segunda-feira, 2 de julho de 2018

Refugiados | "No deserto há esqueletos de uns e outros que morrem" - reportagem

PARTILHAR

No Pavilhão Polidesportivo Kiko Narvaez, em Jerez de La Frontera, todos os dias chegam migrantes que fazem a travessia do mediterrâneo. Trazem histórias de desespero para contar.

Está à porta do Pavilhão, a conversar com outros homens nas mesmas condições. É alto, esguio, tem a pele muito escura. Anda há quatro anos em viagem desde os Camarões, o país de origem. Primeiro não quer falar. Depois acede a contar a sua história e a travessia por diversos países.

"Conhece o Deserto? Não é fácil. Eu tive sorte porque só fiz três dias no deserto", conta Jacques. "Por vezes morres no deserto. Não há água, não há nada. Só a areia e o sol, mas Deus ajudou e eu consegui passar".

Jacques tem um longo percurso de vida para contar. Ali todos têm. Tiabi Suleiman, por exemplo, saiu da Costa do Marfim há oito anos. Tem andado de país em país. Em Marrocos foi obrigado a mendigar pelas ruas."Por vezes perto de um Palácio ou na via pública a pedir 1, 2 dirhams para comer."

Decidiu juntar-se a outros homens e arriscar a vida para atravessar o Mediterrâneo. "No Zodíaco, um barco de 5 metros. Viemos a remar até à costa Espanhola".

Jacques conta que quando atravessou o deserto viu cadáveres à sua volta. De homens e animais. "No deserto há esqueletos de uns e outros que morreram. Há também corpos de camelos. O deserto é como o mar mediterrâneo". Um cemitério a céu aberto.

São cerca de 160 homens que estão num pavilhão polidesportivo em Jerez de La Frontera. São auxiliados pela Junta da Andaluzia e a Cruz Vermelha. Dão-lhes roupas, comida, cama, um local para tomarem duche. E também acesso a um telemóvel por dois minutos para que contactem a família ou amigos.

Nenhum destes imigrantes sabe como vai ser o seu futuro, nem para onde irão nos próximos tempos. Têm apenas uma vontade: Ter trabalho para enviar dinheiro para a família. "E paz e um local onde possamos ser considerados".

Reportagem de Maria Augusta Casaca na TSF
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: