Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quarta-feira, 12 de julho de 2017

JAGUNÇOS DA COMUNICAÇÃO SOCIAL E DAS ILHARGAS QUEREM DERRUBAR O GOVERNO?



Bom dia, este é o contrário daquilo que alguns jornalistas em Portugal andam a fazer. Não todos, mas bastantes. Nem merecem que os citemos para não gastar as cabeças dos dedos a teclar. O que não há dúvidas é que abundam por ali muitos arautos da desgraça a fazer frete à direita ressabiada, ao CDS da senhora que caiu do céu aos trambolhões e ficou no lugar de Portas e ao PSD do Passos que fez aliança com o diabo e o chama insistentemente. Só falta àqueles fazerem aliança com o ISIS e a seguir haver em Portugal ações terroristas como em França e em Inglaterra, por exemplo. Quanto pior melhor é as suas ideologias. Assim demonstram.

A vaga de lavagens aos cérebros está em marcha e os escribas da comunicação social andam a põr-se em bicos dos pés, com teclados afiados, a fazer a cabeça das pessoas, dos portugueses. Está a resultar, pelo menos naquilo que é visível nos órgãos de informação. O que vale é que nem todos os portugueses acorrem aos pasquins radiofónicos, televisivos, em papel ou online, porque passam a vida a trabalhar. E há mais emprego, e os indicadores (em números e na vivência do quotidiano) dizem-nos que Portugal está muito melhor após o CDS e o PSD, deixarem de ser (des)governo. Aliás, deixaram de se governar e de governarem as suas ordas.

De lamentar em tudo isto é que os ditos jornalistas estão apostados numa campanha que nos poderia conduzir ao retrocesso. Até parece que o que querem é derrubar o governo de Costa e voltar a colocar nos poderes as corjas que nos fizeram passar fome, desemprego, miséria abundante, venda de Portugal ao desbarato e das empresas estratégicas que davam lucro, etc., etc. Alguns, infelizmente, de linda profissão transportaram-na para nojo de profissão. Compete aos verdadeiros profissionais dar um murro na mesa e acabar com estas campanhas que prejudicam o povo e o país. O esclavagismo anda a par da ideologia de Passos. Vimos isso mesmo enquanto foi PM. Os que o rodeavam eram da mesma estirpe (salvo poucas exceções). É isso que querem para Portugal e para os portugueses?

Claro que este governo não é perfeito. Nunca existirá, nem existiu, um que o seja ou que o fosse. Mas condenar seja quem for ou o que for sem se saber as verdadeiras causas – como na tragédia de Pedrógão ou nos roubos de Tancos – é puro fascismo, práticas do fascismo salazarista que nos tolheu e consumiu durante quase 50 anos.

Pedrógão Grande, a grande tragédia, está em investigação. Depois serão apurados os responsáveis. Foi fogo posto? Foi um raio? Não se sabe ainda. É bom recordar que em anos após 25 de Abril de 1974 a direita ateava fogos por Portugal para semear o caos e o descontentamento. Punha bombas… É só para recordar. Verdade é que a investigação nos dirá o que aconteceu. Só depois, então, haverá legitimidade para fazer rolar cabeças (figurativamente).

Tancos. A responsabilidade é inteirinha dos militares que deviam guardar o material de guerra e não o fizeram. Por várias vezes alguém foi surripiando material de guerra… A responsabilidade cabe às chefias, mais até aos comandos subalternos. Assim também entendeu o Chefe do Estados Maior General das Forças Armadas. É assim que deve ser entendido por ser o correto. Investigue-se exaustivamente, apurem-se as responsabilidades. Depois, então, culpabilize-se quem tiver de ser culpabilizado fora das forças armadas, no caso concreto o ministro da defesa que o PSD e o CDS consideram desde a primeira hora dever ser demitido, mesmo sem culpa apurada e formada. Assim, porque sim.

Já vai longa a prosa. Basta. Esperemos que os jagunços (jornalistas, comentadores, e afins) da comunicação social, os que são, caiam neles e meditem na porcaria que andam a fazer. O prejuízo vai ser de todos, o benefício só de alguns, poucos – como aconteceu no passado e tenebroso governo do PSD/CDS não há muito tempo.

MM | PG

34 000 euros de Estado da Nação

Martim Silva - Expresso

Bom dia, hoje é quarta-feira, 12 de julho de 2017. Dia de debate do Estado da Nação no Parlamento. Já com António Costa de volta ao activo e com o Governo a atravessar a fase mais delicada da Legislatura.

Se há coisas para que servem as férias é para retemperar forças. E, no caso do primeiro-ministro, pelos vistos para aumentar os níveis de confiança. Em si próprio e sobretudo nos outros. Foi o que fez ontem Costa, dizendo confiar totalmente em tudo e todos. Do seu ministro da Defesa, ao Chefe do Estado Maior do Exército, ao CEMGFA, às chefias militares, às Forças Armadas. 

Pronto, já podemos estar mais descansados!

Depois do encontro de Costa com as chefias militares, coube ao CEMGFA, o Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas, admitir o “soco no estômago” que foi o roubo de Tancos. Ao mesmo tempo que revelava que o material militar roubado não valeria mais de 34 mil euros. E que parte dele, como os lança granadas foguete, nem sequer servia para nada. Sucata!

(Tomem lá gatunos, afinal foram enganados…)

No Expresso Diário de ontem à tarde apresentámos um trabalho que ajuda a entrar no debate de hoje. "A nação enquanto não há remodelação: 12 gráficos para explicar o bom e o mau do país", é o título do texto do João Silvestre e da Raquel Albuquerque. "António Costa vai levar consigo alguns trunfos". Só que, lê-se, resta saber "se os conseguirá jogar".

Este foi um ano em que o Governo e a geringonça estiveram claramente 'por cima' em largos períodos mas em que aparecem encostados às cordas pelos acontecimentos do último mês: incêndios em Pedrógão, roubo de material militar em Tancos e a demissão de três secretários de Estado que foram a convite da Galp ver jogos de Portugal no Euro do ano passado.

Também aqui se pode ler uma avaliação do estado do país. O Negócios colocou a lupa sobre 16 áreas, que mostram onde estamos e quais os desafios mais prementes.
Observador lembra o que de mais relevante se passou nos últimos meses.

Ainda sobre as cativações, um dos temas dos últimos dias e que seguramente estará presente no debate parlamentar de hoje, ontem a presidente da CMVM veio dar uma ajudinha à narrativa da oposição, dizendo que há investigações em curso que podem estar em curso precisamente por causa desses cortes de verbas.

Antes das hostilidades de hoje, ontem foi a vez de Marcelo juntar à mesma mesa em Cascais o presidente da Assembleia da República e os líderes parlamentares de todos os partidos, para o também habitual jantar de fim de sessão legislativa.

Tema quente, e que tem tudo a ver com o que vamos assistir no Estado da Nação de hoje, é o recente regresso do galpgate. Com novos episódios escaldantes e a demissão de três secretários de Estado de Costa, incluindo o homem forte do Fisco, Rocha Andrade.

António Costa, que ontem esteve com as chefias militares e hoje debate o Estado da Nação no Parlamento (são 226 minutos de discussão), prepara-se para concluir as entradas e saídas do Executivo nesta altura já amanhã, levando os novos nomes do Governo a Belém na reunião semanal com Marcelo. Os dados disponíveis indicam que Costa não fará uma remodelação mais profunda nesta altura, apesar dos apelos da oposição para a saída de vários ministros. O trunfo fica guardado para depois das Autárquicas.

A este propósito, há uma discussão crescente (quem olha e lê jornais todos os dias dificilmente não o notará) que eu resumiria em algo como ESTARÁ A JUSTIÇA A IR LONGE DEMAIS?

À primeira vista a resposta que se daria é não, dado que a demissão dos três governantes depois de aceitarem viajar a convite de uma empresa privada para ver jogos da bola em França não suscitou grandes dúvidas. Mas elas existem. Deixem-me partilhar algumas das reflexões que tenho lido e que mostram como não são poucos os que questionam se não se estará a ir longe demais.

-Pode um caso judicial ser ridículo? Por Ricardo Costa

-"Por este andar qualquer dia restam-nos os miúdos das Jotas ou os líderes das concelhias", afirmou o David Dinis

-"Aquilo que se sabe até ao momento não faz qualquer espécie de sentido", João Miguel Tavares

Quero deixar claro que, no essencial, não partilho das teses aqui expostas. Pelo contrário, acho que maior escrutínio, maior transparência e a consequente exigência de maior rectidão, probidade e independência de quem gere a coisa pública são uma evolução e não uma regressão na nossa sociedade.

Resumo isto numa frase: de hoje em diante será muito mais difícil a qualquer governante ou alto responsável público aceitar uma viagem ou outro tipo de prenda ou vantagem. Isso é bom ou mau?

OUTRAS NOTÍCIAS

Cá dentro,

Como uma esquadra inteira da PSP foi acusada de tortura e racismo. Numa decisão do Ministério Público sem precedentes, todos os agentes de uma esquadra são acusados de racismo e tortura. Terão sequestrado seis jovens do bairro da Cova da Moura, na Amadora, e usado violência física e psicológica.

A advogada das vítimas considerou esta uma "decisão histórica".

Perante os factos, também aqui no Público se foi ouvir em reportagem o que pensam habitantes da Cova da Moura da acusação aos policias.

O sindicato da polícia veio por seu lado dizer que a atuação dos agentes policiais de Alfragide foi correta.

O DN afirma hoje em manchete que a suspensão dos polícias está a ser avaliada

A atuação das comissões parlamentares de inquérito consegue ser uma verdadeira caixinha de surpresas. Agora, é a vez do inquérito sobre o que se passou na Caixa Geral de Depósitos ao longo dos últimos anos. Há muita documentação pedida e que ainda não foi recebida (por resistência das entidades que têm os documentos, que levam o assunto a tribunal) mas ainda assim a comissão pode terminar os seus trabalhos. Como contamos aqui, se de facto os trabalhos forem encerrados já para a semana, como pretendem os partidos que apoiam a geringonça,há documentos que poderão nunca chegar, como os relativos à lista dos devedores da Caixa, que permite identificar os beneficiários de empréstimos que se revelaram ruinosos para o banco público.

Quase um mês depois dos incêndios de Pedrógão, soube-se ontem que as autoridades nacionais ainda não formalizaram o pedido de ajuda ao fundo solidário da UE. Mas prometem fazê-lo brevemente.
Ao mesmo tempo, os centros de saúde em Pedrógão continuam sem sistema informático.

Marcelo promulgou ontem o decreto do governo de atualização extraordinária a 1 de agosto das pensões até aos 638 euros.

A investigação judicial a José Sócrates é como as obras de Santa Engrácia. Agora aponta-se Outubro como data previsível para a conclusão da acusação ao antigo primeiro-ministro. A culpa, como se pode ler aqui, é das malditas cartas rogatórias.

Estaremos a fazer cesarianas a mais? O debate não é novo, mas tem aqui um ângulo interessante no El Pais, que revela que é já a cirurgia mais realizada em todo o planeta.

Os tuk-tuks em Lisboa vão ter uma regulamentação própria. Mas esta só será conhecida depois das eleições autárquicas de 1 de outubro.

O acordo do Estado na TAP prevê que os cofres públicos podem ter de injetar até 270 milhões de euros na companhia em caso de incumprimentos, revela hoje o Jornal de Negócios, na notícia que faz manchete da edição.

Amorim avança com processo milionário contra o Estado. São 200 milhões, relacionados com a falência do Grupo Espírito Santo, noticia o Negócios

Agora que se prepara para assumir as tarefas do seu secretário de Estado da Indústria, afastado por causa das viagens da Galp, Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia disse ontem que nota existir uma grande vontade de investimento em Portugal.

O Jornal de Notícias diz em manchete que “Negócios de Jorge Mendes e 13 clubes investigados”. A Inspeção Tributária está a investigar os negócios com jogadores e treinadores em que interveio o empresário. Esta investigação passa também pela atuação de 13 clubes, incluindo os três grandes-.

O tráfego nas auto-estradas está a voltar aos níveis de antes da crise

A Liga denuncia o 'golpe' que diz ser a alteração legislativa prevista e que visa passar algumas das competências do organismo para a Federação Portuguesa de Futebol.


Lá fora,

As revelações sobre o encontro do filho mais velho do presidente Trump com uma advogada russa com alegadas relações com o governo de Putin está a dar muito que falar.

Vale a pena ler aqui o texto de John Cassidy na New Yorker

Destaque para este artigo do FT em que Martin Wolf explica como Trump (presidente) está a ressuscitar o conceito de guerra das civilizações.

Terminou o domínio do Estado Islâmico sobre Mossul mas ainda são muitas as interrogações sobre o que se seguirá na cidade iraquiana.

O acordo comercial entre a União Europeia e a Ucrâniavai entrar em marcha em setembro.

Paris e Los Angeles vão voltar a acolher edições de Jogos Olímpicos de verão, respetivamente em 2024 e 2028, decidiu o Comité Olímpico.

Um candidato à Assembleia Constituinte foi assassinado a tiro na Venezuela, país que continua a ferro e fogo.

Três mexicanos foram assassinados na fronteira entre o México e a Guatemala.

Desde o início do século passado foram extintas mais de 27 mil espécies. São milhares de milhões de mamíferos, aves, répteis e anfíbios que desapareceram da face da Terra, revela um estudo internacional noticiado pelo Público

NÚMEROS

44
é o numero de dias de suspensão aplicados ao diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Porquê? Declarações contra as arbitragens. Esta suspensão soma-se à que já foi aplicada ao seu homólogo do Sporting, Nuno Saraiva.

10
o dia 10 de julho passa a ser no calendário o dia do futebol nacional, decidiu a Federação, em homenagem à data em que a seleção conquistou no ano passado o Europeu.

FRASES

"Emocionalmente, custou-me deixar Eder de fora". Fernando Santos, selecionador nacional, sobre a ausência do avançado dos convocados da recente Taça das Confederações.

"Para repor a ordem pública há sempre excessos", António Ramos, dirigente sindical da PSP, saindo em defesa (de forma altamente tosca) dos agentes acusados de violência e racismo

"Terei vergonha do dia em que os magistrados do país façam greve", Passos Coelho, sobre a ameaça dos magistrado

“Pedrógão e Tancos não são consequência da austeridade”,Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, em entrevista ao DN

O QUE ANDO A VER

Depois de terminar as 700 páginas das aventuras de Ismael e do Capitão Ahab pelos mares do Atlântico, Índico e Pacífico na perseguição a Moby Dick, as duas últimas noites dediquei a ver e não tanto a ler. A ver o magnífico documentário da RTP 10 de Julho, dedicado à fantástica vitória de Portugal no Euro 2016 de França, precisamente há um ano. Imagens inéditas (algumas eu pelo menos nunca tinha visto) e um belo trabalho de edição. Aqui no Expresso torcemos sempre, obviamente pela SIC mas neste casoé justíssimo dar os parabéns à estação pública pelo trabalho realizado.

Aqui pode ler o relato da Tribuna do encontro de Fernando Santos com os jornalistas. “Sabem o vídeo em que os jogadores estão a jogar à bola de cabeça e depois o Cigano mete a bola no balde? É uma família. Indestrutível”

Vargas Llosa e Garcia Marquez são dois dos maiores escritores sul-americanos. Melhor, são dois dois maiores escritores. Responsáveis por algumas das melhores páginas que já li. Aqui, pela Luciana Leiderfarb, pode ler sobre a polémica que os divide há décadas.

Já a partir do próximo dia 22, não é este sábado, é o seguinte, o Expresso vai começar a distribuir gratuitamente, e durante sete semanas, a obra "1001 Noites"

Tenha um grande dia.

Sem comentários: