sábado, 4 de fevereiro de 2017

TRUMP REAGE À SENTENÇA DO JUIZ QUE BLOQUEOU PROIBIÇÃO DE ENTRADAS NOS EUA




Casa Branca promete combater bloqueio de juiz à proibição de entradas nos EUA

A Casa Branca vai lutar contra a decisão de um juiz federal que suspendeu temporariamente a proibição de entrada de pessoas de sete países muçulmanos, decretada pelo Presidente Donald Trump.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, reafirmou que a ordem executiva de Trump é "legal e apropriada" e disse que o Departamento de Justiça irá pedir uma suspensão de emergência da ordem do tribunal federal "o mais depressa possível".

"A ordem do Presidente tem como objetivo proteger a nação e ele tem a autoridade constitucional e a responsabilidade de proteger o povo norte-americano", disse.

O comunicado inicial de Spicer classificava à decisão do tribunal de "escandalosa", mas numa versão atualizada o termo foi retirado.

A ordem de suspensão do juiz James Robart devia manter-se válida em todo o país até ser efetuada uma revisão completa da queixa apresentada pelo procurador-geral de Washington, Bob Ferguson.

A decisão surgiu depois de Ferguson ter apresentado uma ação legal para invalidar disposições essenciais da ordem executiva de Trump, que afasta refugiados sírios indefinidamente e bloqueia cidadãos do Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen de entrarem nos Estados Unidos por 90 dias. Refugiados de outros países que não a Síria ficam impedidos de entrar por 120 dias.

Ferguson argumentou, na sua queixa, que a ordem do Presidente viola os direitos constitucionais dos imigrantes e das suas famílias, já que visa especificamente muçulmanos.

No início da semana a então procuradora-geral interina do país, Sally Yates, ordenou aos advogados do Ministério Público que não defendessem a proibição de Trump, uma posição que fez com que, em seguida, fosse despedida pelo Presidente.

Lusa, em TSF

Trump: "a opinião desta espécie de juiz é ridícula"

O Presidente americano usou o Twitter para criticar o juiz que suspendeu a proibição de imigrantes de alguns países islâmicos viajarem para os Estados Unidos.

Trump usou o Twitter para mostrar que está irritado com o juiz de Seattle. Para o Presidente, "a opinião desta espécie de juiz, que basicamente vai contra a lei do nosso país, é ridícula e vai ser anulada".

Horas antes, e através do porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, a presidência norte-americana já tinha mostrado o seu desagrado. Sean Spicer, tinha reafirmado que a ordem executiva de Trump é "legal e apropriada" e disse que o Departamento de Justiça irá pedir uma suspensão de emergência da ordem do tribunal federal "o mais depressa possível".

"A ordem do Presidente tem como objetivo proteger a nação e ele tem a autoridade constitucional e a responsabilidade de proteger o povo norte-americano", disse.

A ira da Casa Branca surge depois de um juiz federal de Seattle, nos Estados Unidos, ter ordenado na sexta-feira a suspensão temporária, a nível nacional, da proibição de entrada de pessoas de sete países de maioria muçulmana, decretada pelo Presidente Donald Trump.

A ordem temporária do juiz James Robart vai manter-se válida em todo o país até ser efetuada uma revisão completa da queixa apresentada pelo procurador-geral de Washington.

TSF

Sem comentários: