sexta-feira, 9 de setembro de 2016

JUIZ LELÉ DA CUCA? JORNALISTAS AVENÇADOS TAMBÉM NO EXPRESSO? EXPLICA EINSTEIN!




Valdemar Cruz, jornalista do Expresso, serve o Expresso Curto de hoje. A peça é mesmo de um jornalista, a qualidade está servida por quem a tem. Vamos sorver letra por letra. Está gostoso. Claro que esta é a mídia pró-sistema. Só publica o que aprova e convém. Agora por isso: e então onde estão os nomes dos jornalistas que recebem uns trocos do Espírito Santo – chamam-lhe avenças – e que o consórcio dos Papéis do Panamá disse ter em sua posse e que o Expresso não publica? Será que há jornalistas do Expresso e de mais “caldeiradas do tio Balsemão e associados” que também recebiam avenças do Espírito Santo (GES). Por aqui, o nosso Espírito Santo de orelha acha que sim e que vai daí “abafam”. O tio Balsemão lá sabe as linhas com que se coze. Ou será com que nos coze em lume brando impondo censura? Pois. Perguntar não ofende, pois não? Afinem as sensibilidades e mentalizem-se que mais cedo que tarde isso virá a público sem censura e sem ser a conta-gotas. Pois.

Daqui, mais em baixo, a cafeína matinal abre com dúvidas de como deve abrir o Expresso Curto. Perguntámos ao Einstein o que faria perante tais dúvidas e ele disse, com a sua habitual modéstia, que o que importa é abrir a Caixa de Pandora detida por uns poucos que põem e dispõem neste mundo. Depois, abrir com qualquer conteúdo e publicá-lo todo, sem censura, assim como os seguintes. Todos. Do tipo aqui me queres, aqui me tens. “Mas abram mesmo a Caixa e revelem todo o conteúdo. Deixem-se dessa de que o segredo é a alma do negócio porque isso não é informar mas sim manipular, ocultar, censurar". Pois. Afinal o negócio da informação é como é (com censura e manipulação) porque é um negócio e guarda segredos, podres que não revela, e são pagos por isso. Grande negócio.

E quem bater com a língua nos dentes ou dispuser o preto no branco com o teclado… está quilhado.

Esclarecendo: o Einstein com quem falei é canino. É o meu grande amigo cão, que sabe e vale muito mais que certas e incertas pessoas. Isso, aquelas em que já estão a pensar. Pois.

Está menos calor. Está vento. Portugal continua em chamas. Agora no Algarve. Temos de fazer a dança da chuva para ver se salvamos alguma floresta e casas deste país. Haja bombeiros. Mesmo maltratados por políticos, por governos e outras bestas dos poderes, lá andam eles, exaustos mas imparáveis. Obrigado, bombeiros de Portugal.

Um juiz. Carlos Alexandre. Esta já é outra conversa. Pode saber mais na TSF, aqui: Super-Juiz tem a certeza de que é escutado. Esta expressão do “super-juiz” é mesmo infeliz. Afinal o homem anda com o rabo entre as pernas ou então a mioleira cedeu a pressões e não está a funcionar nos trinques normais. Disse ele que alguém o escuta e que até houve sons do mar, ondinhas a murmurar na praia… Querem ver que o “super” já anda a ouvir “coisas” que são fruto do imaginário? Estará a ficar lelé da cuca? Cuidado, um juiz sem os alqueires mentais bem medidos é um perigo! Ainda mais perigoso que um “super-juiz” (quem terá sido o madraço que inventou esta do “super”?).

Bem. Mas se o Carlos Alexandre está de boa saúde mental e anda mesmo a ser escutado, quem será que o escuta na praia, com ondinhas a baterem na areia? Está mal. Uma coisa é certa: ainda bem que é o mar a bater na areia e não nas rochas. É que quando o mar bate nas rochas quem se lixa é o mexilhão. E esse está farto de ser lixado e a ver o super-juiz decidir com dois pesos e duas medidas, uma delas, branda q.b., foi com o Ricardo Espírito Santo. Tadinho. Pois.

Já chega. Vamos lá ver o Expresso Curto saboroso que por acaso hoje é um pouquinho mais cheiinho…

Bom dia, se conseguirem. Façam tudo por isso.

Mário Motta / PG

Bom dia, este é o seu Expresso Curto

Valdemar Cruz – Expresso

O que faria Einstein?

Posto perante o dilema de escrever um Expresso Curto com tantos temas passíveis de merecerem o destaque de abertura – Incêndios, IRS, Comandos, governantes com viagens pagas pela Galp, o discurso de Maria Luís Albuquerque na Grécia, a recapitalização da CGD - dei comigo a pensar numa pergunta que, escrevia há tempos um professor (Thomas Levenson) do Massachussetts Institute of Technology, EUA, os jornalistas deviam com mais frequência colocar a si próprios: o que faria Einstein? Num meio de tópicos tão complexos e num mundo comunicacional tão polarizado, é preciso saber relativizar e colocar as questões em perspetiva. Então, se todas aquelas hipóteses são importantes, nenhuma o é de um modo tão persistente e consistente como uma outra que está a ocupar espaço nobre dos jornais há dois dias: os resultados do inquérito ao grau de satisfação dos professores. Há uma expressão latina capaz de caracterizar esta questão: "Non nova, sed nove". Isto é, nada disto será novo, mas a frieza dos números leva-nos experienciar tudo de uma forma diferente e com um novo olhar. Entre 2910 professores inquiridos pertencentes a 130 escolas públicas e privadas, mais de 35% dizem-se exaustos, baralhados ou desesperados; 57% estão insatisfeitos devido à falta de reconhecimento profissional; 52% mostram-se preocupados com a indisciplina na sala de aula. As transformações na relação com os discentes levam a que 58,9% apontem como uma outra preocupação a falta de respeito na sala de aula; 64% consideram que a educação piorou em Portugal; 85% dizem que o Ministério da Educação não valoriza o seu trabalho;para 58% os pais dos alunos também não dão particular atenção ao trabalho dos professores. Os números continuam e são dramáticos. Em entrevista ao Expresso Diário, Joaquim Azevedo, investigador da Universidade Católica, ex-secretário de Estado da Educação, coordenador do projeto “As preocupações e as motivações dos professores”, lançado pela Fundação Manuel Leão, diz que o que mais o surpreendeu “foi o número tão elevado de respostas que expressam a insatisfação e cansaço dos professores”. A surpresa será genuína, mas os resultados seriam previsíveis para quem tenha acompanhado com um mínimo de atenção o modo como os professores têm vindo a ser tratados, pelo menos desde há duas décadas. O auge da degradação e da imagem pública dos docentes foi atingido durante o consulado de Maria de Lurdes Rodrigues como Ministra da Educação, no governo de José Sócrates. A 8 de março de 2008 realizou-se a maior manifestação de sempre em Portugal com mais de 100 mil professores na rua. Não por acaso,90,7% dos professores responsabilizam também a comunicação social pelo desprestígio associado à profissão. A classe está envelhecida. Perderam-se todos os atrativos para entrar numa profissão que deveria estar entre as mais valorizadas da sociedade. Passa pelos professores a construção do futuro que queremos ou ambicionamos. Esse futuro fica comprometido quando alguns dos principais agentes do que há de mais transformador numa sociedade – a educação e o conhecimento –estão desesperados, dizem-se exaustos e ansiosos por abandonar a profissão. Os professores, um dos esteios do ensino público, sempre foram uma classe profissional aglutinada à volta de um movimento sindical muito forte. Coisa rara num tempo de anátema sobre os sindicatos. Como nada é inocente e nada é fruto do acaso, é fundamental perceber como, em particular nas duas últimas décadas, houve a intenção deliberada de quebrar a espinha (para utilizar uma expressão com história) a essa força coletiva. Os professores perderam autonomia. Perderam autoridade. Perderam liberdade. Perderam prestígio. Perderam salários.Ganharam longos programas. Perderam-se no labirinto da burocracia. Na verdade a espinha (chamemos-lhe assim) terá sofrido impactos brutais, mas resiste. Tal como resiste o ensino público, mesmo se cada vez mais vilipendiado.

OUTRAS NOTÍCIAS

Num Curto muito dedicado à educação, eis mais uma notícia assustadora, veiculada pelo JN. Este ano Portugal terá o mais baixo número de matrículas deste século. Entram 80 mil alunos no 1º ano do 1º ciclo. Em 1985 foi inscrito o dobro de alunos. O número de alunos tem vindo a crescer de forma continuada desde há uma década. Segundo dados da Direção-Geal de estatísticas da Educação e Ciência, em 2000/01 entraram no 1º ano de escolaridade.

Veiculada pelo JN. Este ano Portugal terá o número de matrículas deste século. Entram 80 mil alunos no 1º ano do 1º ciclo. Em 1985 foi inscrito o dobro de alunos. O número de alunos tem vindo a crescer de forma continuada desde há uma década. Segundo dados da Direção-Geal de estatísticas da Educação e Ciência, em 2000/01 entraram no 1º ano de escolaridade 116 938 crianças.

Hoje realiza-se em Atenas a Cimeira dos Países do Sul da União Europeia, preparatória da Cimeira da EU marcada para o próximo dia 16. Segundo o Público, António Costa vai deixar como marca da sua participação a defesa da construção de alternativas às políticas de austeridade capazes de resultarem num aumento do investimento e num sustentado crescimento económico.

Nos comandos portugueses debate-se uma questão semântica. O Minsitro da Defesa, Azeredo Lopes, diz que os cursos estão “suspensos”. O presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas, tenente-coronel António Mota, discorda do uso daquela expressão porque, diz, não estão suspensos, mas “condicionados aos resultados dos inquéritos” em curso no Estado Maior do Exército e no Ministério Público sobre a morte de um militar no próximo domingo. O Rui Gustavo explica-lhe tudo no Expresso Diário. Marcelo Rebelo de Sousa está de acordo com a suspensão dos cursos e vai visitar os comandos internados, como explica a Ângela Silva.

Se possui contas bancárias com depósitos superiores a €50 mil, abertas a partir de 1 de janeiro deste ano, saiba que o fisco passará a ter acesso a esses saldos. A medida é válida para nacionais e estrangeiros. Os bancos terão de comunicar até 31 de julho do próximo ano os dados coligidos até 31 de dezembro. Uma outra forma de colocar a questão é dizer, como o faz o DN, que as “contas anteriores a 2016 escapam ao fisco”.

Não devia ser necessário, mas ele aí está. O Governo aprovou um código de conduta. Surge na sequência da polémica criada pelas viagens pagas pela Galp a membros do executivo para assistirem em França a jogos do Europeu de futebol. A partir de agora, os membros do Governo e dirigentes da Administração Pública não podem receber prendas cujo valor seja superior a €150.

Lá fora

No deserto da Nigéria foram encontrados na passada semana os corpos de 34 migrantes que tentavam chegar à Argélia, noticia o Guardian. Entre os mortos estão vinte crianças, cinco homens e nove mulheres. Segundo as autoridades, poderão ter morrido de sede na zona de Assamaka, perto a um posto fronteiriço entre os dois países. Terão sido abandonados por traficantes de pessoas.

Uma empresa dinamarquesa de construção, a CNBT DK Aps vai ter depagar perto de €2,5 milhões em indemnizações por irregularidades nos pagamentos e nos horários laborais de trabalhadores portugueses envolvidos na obra de extensão do metro de Copenhaga, na Dinamarca. A notícia faz manchete no Público. O jornal assegura que as indemnizações variam entre os €1300 e os €100 mil.

A contaminação atmosférica é já o quarto fator de morte prematura no mundo e provoca prejuízos de biliões de dólares na economia mundial, segundo um relatório do Banco Mundial ontem publicado. As doenças provocadas pela contaminação ambiental (cardiovasculares, cancro do pulmão e outras doenças pulmonares crónicas) são responsáveis por uma em cada dez mortes no mundo, o que representa um número seis vezes superior ao das mortes provocadas pelo paludismo, por exemplo.

O homem destruiu, nos últimos 25 anos, um décimo das regiões selvagens ainda existentes na Terra. Segundo estudos agora revelados, caso esta tendência não diminua, no espaço de um século poderá não restar qualquer área selvagem no globo. Só a Amazónia representa quase um terço desta perda “catastrófica”. Outros 14% desapareceram na África central, numa região de milhares de espécies, incluindo elefantes da floresta e chimpanzés.

757 milhões de adultos, dos quais 115 milhões são mulheres entre os 15 e os 24 anos, não conseguem ler ou escrever uma simples frase. A maioria dos excluídos das escolas são raparigas. Entre os adultos, a maioria (63%) dos que apresentam baixos índices de literacia são mulheres. Dados revelados pela UNESCO a propósito do Dia Internacional da Literacia, ontem celebrado.

Esteja atento à Liga inglesa porque amanhã (13h30) vai acontecer a aquela que se admite ser a mais cara partida de futebol alguma vez disputada em todo o mundo. Os Manchester, United e City, treinados por Mourinho e Guardiola (comece a somar), reúnem nas suas fileiras alguns dos jogadores mais cotados da bolsa futebolística, ou pelo menos protagonistas das mais dispendiosas transferências da época. Ora veja: De Gea, Pogba, Ibrahimovic, Fernandinho, John Stones, Eric Bally, Leroy Sané e tantos outros. O onze tipo dos dois conjuntos, segundo contas feitas pelo El País, deverá ultrapassar os €600 milhões.

E se acabássemos esta secção com uma ideia radical? O suíço Le Temps amplifica a questão colocada pelo economista estadunidense Keneth Rogoff, segundo o qual devia acabar o dinheiro em espécie, muito utilizado em operações ilegais. Uma sondagem recente da Master card revela que, numa sociedade numérica, e não obstante a massiva divulgação de cartões de crédito e de débito, o dinheiro vivo continua a ser o meio de pagamento em 85% das transações de consumidores em todo o mundo. Perto de 14 mil milhões de dólares passam regularmente de mão em mão. Nunca houve tanto dinheiro em circulação. Na opinião de Rogoff, acabar com o dinheiro atacaria a corrupção, a evasão fiscal, o terrorismo, o tráfico de droga e de seres humanos e a economia subterrânea. É muito radical acabar com tudo isto?

FRASES

“Um terço dos docentes a dizer que gostaria de deixar de dar aulas e que acha que há desmotivação, é um valor muito significativo. (…). São 40 mil profissionais que manifestam esse mal-estar. E isso é grave”. Joaquim Azevedo, coordenador do estudo “As preocupações e motivações dos professores” no Expresso Diário.

“Nem há governo, nem luzes novas na oposição”. António Lobo Xavier na Quadratura do Círculo/SIC Notícias

“Todos os compromissos que o PS assumiu com o PCP e o Bloco estão a ser todos rigorosamente cumpridos”. Jorge Coelho na Quadratura do Círculo/SIC Notícias

“O cimento dos acordos PS, PCP e Bloco é a mudança do alvo da austeridade, das medidas restritivas. Isso é uma mudança social muito significativa”. José Pacheco Pereira na Quadratura do Círculo/SIC Notícias

“Portugal está pior do que podia e devia”. Maria Luís Albuquerque, ex-minisra das Finanças do Governo PSD/CDS em Atenas numa iniciativa do partido Nova Democracia

"O que frisei é que este ano e em 2017, e é isso que está previsto, vai haver uma diminuição da carga fiscal; que será eventualmente menor do que nós desejaríamos. Mas consistentemente vamos ter dois anos de redução da carga fiscal sobre todos os portugueses".Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia

"Sinto-me escutado no meu dia-a-dia, sob várias formas". Carlos Alexandre, magistrado judicial do Tribunal Central de Instrução Criminal em entrevista à SIC

“Sempre achei que tinha algo em comum com Sísifo. Estou sempre a empurrar aquela pedra. De uma maneira ou de outra. Estou sempre a empurrar aquela pedra”. Bruce Springsteen no trabalho de capa da última Vanity Fair

“Quantos dos nossos atormentados espiões teriam preferido que Edward Snowden tivesse escrito um romance?”. John le Carré,escritor, que ontem publicou o seu livro de memórias “The Pigeon Tunnel”.

O QUE ANDO A LER

Depois do deslumbramento (sim, é a palavra) provocado há uns anos pela leitura de “Fala-lhes de Batalhas, de Reis e de Elefantes”, eis-me perante o incómodo estranhamento suscitado pela leitura do novo, longo e melancólico romance do francês Mathias Enard, “Bússula”, editado pela D. Quixote. Vencedor do Prémio Goncourt 2015, suscita-me sentimentos contraditórios. Hesito entre a paixão e o ódio. Vale a pena, neste espaço, mostrar como não lemos apenas maravilhas absolutas e inquestionáveis. O problema de “Bússola” é um pouco esse. Tanto é brilhante (e na verdade é-o com frequência), como se arrasta, tentado a deixar-se cair na indolência opiácea do narrador, o austríaco Franz Ritter, um universitário orientalista, musicólogo a debater-se com uma doença grave. A narrativa decorre durante uma noite de insónia numa Viena tida como antiga porta do Oriente. Ou será o contrário? Essa é uma das questões mais relevantes do romance (ou será um ensaio?), ao explorar os equívocos em que sempre têm assentado as relações entre Ocidente e Oriente. Através do olhar ou das memórias convocadas por Ritter entramos numa longa e detalhada viagem através dos antigos protetorados franceses e britânicos, que nos leva de Viena aos mares da China, com passagem pela revolução iraniana, os bordéis de Istambul, as ruínas de Palmira, os fumadores de ópio, as escavações na Síria. Sempre à sombra do amor impossível por uma Sarah idealizada, passamos por Damasco, detemo-nos em Teerão ou no Cairo.Refletimos sobre a Al Qaeda e o Daesh. Somos confrontados com dilemas antigos projetados no nosso quotidiano. Ficamos a conhecer inimagináveis pequenos e grandes episódios relacionados com a vida de homens e mulheres que de alguma forma cruzaram ou são devedores das relações de proximidade entre dois mundos, duas culturas, como Franz Liszt, Mozart, Donizetti, Beethoven, Mahler, Annemarie Schwarsenbach, Mendelssohn, Brahms, Balzac, Rimbaud, Sadegh Hedayat (escritor iraniano), Shaharam Nazeri (cantor iraniano), o sultão Abdümecit, o seu irmão Abdülaziz, “o primeiro wagneriano do oriente”, ou Napoleão Bonaparte, “o inventor do orientalismo” e tantos, mas tantos outros, numa sucessão de nomes, detalhes informações, reflexões e histórias demasiadas vezes tão só reveladoras da imensa e bulímica erudição de Mathias Enard. O livro torna-se esmagador, pelo modo como nos confronta com a nossa própria ignorância. Essa aparente fragilidade poderá ser, afinal, um dos seus fascínios, pelo modo como nos desafia a um caleidoscópio de novas e porventura nunca imaginadas leituras e aventuras.

Despeço-me com 4 minutos de divertimento, proporcionados por este vídeo feito com material de arquivo da NASA recolhido nos anos de 1980 no interior de naves espaciais. Veja os resultados e tenha um bom dia na companhia do Expresso on line e, mais logo, do Expresso Diário. Amanhã, como sempre, terá o seu semanário.

Sem comentários: