Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 12 de março de 2017

GOVERNO DE CABINDA NO EXÍLIO E FLEC ENVIAM MENSAGEM AOS POLÍTCOS PORTUGUESES


MENSAGEM DO GOVERNO DE CABINDA NO EXÍLIO E DA FRENTE DE LIBERTAÇÃO DO ESTADO DE CABINDA (FLEC), AOS POLÍTICOS PORTUGUESES

         PORTUGAL HÁ MUITO ERA UMA PROVÍNCIA ESPANHOLA!

Se Angola vai de Cabinda ao Cunene, como defende alguns políticos portugueses, e como diz o antigo presidente da República Portuguesa Anibal Cavaco Silva, no dia 20 de julho de 2010, em Luanda, esquecendo o Tratado de Simulambuco, o compromisso que incluiu constitucionalmente Cabinda na Nação Portuguesa de forma autónoma, e esquecendo as responsabilidades históricas de Portugal, não há duvidas para nós, os cidadãos do protectorado Português de Cabinda, de que Portugal há muito, era uma província Espanhola, (a Iberia tão desejada por José Saramago). 

CABINDA NÃO FAZ PARTE DE ANGOLA. CABINDA É UM PROTECTORADO DE PORTUGAL!
                        
(De acordo com o Tratado de Simulambuco de 1 de fevereiro 1885)

Sua Excelência, Francisco Bilendo Junior, chefe da diplomacia  do  Governo de Cabinda no exílio, liderada pelo Comandante António Luís Lopes, lança um apelo ao Governo Português, para desempenhar um papel na pacificação de Cabinda, em que Portugal também tem responsabilidades históricas. O Governo Português deve mostrar coragem politica não só ao reconhecer o direito do povo de Cabinda à autodeterminação, como também proclame a verdade, dê o seu testemunho e ajude a Comunidade Internacional a encarar essa verdade, aplicando o direito que as regula. Por outro lado, com os contactos privilegiados que Portugal tem com o Governo Angolano e com o Governo de Cabinda no exílio, pode-se encontrar uma forma de fazer com que o diálogo entre angolanos e os cidadãos do protectorado português de Cabinda surta efeitos.

VIVA O PROTECTORADO PORTUGUÊS DE CABINDA

Benelux, aos 10 de Março de 2017 

Sua Excelência, Francisco Bilendo Junior,

Chefe da diplomacia, e Représentante da Frente de Libertação do Estado de Cabinda (Flec) no Benelux

Sem comentários: