segunda-feira, 19 de setembro de 2016

SAÍDA DO EURO. ASSIM, ANDAMOS A SERRAR PRESUNTO E POUCO MAIS



Mário Motta, Lisboa

SAÍDA DO EURO

O PCP aprovou ontem na reunião do Comité Central a existência de um aprofundamento da crise estrutural do capitalismo e a recuperação da soberania monetária de Portugal. A saída do Euro está ao rubro na discussão.

Jerónimo de Sousa esclareceu que "Abre-se agora uma terceira fase de preparação do congresso [entre 2 e 4 de dezembro em Almada], em que os militantes são chamados a pronunciar-se sobre o texto e a eleger os delegados ao congresso". Pode ler na TSF.

Ficamos à espera. É certo e sabido que Portugal no Euro só está para perder e sem a mínima possibilidade de inverter a situação. O Euro serve a Alemanha e países mais fortes (grosso modo) à custa da dependência e controlos castradores da economia dos outros países, os mais fracos – na Europa de Leste e nos países do sul. Urge que Portugal possua moeda própria, o Escudo.

É FARTAR VILANAGEM

Em título, também na TSF, pode ficar a saber que, segundo o PS: "É possível que as nossas previsões não se venham a confirmar". E mais: “Carlos César acredita, no entanto, que o "ritmo de crescimento da economia vai aumentar".O líder parlamentar socialista elogia Marcelo e desafia o PSD a garantir votos para que haja presidente do CES.”

Sabemos que a chamada “geringonça” vai andando devagar, devagarinho e parada. As dificuldades para as populações mais carenciadas continuam gritantes. As parcas migalhas que foram distribuídas não chegam para superar a ínfima parte dos “cortes” impostos pelo governo neoliberal-fascista de Passos, Portas e Cavaco. 

César admite que nem todas as previsões se venham a confirmar, o que significa que os mais carenciados, os mais fragilizados podem esperar nada ou, talvez, mais algumas migalhas. O regabofe dos ricos cada vez mais ricos e os pobres (miseráveis) cada vez mais pobres (miseráveis) vai prosseguir. Costa, o seu governo, está a fazer que anda mas não anda. Enquanto os partidos de esquerda que o apoiam parlamentarmente vão ficando pacientemente à espera e na esperança que a “maquina” avance e a justiça social e as outras justiças inerentes ao Estado de Direito passem a ser uma realidade. A chantagem e os pauzinhos na engrenagem dispostos pela UE, pelo PSD e pelo CDS, pela globalização, são flagrantes… E Costa não dá o devido murro na mesa. Assim não vamos lá. Andamos a serrar presunto e pouco mais.

Para complicar (e muito) as medidas que seriam melhores para a maioria dos portugueses existe um exército muito ativo de jornalistas e fabricantes de opinião que são uma imensa mole de vendidos a umas quantas vantagens e avenças que lhes são proporcionadas pelos grandes grupos do capital. A manipulação e a intoxicação são o pão nosso de cada dia, a alienação é usada pelos portugueses (por imensos europeus) como bóia de salvação para sobreviverem neste caos imposto pelo neoliberalismo-fascista, sustentado, em Portugal, por Passos e quejandos da espécie dos vende-pátrias em prol da exploração dos povos e da instalação da miséria.

Até por isso a saída do Euro é imperiosa. A saída é certa. Mas quando? Quanto mais depressa melhor, com conta peso e medida.

Também é certo e sabido que um dia a revolta dos europeus ocorrerá. Provavelmente irão entregar-se nos braços do populismo, do fascismo. Isso não é o que interessa aos portugueses. Para os que esbulham os povos a máxima é “enquanto o pau vai e vem folgam as costas” e isso reflete-se no aumento das suas fortunas depositadas em odres a transbordar com o produto dos roubos e desumanidades.

Nada mais certo: É fartar vilanagem!

Sem comentários: