sexta-feira, 20 de julho de 2018

Timor-Leste | Xanana Gusmão: Um ídolo com pés de barro?

PARTILHAR

Xanana Gusmão: A construção enganosa de um herói que nunca o foi. Pelo menos nunca foi herói mais que outros timorenses chamados comuns que também lutaram pela libertação da Pátria do Povo por mais de duas décadas, e ainda hoje.

Caído o pano da boca do palco o ator Xanana Gusmão vem mostrando que afinal constitui uma desilusão e que na realidade não é o personagem que enganosamente veio sendo construído para consumo dos timorenses e dos que por todo o mundo o chegaram a venerar. Afinal Xanana é só um simples mortal, com defeitos e virtudes, com ganância e maldade quanto baste, similar a outros "estadistas", a políticos que mais não fazem que enganar os que governam. Acontece sempre, salvo raras e honrosas exceções. Ao longo das décadas das nossas vidas é o que vimos e tantas vezes sentimos na pele, no estômago, no coração e na alma por via da ansiedade de sofrimentos e carências do quotidiano que cai sobre os povos mais injustiçados. E dessas vítimas também existem em Timor-Leste. Assim como roubos e corrupção, jogos de interesses e etc. Sem se saber quantos milhões foram ou são o total do que foi roubado aos povos. São assim as elites, eleitas ou não eleitas. É indiferente.

De Reflexão sobre Timor extraímos parte de prosa sobre Xanana Gusmão. Dele muito pouco ou nada abonatória. Cai-nos em cima como pedras aguçadas pela desilusão e engano causados. Mas a vida é mesmo assim. Um ídolo é um ídolo, quase sempre fabricado por segundas intenções, em busca de vantagens que uns quantos vislumbram mas que quase sempre redundam para os povos numa amálgama de sentimentos sofridos e numa quebra de confiança legitima. Há anos e anos que Xanana vem sendo referenciado como corrupto e corruptor, pelo menos isso. Mas nem todos os timorenses, nem os cidadãos do mundo acreditam, por enquanto. Talvez um dia os pés de barro não suportem o peso das mentiras, das falsidades, das maldades e causem a queda do falso ídolo. Até lá o aconselhável é esperar.

Do que vem sendo afirmado aqui e ali acerca de Xanana Gusmão, a ser correto e correspondente a verdades, também aquele falso ídolo cairá. Ainda mais porque parece não controlar a sua arrogância e o convencimento de que é dono do país e do povo. A acontecer, se as "histórias" forem mesmo verdades, cairá o pano e o ídolo mostrará que somente possui uns singelos pés de barro. Muito inferiores aos pés dos imensos timorenses carenciados, com "apetite", que calcorreiam os caminhos de Timor-Leste em busca não se sabe bem de quê. Talvez de uma vida digna que lhes foi prometida mas que tarda em lhes ser entregue. Merecem. E muito. Tudo é uma questão de tempo. 

Segue-se a tradução Google do original no já citado "Reflexão". (BG | MM | PG)

Novo livro para expor a corrupção e o favoritismo de Xanana

Um oficial português que foi expulso de Timor-Leste pelo governo de Xanana promete contar tudo num livro que ele diz estar prestes a publicar.

O oficial do PSP, José Fernando Brito, costumava trabalhar para o CAC, o órgão anticorrupção de Timor-Leste, ou a Comissão Anti-Corrupção. Escrevendo em português para um post no Facebook em meio à tensão política entre Xanana e FRETILIN, Brito deixou uma série de "pistas" para seus leitores.

No projeto de eletricidade, ele afirma ter entregue documentos ao então comissário da CAC, José Neves. Brito alega que todos os projectos de energia em Timor-Leste foram contaminados pela corrupção. Pelo menos Brito sustenta que alguém está lucrando três vezes mais com o custo de administrar o setor.

No caso de Bobby B. Boye, Brito afirma que as autoridades de Timor-Leste sempre foram alertadas sobre as suas actividades. O governo deveria ter detido Boye, em vez disso, os avisos foram ignorados e, pior de tudo, Boye foi premiado em reconhecimento por seus excelentes serviços.

Investigações sobre alegações de corrupção no setor de saúde começaram em novembro de 2010 pela CAC. Mas, devido à falta de disposição dentro do CAC e do Ministério Público, a investigação continuou na Holanda, na Inglaterra, nos Estados Unidos e na Austrália. Como resultado disso, US $ 240 milhões foram recuperados e um número de indivíduos foram detidos, incluindo funcionários do Banco Mundial.

Brito foi expulso de Timor-Leste, juntamente com um grupo de procuradores portugueses que investigavam membros do governo de Xanana em 2014. Após o incidente, Brito alegou em Portugal que Xanana está ligada a contratos para comprar arroz através da filha, bem como contratos fornecer combustível para a central de Timor-Leste através do seu sobrinho Nilton Gusmão. Brito alegou ainda que a Xanana também tem participação na exploração de petróleo, onshore e offshore. 

Hoje, dia da liberdade de pensamento, estou aqui para satisfazer todos os meus amigos de Timor-Leste e aqueles que estão preocupados com o destino dos cada vez mais excluídos timorenses, que insistem em procurar-me para ajudar a expor a tragédia que grassa naquele país. corrupção. Eu sou um policial de profissão desde o momento em que decidi abraçar essa causa, por isso sou guiado por princípios que visam a satisfação do bem público. Eu não estou disponível para alimentar a mídia na mídia e na agora muito badalada "mídia social", que, como o que aconteceu depois de 5 de novembro de 2014, é a cena das armas costumeiras dos covardes: insulto fácil e tentativas de descrença a ataques ao caráter da minha pessoa.

Sendo de "aplicação da lei", acredito em princípio e estou e sempre estarei disponível para apoiar a Justiça. A justiça em Timor-Leste, no entanto, não inclui equilíbrio e imparcialidade e está paralisada e incapaz de continuar no seu caminho para uma sociedade justa e livre. Seria exaustivo aqui e agora enumerar as situações do passado e do presente!

Você não precisa me questionar sobre a evidência de atos de corrupção perpetrados por uma elite corrupta e faminta por poder. A evidência está em Timor-Leste, basta querer e poder seguir o seu rastro .... o dinheiro deixa vestígios e marcas e pode facilmente identificar os agentes e beneficiários da corrupção .. Pegue os projectos, estude os momentos da sua a concepção, os atores de todos os lados, e ver a disparidade entre objetivos e resultados, que invariavelmente se concentram em enriquecer essa elite, sempre na bênção real da liderança infame. Deixo algumas pistas:

Projecto de electricidade (cujos documentos e provas foram entregues em mão ao Sr. José Neves, então Comissário no CAC, por um consultor ... que mais tarde obteve um contrato no CAC como um "prémio" pelo silêncio). Todo o projeto de energia em Timor-Leste é danificado por atos de corrupção, que consumiram e consumiram enormes recursos financeiros que quase triplicaram seu custo real. O emaranhado de relações na lama que se constituiu em torno do desenvolvimento das infraestruturas do projeto, bem investigado, expõe toda uma elite que, como a lapa, se perpetua no poder desenvolvendo os tentáculos ao estilo de organização criminosa da máfia, com sua padrinho e acólitos que não se limitam a Timor-Leste, estendendo-se a glutões em vários países que sugam tudo à sua volta. Ao expurgar esse lixo tóxico e corrupto,

Obter o caso de Bobby B. Boye. Porque em Timor-Leste, em vez de ser preso quando deveriam, ignorou os avisos oportunos e recompensou-o com prémios de reconhecimento pelos altos serviços prestados! Mas isso não impediu que a justiça fosse feita, Bobby B. Boye foi preso ... mas muita coisa não ficou clara!

A maior pesquisa já realizada no campo da saúde começou em novembro de 2010 no CAC. Na ausência da vontade do CAC e MP, a investigação continuou na Holanda, Inglaterra, Estados Unidos e Austrália. Resultado: US $ 240 milhões em ativos recuperados e vários indivíduos detidos, de funcionários do Banco Mundial e de uma empresa de distribuição de equipamentos hospitalares. Nada aconteceu em Timor-Leste ... Mas eu poderia e deveria ter liderado este trabalho, dando ao mundo e especialmente aos timorenses um sinal positivo de que estava comprometido com a luta contra a corrupção!

Que triste destino ... Os timorenses seguem os seus heróis que hoje são os seus governantes, eleitos, pelo que insistem em chamar democracia. Apesar da dor que causam e até excluem, sem acesso justo e equitativo, à distribuição de riqueza que o país possui, negando-lhes acesso à educação, saúde, moradia, segurança e dignidade da condição humana, continuam do lado das ruas esperando pelos atos magnânimos de seus heróis, contentes com as migalhas e sacos de arroz ...

Dito isto, não quero dizer que não abandonei nem deixei os timorenses, especialmente aqueles que confiaram em mim e com quem tenho laços eternos de amizade e gratidão. No entanto, eles não estão disponíveis para entrar na lama ou contribuir para desencadear situações de ataques pessoais que não pretendem desqualificar a mim e a causa anticorrupção como forma de desviar a atenção dos problemas gerados pela corrupção. A minha contribuição para a luta necessária dos timorenses será brevemente disponibilizada em forma de livro, onde tudo é exposto, desnudado de forma transparente.

Cabe aos timorenses reflectir e criar condições para que a Justiça actue através dos seus instrumentos, para que a sociedade se torne mais justa e equitativa! É na Justiça e na Justiça que conheço e posso contribuir para que todos os timorenses possam beneficiar do que merecem! Cabe à comunidade internacional, em particular àqueles.

Reflesaun: uma reflexão sobre Timor Leste | Segunda-feira, 16 de julho de 2018
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: