Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 25 de junho de 2017

Angola | ELES ROUBAM TUDO E NÃO DEIXAM NADA



Raul Diniz, opinião

O caso Danilo dos Santos ajuda a dar forma da verdadeira dimensão da corrupção entranhada no epicentro do regime. Essa situação mostra a pobreza que existe no debate sobre a corrupção, que de certa maneira ajudou a colapsar em todas as vertentes a situação politica do país. Por outro lado, percebe-se igualmente que não pode destrinçar a atitude criminosa do filho do presidente de corrupção centrada na imagem de José Eduardo dos Santos.

Apesar da república ter sido transformada no país do pai banana, ainda assim a situação é penosa e extremamente gravosa por tratar-se de um crime praticado por um dos muitos filhos do mais alto magistrado da república.

O eleitorado não quer o silencio do nosso candidato, e muito menos dos demais candidatos, dos quais se esperava estarem dissociados de praticas nocivas, e improprias para consumo, principalmente em tempo de eleições. A situação do país é deprimente, porém, as lideranças político-partidárias não tiraram as devidas ilações, esses apenas olham para o seu bem-estar e de seus afectivos dependentes.

A crise de valores éticos e morais está explanada a olhos nus e são de uma flagrante realidade fantasmagórico, porém, os políticos não conseguem retirar as reais ilações para ajudar a mudar o rumo desastroso que o país segue. A imensidão de escândalos praticados pelo clã familiar do presidente Dos Santos demonstra em certa medida uma clara e perceptibilidade de corrupção centrada na imagem do líder do regime despótico.

Agora, pouca ou nenhuma dúvida existe nas sucessivas declarações costumeiras do candidato da situação não esta nem nunca esteve comprometido seriamente no combate a corrupção. O silencio de João Lourenço em torno da compra do relógio só ajuda comprovar que as mesmas estão nutridas de perjúrio e da ausência de verdade exequível.

Tudo que foi dito por JL relacionado com o combate a corrupção, não passa de puro eufemismo doseado de engodos horripilantes descontextualizados da realidade que o país e o povo vive. Quero assim afirmar, que a campanha contra corrupção proclamada pelo JL está despida de qualquer credibilidade, por ter sido tremendamente beliscado pelo silencio observado pelo MPLA aquando da inédita atitude de Danilo dos Santos comprar um relógio, e/ou de fotografias por 500.000 dólares num leilão nos Estados Unidos.

Em face de mais um escândalo protagonizado por um membro da família real, não se verificou a condenação e/ou a indignação do nosso candidato João Lourenço que se escusou de reagir contra o acontecido. Mas afinal, de que lado João Lourenço afinal está? Do lado dos gatunos, corruptos bajuladores, ou do lado dos espoliados? Pior de tudo que aqui foi relatado acerca do gravoso acto gravoso praticado pelo miúdo Danilo dos Santos, é a falta de humildade dos pais do garoto.

Essa situação coloca a nu a enorme pobreza no debate politico em Angola. Essa situação ajudou fortemente a colapsar a estrutura do regime. Hoje o MPLA encontra-se desestruturado e está despido de valores éticos e morais. João Lourenço sai  muito beliscado dessa episódica acção de impunidade criminosa. É claro que  expressividade exposta no discurso de combate a corrupção passa a ser indigerível por ter sido posta em causa a sua credibilidade.

Não se pode continuar a banalizar o estado galopante da corrupção e ao mesmo tempo tratar com leveza as pratica relevante de nepotismo que grassa por todo país. Essa realidade certamente não ajuda a moralizar a ordem publico-social. Por outro lado, a sequência de transferências financeiras ilegais para contas ofshores, originarias da corrupção e lavagem de dinheiro praticadas pelo próprio ditador e sua família têm que ser estancadas, elas não podem continuar a prosperar. Essa situação vergonhosa somente será drenada quando existir em Angola a separação dos três poderes. Sobretudo, Angola precisa ter a cabeça um presidente  munido de valores profundamente éticos, que ajude a moralizar as instituições do estado.

Para se ter noção da temperatura prevalecente no interior do poder, basta observar a gravidade do ensurdecedor silêncio motiva pelo gesto insano do filho do presidente, reflecte da parte do ditador uma gritante falta de respeito a toda sociedade. O vergonhoso gesto do filho do presidente do feudo veio mostrar a dimensão real do estado degradante do regime.

A corrupção e a deslealdade do MPLA em relação ao soberano têm sido uma constante realidade. Não se trata aqui de um caso isolado, esse irreflectido gesto do rapaz Danilo está ligado aos inúmeros actos de puro gamanço praticados pela família do presidente da república que ao longo do consolado de 38 anos de usurpação do poder. É preciso não esquecer a riqueza acumulada pelo presidente e sua família cifrada na ordem dos biliões de dólares.

Em iguais circunstancias, a oposição parlamentar e arregimentada em torno do poder, deles assenhorou-se um aflitivo medo reconhecido no silêncio. Até aqui ainda não ouviu nenhum pronunciamento de reprovação da parte dos nossos candidatos presidenciais acobardados. A luz do dia eles se negam a contrariar o todo poderoso ditador. Cada vez mais essa gentalha se parece uns dos outros, como soi dizer-se, são tão iguais até mesmo nas diferenças.

Essa realidade vem comprovar a ausência de valores defendidos por João Lourenço, o candidato do MPLA deseja obter a todo custo o poder pelo poder. Fica também demonstrado o desejo ardente de JL continuar a militar em torno de mentiras maquiada como verdades. É caso para reportar o académico, musico e politico Zeca Afonso, que cantava assim: (eles comem tudo, eles comem tudo, eles comem tudo e não deixam nada). A hora e o momento são de mudança senhores donos da nossa Angola. Nós militantes extra-CAPs queremos a mudança, e o povo agradece.

Sem comentários: