Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

terça-feira, 21 de junho de 2016

Portugal. A CAIXA: SIMULAR A LESTE PARA ATACAR A OESTE



José Sócrates – Jornal de Notícias, opinião (ontem)

A proposta de comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos tem como objetivo principal lançar mais outro ataque de caráter sobre mim e sobre o Governo que liderei. Uso por isso o meu legítimo direito de defesa para responder publicamente às insinuações e acusações que vêm dos meus adversários políticos e dos seus sicários na Imprensa, tal como me tenho defendido de imputações semelhantes que o Ministério Público tem feito contra mim. Em primeiro lugar desejo afirmar perentoriamente que nunca - repito nunca - intervim junto da Administração da Caixa Geral de Depósitos para que fosse concedido qualquer crédito, nem nunca ninguém me pediu que o fizesse. Vejo para aí dito, como verdade revelada, isto é que não precisa de demonstração ou de prova, que todos os governos o fizeram. Falo por mim: no que me diz respeito isso é falso.

Enquanto desempenhei as funções de primeiro-ministro, nunca dei orientações, ou fiz qualquer sugestão fosse a quem fosse, que tivessem a ver com concessões de crédito, matéria que eu e o meu Governo sempre consideramos e respeitamos como competência exclusiva da Administração do Banco. Tal insinuação não passa portanto de uma falsidade a somar a tantas outras. Vejo para aí dito, como verdade revelada, que todos os governos o fizeram. Falo por mim: no que me diz respeito isso é falso. A novidade é que desta vez o insulto vem de uma área política que há muito perdeu todo o escrúpulo e todo o sentido da decência na política. Mas nesta atividade quem perde o respeito pelos outros, perde-se a si próprio.

Julgo que a ninguém escapa que no centro deste ataque político está a imputação feita pelo Ministério Público relativa a Vale do Lobo. Defendo-me dela uma vez mais e defender-me-ei as vezes que forem necessárias: a) nunca tive conhecimento - nem tinha de ter - de nenhuma decisão da Caixa relativa a esse empreendimento turístico; b) até 2015, altura em que o assunto passou a ser noticiado, não conhecia nem os acionistas nem os gestores nem ninguém ligado a tal empreendimento. Nunca ninguém me falou de Vale do Lobo como assunto de interesse público, nem como preocupação privada. As constantes insinuações que vejo feitas a propósito deste assunto são, portanto, profundamente injustas e infamantes, sendo ainda desonrosas para quem a elas recorre.

Há um outro aspeto relativo a Vale do Lobo que está implícito nesta campanha: a de que este empreendimento teria sido criminosamente beneficiado pela decisão de aprovação do Plano Regional de Ordenamento do Território do Algarve. Ora isso é objetivamente falso: o referido plano não beneficiou em nada o empreendimento turístico como resulta evidente da lei aplicável e de todas as provas documentais e testemunhais existentes no processo. Bastará, para provar isso, invocar o facto de não ter sido aprovado, entre 2005 e 2012, nenhum novo plano ou alteração de plano de urbanização ou de pormenor, únicos instrumentos que podiam atribuir direitos aos proprietários.

Esta imputação não tem, portanto, pés nem cabeça. Ela foi inventada à pressa para permitir sustentar artificialmente acusações públicas de corrupção. Acontece que são justamente estas estapafúrdias imputações do Ministério Público que precisam desta recíproca sustentação: eu levanto-as, tu aproveitas; tu aproveitas e com isso legitimas. Estas pessoas são tão perversas como espirituosas - elas sabem que a falsa acusação de corrupção é o moderno assassinato político que substitui o punhal e o golpe de mão. Voltaremos ao assunto.

Já quanto à análise estrita da dimensão política de tal iniciativa ela só pode ser desastrosa para os seus autores. É difícil acreditar que as necessidades atuais de capital da Caixa Geral de Depósitos se devam à responsabilidade do Governo que governou... há cinco anos atrás. Não me parece que tal linha política vá longe. Em 2012 a Caixa foi capitalizada com o montante na altura considerado, pelo Governo de então e pela nova Administração que nomeou, como bastante para resolver os problemas existentes. Outros bancos fizeram operações idênticas e passados uns anos devolveram (ou estão a devolver) o dinheiro emprestado pelo Estado. Se isso não aconteceu na Caixa é difícil não deduzir que o falhanço no reembolso da dívida e nas necessidades acrescidas de capital tenha a ver com o que se passou nos anos subsequentes. Ou foram mal calculadas as necessidades iniciais de financiamento ou a gestão não alcançou os objetivos a que se propôs e que estava convencida de que atingiria. Em qualquer dos casos, quem deve assumir esse falhanço é quem nesses anos tinha a responsabilidade pública. O que me parece é estarmos perante uma infantil manobra tática preventiva: acuso-te já para que não me venham a acusar. Mas sendo a acusação tão débil, a astúcia torna-se ridícula.

Há no entanto uma outra motivação para esta ação política. Trata-se de desacreditar tudo o que é público. Claro que a Caixa teve problemas com créditos concedidos como tiveram todos os bancos em Portugal e no Mundo. Mas há uma diferença significativa e que é esta: quando os empréstimos concedidos levaram a lucros da Caixa esses lucros foram distribuídos como dividendos ao Estado. Nos dez anos antes da crise de 2008, o Estado encaixou 2,27 mil milhões de euros em dividendos. Não, não é tudo a mesma coisa, como se pretende fazer crer. A Caixa teve lucros públicos e prejuízos igualmente públicos. Os bancos privados quando tiveram lucros estes foram privados; quando tiveram elevados prejuízos estes, pelo menos em parte, foram tornados problema público. E talvez o mais inquietante seja perceber que nessa altura a sociedade estava verdadeiramente encurralada: o mal menor foi pôr dinheiro público na resolução do problema ou, como justamente se diz, socializar os prejuízos. Verdadeiramente, a questão à qual temos que responder é esta: como defender que a atividade bancária seja privada e mercantil se nos momentos de aflição, de insucesso ou de falência, os prejuízos têm que ser suportados pelo Estado? E por favor, não podemos apenas responder com o "eterno ontem" : é assim porque sim e porque sempre foi assim. Quem não anda às escuras no debate percebe bem que precisamos de trocar umas ideias sobre o assunto.

Voltemos à comissão de inquérito. A iniciativa tem implícita o infame princípio de transformar eventuais más decisões - sublinho eventuais porque isso precisa de ser demonstrado - em crimes ou de corrupção ou de amiguismo. Esta é uma estratégia de terra queimada de quem está disposto a pôr de lado os fundamentos do Estado de Direito Democrático julgando sem acusação e condenando sem julgamento. Nenhum ser humano decente faz isso sem um "esgar de repulsa". Estes princípios são mais importantes que a chamada defesa das instituições. Ou, melhor dito, são justamente estes princípios que sustentam a legitimidade e a credibilidade das instituições democráticas. Para a Direita política parece que chegou o tempo em que os fins justificam os meios, transformando o espaço da política em território de "pequenos" inquisidores". Pela minha parte, que sempre detestei a indiferença, não contribuirei para ela com o silêncio.

Sem comentários: