quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Edward Snowden, de perseguido a esquecido

PARTILHAR

Há cinco anos, ex-analista da NSA que revelou atividades ilícitas do serviço secreto dos EUA está asilado em Moscou. Hoje, quase não se fala mais dele, e pouco mudou quanto à proteção de dados desde o vazamento.

Miodrag Soric * | opinião

Durante dias, semanas até, o nome Edward Snowden estampou as manchetes da imprensa internacional. Ex-colaborador do serviço secreto dos Estados Unidos, cinco anos atrás ele divulgou que a agência espionava milhões de pessoas, coletando, em parte de forma ilegal, dados de aliados e inimigos – da chefe de governo alemã, Angela Merkel, a terroristas.

Para a CIA e a NSA, praticamente todo mundo é suspeito de terrorismo, até mesmo os próprios compatriotas. Em março de 2013, o ex-diretor de Inteligência Nacional americana James Clapper declarou a uma comissão parlamentar que não coletava dados de americanos. Hoje se sabe que ele mentiu sob juramento. Porém nunca foi punido. O Estado de direito americano acaba onde começa o serviço secreto.

Snowden atacou a mania de coletar das agências de inteligência e revelou com que negligência Facebook e outras empresas de TI tratavam os dados de seus clientes. Ele abriu muitos olhos para o fato de que, para a maioria dos usuários de smartphones e computadores, privacidade praticamente não existe mais.

A vigilância, a monitoração por "big brothers" se transformou numa triste realidade: já anos atrás, empresários e espiões formaram uma nefasta aliança para escrutinizar tudo e todos, sempre sob a nobre justificativa de só querer o melhor para os cidadãos. Snowden não simplesmente condenou isso, ele apresentou provas de que as coisas realmente funcionam assim.

Em suas revelações, ele tomou o cuidado de não colocar em risco operações secretas em curso, nem vidas humanas, e não entregou à imprensa tudo o que sabia. Mas isso não o colocou a salvo das indefensáveis acusações de quase todos os políticos americanos, que o insultaram de traidor da pátria.

John Bolton, o atual assessor de segurança do presidente Donald Trump, queria ver Snowden "pendurado em um carvalho bem grande". Por quê? Por ter dito a verdade? Quem pergunta que danos concretos o whistleblower causou à inteligência americana até hoje não recebe uma resposta satisfatória. No entanto, ele está ameaçado de pena de morte, caso retorne aos EUA.

Mas no momento não parece que esse vá ser o caso. Pouco se fala de Snowden. Sua fuga das forças de segurança foi acabar justamente na Rússia, um país dominado pelos siloviki, os políticos dos serviços secreto e militar; um Estado onde liberdade de imprensa e de opinião são restritas. Até onde se pode prever, "proteção de dados" permanecerá sendo uma palavra estrangeira para os russos.

Snowden não fecha os olhos diante dessa realidade e critica explicitamente o Kremlin. Não, ele não é um traidor, nem um desertor: ele é um perseguido político que acabou encurralado na Rússia, porque os países da Europa Ocidental, inclusive a Alemanha, lhe recusaram asilo.

Os europeus não querem problemas com os Estados Unidos, no que os cínicos denominam realpolitik. Para os europeus, as boas relações com Washington são mais importantes do que conceder asilo a um homenzinho franzino, que mereceu reconhecimento de todo o mundo por agir em nome da democracia e do Estado de direito.

Sem dúvida é uma ironia da história Snowden estar agora vivendo escondido em Moscou. Em mais de um sentido: Trump conquistou a presidência com uma margem ultra-apertada, e sabe-se que dados do Facebook auxiliaram a firma Cambridge Analytica a influenciar a eleição a favor do republicano. Trump nunca vai poder acusar ninguém disso.

Mas seu antecessor, Barack Obama, tem que aceitar uma acusação: ele deveria ter aproveitado as revelações de Snowden para proteger melhor a privacidade de seus cidadãos. Isso talvez tivesse pelo menos dificultado as coisas para a Cambridge Analytica.
E aí, quem sabe, os americanos teriam um outro presidente. E talvez a chefe da CIA fosse outra pessoa, e não Gina Haspel, responsável por supervisionar a tortura em prisões secretas dos EUA na Tailândia.

*Deutsche Welle
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: