira – Notícias ao Minuto

Sem comentários: