quinta-feira, 21 de junho de 2018

O racismo e a xenofobia avançam na União Europeia

PARTILHAR

O fascismo aproveita-se da democracia para se impor e, sempre que pode, avançar. Isso é evidente por toda a Europa e vimos na Itália – país mais a ocidente – a receita parecida com os países de leste que aderiram à EU e que ainda há pouco anunciaram “que não vão participar na minicimeira europeia sobre migrações que se realiza no domingo em Bruxelas.” 

Neste caso o boicote refere-se a Hungria, Eslováquia, Polónia e República Checa. Existem contudo mais países a comungar daquele tipo de racismo, de xenofobia, de fascismo, leis e procedimentos desumanos que violam os princípios e valores por que a União Europeia se regula.

É evidente a falta de coerência e de força estatutária dos órgãos da UE e países democráticos e humanistas da contra os que não cumpram os valores e regras humanitárias, praticando e legislando com evidência a propagação da xenofobia e do racismo. Afinal essa é a causa por que a intolerância e o fascismo alastra sem contenção, principalmente vindo de países de leste, e já afeta outros países europeus. O caso de Itália é flagrante e o da Alemanha ou de França são motivo de preocupação. Na UE tem de haver leis que regulem a admissão dos países e os expulsem como no caso de países manifestamente totalitários. Fascistas. Cresce a urgente necessidade de expulsar os que nada têm que ver com a UE e seus valores elementares ou a decomposição será inevitável a médio prazo.

Atualmente já estamos a assistir ao fim da UE e ao regresso à soberania dos estados, o que agradará a bastantes.

A notícia que melhor esclarecerá os que fazem questão de acompanhar a deterioração da  UE, da democracia, da perda de soberania e o regresso ao fascismo, racismo e xenofobia está já a seguir e pode ler… para acreditar. (PG)

Quatro países de leste vão boicotar minicimeira europeia

Os países do Grupo de Visegrado - Hungria, Eslováquia, Polónia e República Checa -- anunciaram hoje que não vão participar na minicimeira europeia sobre migrações que se realiza no domingo em Bruxelas.

"A minicimeira de domingo é inaceitável, não vamos participar, querem requentar uma antiga proposta que já recusámos", afirmou o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, após uma reunião com os homólogos húngaro, eslovaco e checo.

Morawiecki criticou ainda que o encontro tenha sido convocado pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, porque é o presidente do Conselho Europeu, Donald "Tusk o responsável pela organização das cimeiras".

"Não participaremos porque isso é contrário aos costumes da União Europeia", acrescentou.

"Os países membros do Grupo de Visegrado consideram que o diálogo sobre migrações é da competência do Conselho e não da Comissão", afirmou também o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban.

Os dirigentes dos quatro países reuniram-se hoje em Budapeste com o chanceler da Áustria, Sebastien Kurz, e, segundo Orban, acordaram reforçar a defesa das fronteiras externas da UE.

Juncker convidou na quarta-feira nove países da União Europeia para uma "reunião de trabalho informal", no domingo, sobre migrações, um dos temas centrais da cimeira europeia de 28 e 29 de junho.

A Comissão anunciou a participação dos líderes da Alemanha, França, Espanha, Grécia, Itália, Áustria, Bulgária, Bélgica e Holanda, mas frisou que a reunião é aberta a participação de todos os Estados-membros que manifestem interesse.

A reunião é vista como uma manifestação de apoio à chanceler alemã, Angela Merkel, pressionada pelo aliado de coligação CSU a obter dos parceiros europeus um endurecimento das regras em matéria migratória.

Segundo um projeto de documento de trabalho citado pela agência France-Presse, a reunião deverá terminar com um compromisso para acelerar a transferência dos requerentes de asilo para o país pelo qual entraram em território europeu e a criação de um "mecanismo de solidariedade eficaz" com uma repartição obrigatória dos refugiados pelos países membros, uma proposta que os países de Visegrado recusam categoricamente.

Lusa | em Notícias ao Minuto
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: