Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quarta-feira, 3 de maio de 2017

PARA AFOGAR A BALEIA AZUL


Miguel Guedes | Jornal de Notícias | opinião

Quantas vezes ouvimos a expressão, feita reprimenda ou comparação em relâmpago-directo da boca dos nossos pais ou de familiar a quem nem reconhecíamos especial autoridade: "E se ele se atirasse abaixo da ponte, também te atiravas, era?". Em casos sem gravidade, a resposta esmagadora, "é claro que não". Mas há umas quantas décimas medidas por muita gente inteira que, em conflito interior, sibilam "sim, talvez" entre dentes. Ou que, por vezes, não dizendo palavra, são seduzidas por uma imagem de morte naquele momento redentora, alívio libertador dos piores males. Talvez pensem "sim, talvez" porque talvez pensem demais. Se comovam demais, se envolvam demais. Desencontram-se em demasia com o mundo que os cerca, como se esse mundo os afundasse numa bolha que não abraça ninguém. Uma redoma que questiona as virtudes, desagrega. A deles, num mundo que não dominam nem compreendem. Não há fraqueza na depressão, há doença.

O jogo russo da Baleia Azul é uma derivação virtual da roleta. Aparentemente, pode seduzir qualquer pessoa a quem o "mentor" reconheça requisitos mínimos para a tormenta, automutilação ou suicídio. Agrega-se à navegação da adolescência por uma primeira mensagem que convoca a 50 provas secretas, num misto de terror psicológico e chantagem, acompanhamento motivacional para a superação do desafio interno, ordens de automutilação e incitação última ao suicídio. O carácter criminoso deste "incitamento assistido" - que monitoriza diariamente os passos das vítimas - é assustador, ignóbil e perverso. Mas é também assustador como, abruptamente, assistimos a um condomínio-social de espanto pela descoberta de uma realidade que nunca foi conveniente ao olhar: a automutilação e o suicídio na adolescência sempre existiram, sempre estiveram justos ao horizonte castrado dos olhos, sempre viveram por cima dos ombros das histórias que a maioria ouviu ou sentiu por reflexo através da sua porta ao lado ou da janela do vizinho de baixo.

O suicídio é provavelmente a derivação mais complexa da morte. Não procuremos então reduzir o contexto do problema a um jogo que coloca à prova do algodão a relação primordial entre a sociedade e os seus filhos. Podemos continuar a varrer para debaixo do tapete e simplificar, fingindo que a depressão não existe e que a doença só merece atenção diferida. Isto, enquanto enchemos os nossos filhos de excessos ou de omissões. Podemos querer esquecer que a transição hormonal e o desequilíbrio químico acompanham os primeiros impactos e bloqueios, as primeiras emoções de mão cheia. Ajudar a resolver é resistir à tentação de correr a fechar as portas do armário dos filhos ou de encriptar o acesso a meia dúzia de passwords. Porque se um dia conseguirmos fechar a Web, iremos perceber que o que verdadeiramente nos falta é a rede.

O autor escreve segundo a antiga ortografia

*Músico e advogado

Sem comentários: