quinta-feira, 14 de junho de 2018

Futebol. Do fartote ao fartum

PARTILHAR

O sol brilha já p’ra todos nós... e pode ser de borla, apesar de em alguns casos não o ser. Já há quem venda sol e até sombra (touradas). Também noutros casos… Mas não estamos aqui por isso.

Hoje, aqui em baixo, há futebol de três em pipa. Assim será até meados de Julho. É o mundial na Rússia. Se antes foi um fartote agora vai ser um grande fartum. Martim Silva, do Expresso, faz jus ao acontecimento no Curto. Não estamos para isso mas deixamos para quem gostar. Há ainda outras abordagens neste Expresso Curto que se segue. É de ler. Pela nossa parte passamos a bola aos da bola.

Até amanhã. Bons fígados e boas festas aos animais que passarem por si. Cuidado com alguns daqueles que se dizem racionais. (MM | PG)

Bom dia este é o seu Expresso Curto

32 seleções. 736 jogadores. 64 jogos. 32 dias. Eis o Mundial da Rússia que começa

Martim Silva | Expresso

Bom dia,

Este é o seu Expresso Curto, no dia em que na Rússia começa mais uma edição do Mundial de Futebol. Vai ser um mês e um dia para os loucos por futebol no planeta vibrarem com os feitos dos maiores astros, Messi, Ronaldo, Griezman, Salah, Neymar. Um mês de sonhos, ilusões e desilusões. Por cá, um mês para sonharmos com os feitos de Fernando Santos, Cristiano Ronaldo e Cia. E um mês para nos vermos livres das tristezas à volta de Bruno de Carvalho e do Sporting.

Bom, talvez seja mais realista acreditar nos feitos da selecção na Rússia do que achar que o clima pelas bandas de Alvalade vai serenar...
Quanto a mim, fica o aviso. Qualquer dificuldade em contactar-me nos próximos tempos entre as 13.00 e as 15.00, as 16.00 e as 18.00 e as 19.00 e as 21.00 já sabe que é porque estou retido numa importantíssima reunião. Eu depois respondo de volta.

Ainda antes do Mundial começar, a FIFA anunciou ontem que a realização da competição em 2026 será nos EUA, México e Canadá. A candidatura conjunta da América do Norte foi a vencedora da eleição, o que permitirá que dentro de oito anos o Mundial de Futebol volte a ser realizado em países inteiramente democráticos (dentro de quatro será no Qatar). Aqui se explicacomo Putin vai tentar fazer da competição que agora começa um momento para se afirmar no plano internacional. E aqui lhe deixou o texto que escrevi no Diário, intitulado “Mundial de Futebol, a vitória das democracias liberais”.

A competição inicia-se hoje com um Rússia-Arábia Saudita. Um duelo do mais importante que há em matéria geopolítica mas que se antevê muito fraquinho em termos de futebol.

No dia seguinte, amanhã, estreia-se Portugal, frente à Espanha. Espanha que tem sido notícia nos últimos dias, e pelos piores motivos. A selecção espanhola deu uma de Sporting e entrou numa crise a dois dias de começar a competição. O seleccionador anunciou que ia para o Real Madrid depois do Mundial, a Federação não gostou da forma como tudo se processou (e pelo facto de ter sido avisada apenas 5 minutos antes) e despediu Lopetegui, anunciando horas depois Fernando Hierro como novo seleccionador. Aqui pode ler sobre as piores 19 horas da história da 'roja'. E aqui saber quais foram as primeiras palavras de Hierro, antiga estrela do Real Madrid, depois de assumir o lugar.

Outro dos adversários de Portugal na fase de grupos é o Irão, treinado por Carlos Queiroz que anda indignado depois da Nike ter anunciado que, devido às sanções comerciais impostas pela Administração de Donald Trump ao país, já não vai poder fornecer chuteiras aos jogadores. Resultado? Os seleccionados de Queiroz andam a pedir botas de futebol emprestadas a outros colegas.

Na nossa Tribuna (que vai contar com crónicas diárias do Luís Franco Bastos) tem tudo o que precisa de saber sobre a selecção nacional e sobre as outras 31 equipas que participam no Mundial. Na edição semanal do Expresso também pode contar com crónicas de escritores conhecidos da nossa praça. Na última semana foi Francisco José Viegas. Neste sábado será Luísa Costa Gomes.

Aqui pode ver o guia da competição feito pelo Le Monde. E aqui o especial preparado pelo Observador.

Conhecida é já a música oficial da seleção portuguesa para este Mundial. Chama-se In My Blood e é do cantor e compositor Shawn Mendes, um lusodescendente. No refrão ouve-se:
"Eu vou acreditar! Que vamos conseguir, que vamos conquistar. Nós somos Portugal. Uma só voz e um coração!".
Ainda sobre Portugal, vale a pena relembrar o que foi a conquista do Euro 2016, pela óptica desta reportagem da SIC toda focada em Éder, o herói improvável da nossa improvável conquista. Uma reportagem a puxar à lagrimita.

Neste trabalho do DN, pode ficar a perceber curiosidades como quanto mede o jogador mais alto deste mundial, quanto pesa o mais leve, qual o clube como mais seleccionados, qual a liga com mais seleccionados, qual o jogador mais velho e quem é o mais novo.

Como isto do Mundial é futebol mas não é só futebol e é muito mais que futebol, o Guardian decidiu olhar para os uniformes oficiais das selecções e analisar quais é que estão mais na moda, quais são melhores e piores. Aparentemente, a vitória vai para a Nigéria (não quero parecer careta, mas manifesto as minhas maiores reservas quanto à escolha). Veja aqui.

Finalmente, destaque para o novo anúncio publicitário em que aparece Cristiano Ronaldo. Mas também Quaresma. E William. E Bruno Alves. Todos eles de cabelos brancos e já bem barrigudos.

OUTRAS NOTÍCIAS

Cá dentro,

De visita aos EUA, António Costa esteve ontem na Google, que anunciou a criação de um projeto piloto para Portugal, de formação de mil programadores de Android. O primeiro-ministro diz que esta iniciativa dá grande centralidade a Portugal.

Marcelo deve encontrar-se com Trump no final deste mês.

Ainda sobre o Presidente da República, ontem esteve na Feira do Livro e a fila para tirar uma selfie com o chefe do Estadoera maior que a fila para comprar farturas.

Continua o clima de crise (talvez seja pouco chamar-lhe assim) no Sporting. Ontem, mesmo sendo feriado em Lisboa, o clube voltou a viver um dia de loucos, com a Comissão de Fiscalização a anunciar pela manhã a suspensão imediata de Bruno de Carvalho e da sua direção. O resto do dia foi marcado pelas sucessivas réplicas e respostas dos dois lados. No final das contas, ninguém se entende. Hoje, Bruno de Carvalho diz que vai trabalhar normalmente. Seja lá o que isso for. Se quiser aprofundar o seu conhecimento sobre a problemática leonina, leia a suspensão de Bruno, a resposta de Bruno, a resposta de Marta Soares à resposta de Bruno e, finalmente, as palavras de Rogério Alves.

partir de agora, na nossa Liga de futebol, passa a ser penalizado com perda de pontos quem pagar incentivos a outros para ganhar.

O condutor e o proprietário da carrinha acidentada em Março de 2016, em França, da qual resultaram doze mortos portugueses, foram condenados a penas de prisão.

O Bloco de Esquerda propõe o fim dos vistos gold.

No 2.59 desta semana, perguntamos o que é ser pobre e quantos pobres há em Portugal.

Lá fora,

Hoje há reunião do BCE e é aguardada com expetativa a decisão de Mário Draghi sobre o fim do programa de estímulos às economias europeias.

A forma como o novo Governo italiano está a líder com a questão da imigração já está a levantar ondas de choque na Europa. Ontem foi cancelado um encontro ministerial entre França e Itália e a visita do novo chefe do governo italiano a Paris também está em dúvida. Entretanto, a chegada do navio Aquarius a Valência deverá acontecer entre amanhã, sexta-feira, e sábado.

Um escândalo de evasão fiscal já levou à queda do primeiro elemento do governo de Pedro Sánchez em Espanha. Guirao Cabrera é agora o novo titular da pasta da Cultura.

Numa semana muito marcada pela história cimeira entre os presidentes dos EUA e da Coreia do Norte, e pelo acordo entre os dois lados, o Financial Times tenta analisar a política internacional de Trump, e não é meigo para o presidente dos EUA, acusado de tecer loas a um ditador enquanto hostiliza aliados. Ainda no rescaldo do encontro, Pompeo diz acreditar que o desarmamento da Coreia do Norte será feito até final desta década.

A Assembleia Geral das Nações Unidas condenou ontem Israel pelo uso de força excessiva contra civis palestinianos e pediu a António Guterres que intervenha.

Dez anos. É quanto tempo a comunidade internacional tem para reverter a situação atual e conseguir travar o degelo da Antártica. O alerta, vermelho, é dado por um conjunto de cientistas, entre os quais o português José Xavier, num artigo publicado na Nature.

De acordo com uma investigação agora publicada, osembondeiros estão a morrer num conjunto de países do sul de África e ninguém sabe bem porquê.

O Parlamento Europeu já aprovou a sua nova composição para o futuro pós-brexit e a boa notícia para Portugal é que vamos manter os atuais 21 eurodeputados em Bruxelas.

O acordo anunciado entre os responsáveis gregos e macedónios para a mudança do nome deste país para República da Macedónia do Norte está a provocar forte agitação política nos dois países, e na Grécia Alexis Tsipras pode mesmo enfrentar uma moção de censura. Para se perceber o que está em causa é preciso recuar mais de dois mil anos, até aos tempos de Alexandre, o Grande.

Sabe como se chama o primeiro-ministro da Geórgia? Kvirikashvili. Se achar o nome difícil de pronunciar, não se preocupe em perder muito tempo a tentar fazê-lo corretamente. É que o governante acabou de se demitir, na sequência de manifestações populares no país por acusações de tráfico de influências junto do aparelho judicial.

Urdangarin, o cunhado do Rei de Espanha, foi condenado a cinco anos e dez meses de cadeia e pode agora decidir qual o estabelecimento prisional em que vai cumprir a pena.

Nos EUA, a Comcast decidiu entrar na luta pela compra da Fox e subiu a parada. A Disney tinha dado 52 mil milhões de dólares pela empresa de Murdoch, a Comcast oferece 65 mil milhões.

O QUE ANDO A LER

Quando há duas semanas morreu Philip Roth fui buscar aos cantos mais empoeirados da biblioteca lá de casa alguns volumes já lidos daquele que era considerado um dos maiores, senão o maior, escritor norte-americano das últimas décadas. Dos livros retirados das estantes, dois já mereceram segunda leitura. "A Pastoral Americana" e "Casei Com Um Comunista". Retratos duros, crus, secos e brutais da América do século XX, com os seus conflitos étnicos, religiosos, sociais e políticos. É difícil recomendar Roth aos leitores desta newsletter, pois creio que a maioria seguramente que está familiarizada com as páginas do falecido escritor norte-americano. Ainda assim, são livros, estes como outros - "Mancha Humana", "Conspiração Contra a América", "Teatro de Sabath" - que valem muito uma redescoberta tantos anos depois.

A propósito do Mundial de Futebol de que já muito falei hoje aqui, deixo ainda algumas sugestões. Como o livro "O Grande Livro da Seleção", do Rui Miguel Tovar, jornalista com memória, e arquivos, enciclopédicos sobre tudo o que diz respeito ao futebol. Aqui se lembram e relembras estórias antigas e deliciosas de décadas de jogos e competições disputadas pela seleção nacional.

Por hoje é tudo, boas leituras e bom mundial para si, caro leitor
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: