segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Portugal | O calor mata os idosos, o que convém à (in)Segurança Social

PARTILHAR

Mortalidade - Fim de semana de calor extremo com 643 óbitos

Entre sábado e as 21 horas de domingo, morreram em Portugal 643 pessoas, 78,5% das quais com idade igual ou superior a 75 anos. E 97% dos óbitos ficaram a dever-se a causas naturais.

Balanço, provisório, de um fim de semana de canícula, com os termómetros a baterem recordes de temperaturas máximas em diversos pontos do país. E que está já acima dos valores de mortalidade geral estimados para aqueles dois dias.

Leia a nossa Edição Impressa ou tenha acesso a todo o conteúdo no seu computador, tablet ou smartphone assinando a versão digital aqui

Joana Amorim | Jornal de Notícias

O calor mata os idosos, o que convém à (in)Segurança Social

Pois então, a canícula mata que se farta. A maioria da mortalidade abrange os mais idosos, os velhos e as velhas, que depois de trabalharem uma vida inteira e de descontarem para a (in)Segurança Social se vêem com pensões de miséria, que nem 10 euros por dia atingem e a maioria nem com 15 euros por dia podem contar. São exatamente esses que são relegados para o espetáculo dos governos quando aumentam essas pensões. Fazem um grande alarido, pretendem transmitir uma grande felicidade e vai-se a ver os aumentos são de miséria. Neste mês de Agosto há os que nem 5 euros vêem de aumento – com sorte chegam aos 300 euros por mês – e os mais afortunados, apesar da miséria que recebem podem contar com um aumento de 10 euros na mensalidade pensionista. E os descarados da política governamental nem sequer sentem um pingo de vergonha de aumentar pensões 0.33 cêntimos de euro por dia. Ou a outros menos de metade desse valor.

Os velhos pesam, dizem eles por palavras diplomáticas ou nem por isso. Os velhos foram quem deu sequência à construção deste país, as gerações dos anos 40, 50 e 60, mais que qualquer outra, abanou o salazarismo, o fascismo, concluindo esse abanão com o derrube de tal regime em 25 de Abril de 1974. Portugal deve-lhes bastante. Mais que aos atuais tecnocratas e outros vigaristas que falam com esses. Políticos, gentes do empresariado, ladrões da dignidade da maioria dos portugueses que se debatem nos finais dos meses com salários indignos, com condições de trabalho abusivas e tantas vezes esclavagistas, com pensões miseráveis. Até porque era prática de muitas entidades patronais não enviar as contribuições que descontavam aos empregados para a Segurança Social, então Caixas de Previdência. Havia também os que possuíam uma escrita paralela que só enviavam para essas mesmas Caixas de Previdência o correspondente a cerca de metade dos vencimentos pagos. Isso acontecia aos montes e a fiscalização era praticamente nula. Ou totalmente nula.

Eis atualmente e de há muito tempo o resultado das reformas de miséria. Como se não bastasse a prática dos ordenados de miséria. No reverso podemos ver ainda alguns desses patrões e/ou os filhos a abarrotarem de boa vida, de festa, canastra e boa comidinha (como disse o poeta).

Os velhos e velhas de agora foram roubados! Pelos patrões e por um regime que pactuava com eles e via os portugueses como uma massa única de exploração sem precedentes. Na atualidade a diferença desses tempos de roubo é muito pouca. Falam, falam, mas na prática roubam o mais que podem, incluindo a dignidade de milhões de portugueses. O conluio com os grandes e médios empórios patronais é mais que à descarada. A fiscalização e a proteção aos trabalhadores/contribuintes é escassa ou até nula.

Existem diferenças de uns tempos para os outros. Evidentemente. Mas há setores em que as diferenças são muito ténues. Os métodos de enganar, de explorar é que são diferentes, mais sofisticados e de conluio com o legislador. Afinal sobrevivemos subjugados por uma máfia instalada nos poderes. Máfia que se globalizou e sofisticou criando métodos que possuem os mesmos objectivos: o engano, a ganância de lucros desmedidos, a exploração, o capitalismo selvagem que se queixa da existência das populações envelhecidas que foi quem lhes criou as riquezas e contribuiu com sangue, suor e lágrimas, para construir os países. Quase sempre com muitos sacrifícios. Às vezes com muita fome. Muitas privações, muita exploração.

E então queixam-se dos velhos porquê? E então fazem festa "escondida" quando uma série deles vai morrendo porque não lhes proporcionaram as condições de vida, saúde e proteção que mereciam?

Afinal a morte dos idosos, por canículas, por seja o que for que “ajude” a desenvencilharem-se deles, dá jeito e é de todo o interesse para a (in)Segurança Social.

Por mais que falem com falsas palavras maviosas, com falsos apreços e carinhos, os que os nos poderes personificam é a imagem dos carrascos da maioria dos idosos da atualidade. Piores tempos virão se nada mudar, pelo que se vislumbra. (PG)
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: