Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sexta-feira, 3 de março de 2017

ANÚNCIO DE "SÉCULOS DE SOLIDÃO"...


Martinho Júnior, Luanda  

… Outro livro em que sou coautor será publicado em breve em Luanda…

… Séculos por que, em imensas regiões, África era um continente impenetrável, um continente opaco e quase apenas povoado de rotinas palúdicas, nas artes vivenciais dos homens e até nas guerras entre irmãos...

... E esse tempo mede-se em solidão, nos termos da antropologia da vivência humana, não só nas duas estações tropicais de cada ano, mas também do que emergiu do adobe esventrado, ou da palha ensopada, ou da explosão das recém-chegadas granadas, apenas um pouco para além das histórias típicas da luta pela sobrevivência com os pés gretados e empoeirados nos ignotos trilhos, sulcando a cadência de séculos!...

Nascer para a história e para a humanidade em África, foi mesmo (ou ainda está a ser), um parto difícil e ensanguentado, lento para além dos limites de várias gerações e pejado de quadros terríveis e monstros, quadros dantescos de escombros e armas, de quinquilharias e enfatuados ladrões, de limites desenhados pelas garras dos abutres, quadros povoados de invasores gestos de suave, ou de cruel opressão, para os tradicionais tempos que estão sendo tragados tanto faz…

… Na voragem desses tempos agora em parto, as espécies evaporam-se nos longínquos planaltos e nas alturas que dominam os grandes lagos, bem por dentro do coração das trevas, seus genes são queimados entre vulcões…

… E nós mesmo estivemos e estamos por dentro desse colapso húmido, ou abrasador de lava pungente, como pequenos náufragos, clamando por nossa mãe, porventura saltando só agora do berço da própria humanidade!…

… Por vezes, houvera que ser, os pequenos náufragos, afrontarem os convulsivos tempos revoltos e revolvidos, ainda que no meio das lavras ardentes, de armas na mão!

Este será ainda um tempo transitório, doloroso, a que se habituaram e nos habituaram os europeus, sorvendo um planeta pequeno para a sua desmedida ambição transcontinental e global, em nome do lucro, da máquina e da electrónica, sepultando o cadenciar dos tambores ancestrais em cemitérios de onde não mais irão poder sair, bem fundo nas entranhas duma terra que afinal não passa dum pólen perdido no espaço sideral...

... Em África hoje o tempo ganha outra dimensão para muitas comunidades e até mesmo para muitos povos, esvaídos que estão os tempos tradicionais que como ilhas se refugiam meio envergonhados no que resta das grandes selvas, ou nos desertos mais ardentes e inóspitos do globo, que não se cansam de avançar em múltiplas direcções!...

... Em África há por isso uma dialética feita de sobressaltos constantes, por causa desse (des)compasso entre dois campos humanos com tempos culturalmente distintos e, quantas vezes, dilacerados, abissais, antagónicos, mas aspirando como  nunca a todas as vidas que lhe foram negadas e ainda hoje quantas vezes lhe são negadas!...

… Em África acelera-se a busca pelo espaço vital e pela água incontinente do interior, quando os desertos avançam com areias de soterrar o verde das paisagens e tudo isso outrossim, para que o convulsivo tempo moderno que sopra de fora, se imponha sobre a natureza, sobre os homens e sobre as mais legítimas aspirações à clarividência da vida!

… África que se arrasta desde os tempos drásticos que vão deixando de ser impenetráveis e opacos, sorvida em ventos que invadem a pele e revoltam as entranhas do tambor, como um poderoso assassino de inocentes!...

… Podemos assim confessar, ganhando fôlego, que (sobre)vivemos aos dois tempos antagónicos como muito poucos tiveram tão sensível quão palpável oportunidade de (sobre)viver, com a convicção humilde, singular, dolorosa, mas ardente, que finalmente África vai perenemente renascer e vencer o opróbrio de “Séculos de solidão”!... 

Apontamento por um livro que urge continuar a escrever…

Sem comentários: