sexta-feira, 15 de julho de 2016

O CONTO DO “CAPITALISMO COMPASSIVO”

PARTILHAR


Depois de fingirem-se de “verdes”, grandes corporações apresentam-se como promotoras do ativismo digital “humanitário”. Que desejam? Quais os riscos?

Evgeny Morozov, nos blogs do Le Monde Diplomatique - Outras Palavras - Tradução: Antonio Martins

Há mais de um ano, saúda-se a tecnologia digital como panaceia para tragédias como a crise dos refugiados. A mídia vomita reportagens sobre os aplicativos, as maratonas hackers (hackatons) e os anúncios para formações em desenvolvimento de códigos, sem contar as declarações dos gigantes de tecnologia supostamente comprometidos com causas humanitárias.

O AirBnB, Uber e até mesmo uma chamada “Universidade das Singularidades” apressam-se a tomar o trem em movimento. Todos admiram-se com as soluções inovadoras como Karim, o robô dialógico que, graças a um programa de inteligência artificial, oferece conselhos aos refugiados; ou o serviço de identificação baseado em blockchains,estruturas compartilhadas de autenticação de dados1, que ajudam os sem-documento a comprovar sua identidade. Tenta-se transmitir uma mensagem unívoca: sim, a tecnologia está nas mãos de empresas privadas; mas estas mãos são tão generosas e sensíveis, tão humanas e atentas, que continuarão a se oferecer eternamente.

É preciso mais uma prova do advento de uma nova era – a do capitalismo responsável? Os dirigentes empresariais estão convencidos. Em 2004, Marc Benioff, executivo-chefe da Salesforce.com2, escreveu um livro modestamente intituladoCompassionate Capitalism: How Corporations Can Make Doing Good an Integral Part of Doing Well [“Capitalismo pioedoso: como as grandes empresas podem fazer o bem e se dar bem”]. Oito anos mais tarde, John Mackey, executivo-chefe da Whole Woods, traria trambém sua contribuição, sob um título ainda mais modesto: Conscious Capitalism: Liberating the Heroic Spirit of Business [“Capitalismo Consciente: libertando o espírito heroico dos negócios”]… Segundo ele, o heroísmo intrínseco das grandes empresas é bloqueado em toda parte pelas estruturas do Estado.

Este “novo” capitalismo ofereceria um contraste avassalador, quando comparado ao capitalismo ávido e impiedoso de outrora. O antigo sistema, irresponsável e adepto da pilhagem e exploração, não teria engendrado crises com a dos refugiados? Quem não se lembra das empresas petroleiras que pilhavam os recursos do Oriente Médio, ou dos grupos financeiros como o Goldman Sachs, que chantageavam as autoridades locais?

Ao contrário, o “novo” capitalismo compassivo não buscaria explorar os recursos naturais ou desenvolver engenharia financeira mas, ao contrário, aproveitar-se da criatividade e da engenhosidade tecnológica. Ele aspiraria a ser diferente de seu antecessor e mesmo a curar as feridas causadas por este. Enquanto a versão antiga exigia conformismo e padronização, o capitalismo 2.0 promete florescimento pessoal e diversidade.

É ao menos o que pretende. A euforia tecnológica produzida pela crise dos refugiados nos leva a rever a lista dos esforços de cooptação empreendidos por este novo avatar do capitalismo. Do greenwashing, que reveste com fachada verde as atividades industriais para o open-washing (suposta transparência como método de marketing); e agora, oempathy-washing (lavagem por compaixão). O termo descreve com clareza os esforços crescentes das empresas para aproveitar-se das crises humanitárias e alardear seu suposto compromisso humanitário.

As iniciativas de empathy-washing dão a falsa impressão de que a crise está dominada – como se a inventividade, à qual os indivíduos se dedicam agora intensamente, graças às tecnologias privatizadas, pudesse compensar a deterioração vivida fora das telas de computador ou celular. É verdade que algumas delas atenuam, de fato, os efeitos da crise – já que, sobre as causas, as soluções tecnológicas permanecem impotentes. Elas contribuem, também, a consolidar o poder das plataformas tecnológicas, a ponto de fazer destas intermediários indispensáveis para assegurar a boa gestão da paisagem política pós-crise.

Mas o empathy-washing não funciona sempre, como mostra o desaparecimento recente da aplicação I Sea, que estimulava os usuários a localizar e assinalar barcos de refugiados à deriva, em meio a imagens de satélites ao vivo, no Mediterrâneo. Criado pela agência em Singapura do grupo de publicidade Grey, esta aplicação, aclamada pela mídia, chegou a receber um Leão de Bronze, no festival internacional de criatividade de Cannes.

Descobriu-se que ele não fornecia imagens de satélite em tempo real. Os usuários viam apenas uma imagem estática do oceano, onde jamais conseguiriam encontrar embarcações verdadeiras. O I Sea exigia tão pouco de seus usuários, prometendo-lhes tanto. Para obter a redenção espiritual, já não havia necessidade de uma excursão árida a um campo de refugiados…

A persistência deste espírito humanitário tão tênue, tão fictício, revela nossa aspiração profunda a viver num mundo quase mágico, onde bastariam intervenções tecnológicas, agora indissociáveis do capital privado, para resolver todos os problemas.

E note-se que o aplicativo I Sea parece relativamente benigno, comparado ao Freedom-As-A-Service, ou “Liberdade como Serviço”3.Trata-se do cruzamento entre uma experiência de pensamento mal sucedida e uma tentativa de desenvolvimento comercial muito séria. Oprojeto foi apresentado pela Cisco, empresa de informática norte-americana especializada em servidores, durante um encontro de cúpula da ONU sobre identidade ocorrido em Nova York, em maio.

A Cisco descreve o conceito com uma curiosa mescla de jargão empresarial e termos hippies, de difícil compreensão. Aparentemente, deseja substituir os documentos de identidade emitidos pelos Estados — que às vezes os refugiados não possuem, devido a razões evidentes – por identidades numéricas que dependeriam de intermediários como… a própria empresa. O papel concreto de tais corporações permaneceria invisível, já que novas infra-estruturas digitais, como osblockchain, permitem dissimular sua participação sob o verniz de decisões algorítmicas, decentralizadas e impessoais.

“Construir a economia Freedom-As-A-Service”, explica a Cisco, “é dar às pessoas, aos refugiados e aos imigrantes, meios de agir”. Em outros termos, para integrar os refugiados a uma economia empresarial, em que a única chance de sucesso consiste em encontrar novas maneiras de comercializar sua existência.

Difícil saber se a Cisco age por interessar-se pela sorte dos refugiados ou por interesse no blockchain. A corporação promove as infraestruturas deste tipo desde que decidiu, em dezembro de 2015, articular esforços com a IBM, a Bolsa de Londres (London Stock Exchange), o banco Wells Fargo e outros, para impulsionar, padronizar e normatizar o blockchain em grande escala. A Cisco farejou, com precisão, um bom negócio na decentralização prometida por esta tecnologia, que ao contrário de nos livrar dos grandes grupos como ela própria, só tornaria maior nossa dependência em relação a eles.

Há não muito tempo, a justaposição das palavras “liberdade” e “como serviço” teria sido vista como um oxímoro. No entanto, num ambiente em que as empresas são vistas como capazes de assumir não apenas as funções do Estado-Previdência, mas também as de ajuda humanitária, a expresssão freedom as a service” não tem, para alguns, nada de paradoxal.

Para estarmos livres, num futuro próximo – que curiosamente assemelha-se cada vez mais a nosso passado feudal –, deveremos antes de qualquer coisa prestar fidelidade a um gigante da tecnologia. O dia em que nossa empresa-senhora voltar-se para outro modelo comercial, ou decidir simplesmente que nossa liberdade não é mais compatível com os cálculos de rentabilidade, será preciso encontrar um novo protetor privado de nossa liberdade.
–------------
1 - Os Blockchains tornaram-se conhecidos por permitir a emissão e controle da moeda virtual Bitcoin. São sistemas de registros de dados compartilhados por grandes redes de computadores – o que permite aferição por qualquer um dos integrantes da rede. Para informação técnica mais detalhada, consulte este texto da Computerworld. Leia também O banqueiro anarquista e o Bitcoin, no Le Monde Diplomatique. [Nota do Tradutor]
2 - Empresa norte-americana de computação em nuvem e de serviços financeiros, com valor em bolsa de valores superior a 55 bilhões de dólares. Leia mais na Wikipedia. [Nota do Tradutor]
3 - O nome refere-se ao princípio do Software as a Service, “Software como Serviço”, o SaaS, que permite aos utilizadores acessar e utilizar gratuitamente programas instalados não em seu próprio computador, mas em servidores distantes.

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: