segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Portugal | Patronato abutre e vampiro não é só na hotelaria

PARTILHAR

Não é novidade que os abutres e vampiros do patronato da hotelaria, assim como noutros setores, os mais variados, não se cansam de violar leis, violar a dignidade devida aos que para eles trabalham. Acontece o mesmo aqui e ali com mais frequência do que se possa imaginar. E não é só em Braga, como faz notar a notícia que incluímos em baixo.

Quem trabalha para outrem está quase sempre em situação desprotegida e é sistematicamente explorado até ao tutano. Vamos ver e acontece nos mais diversos serviços. É o caso da hotelaria, nos cafés, restaurantes, hotéis, etc. É o caso em supermercados, é o caso em centros comerciais nas mais variadas lojas e quiosques. Esse patronato age sem medo da fiscalização e comete inadmissíveis e insuportáveis violações das leis e das obrigações legais que tem para com os trabalhadores. A situação em vez de melhorar piora de ano para ano. Na construção civil é um ver se te havias. Eles comem tudo na exploração aos trabalhadores sem ao menos observar as regras de segurança estipuladas por lei. Notícias frequentes dão-nos conta disso. 

Perante esta caótica e criminosa situação o que faz o governo? O que fazem as entidades fiscalizadoras? Nada. Estima-se que nada, por razão de cada vez mais existirem situações de incumprimento das leis. Afinal tal situação dá "jeito" aos governos. Assim há menos desemprego, é questão de deixar o patronato (grandes e pequenos) fazerem o que querem, mesmo violando a legalidade. Dá "jeito" aos que dizem governar os portugueses e o país mas que afinal, bem apreciada a situação, governam-se e permitem que minorias se governem, roubem sem escrúpulos o que a força de trabalho produz e os enriquece. 

Há excepções. Claro. E ainda bem. Mas cada vez mais raras. (PG) 

Patrões da hotelaria violam tabela salarial e tiram até 200 euros por mês

O Sindicato da Hotelaria do Norte (CGTP-IN) visitou estabelecimentos do sector em Braga e verificou que quase nenhum respeita a nova tabela salarial. Há quem faça 60 horas semanais a ganhar 580 euros.

As violações à tabela salarial em vigor desde Abril, a que todos os estabelecimentos do sector estão obrigados, são generalizadas na cidade de Braga, segundo verificou o sindicato, em visitias que realizou ontem.

Em comunicado, o Sindicato da Hotelaria do Norte denuncia que apenas dois hotéis e um café está a aplicar a nova tabela. No grupo dos incumpridores contam-se unidades de grandes grupos económicos e «cafés emblemáticos» da cidade, acrescenta a estrutura.

A título de exemplo, para um empregado de mesa ou de balcão, esta situação representa um «roubo de 68 euros por mês», desde Abril. O sindicato acrescenta que todas as empresas estão obrigadas a praticar os novos salários, já que foi publicada recentemente a portaria de extensão que alarga estes direitos a todos os trabalhadores do sector: aumentos salariais, no subsídio de alimentação e nas diuturnidades.

Há mesmo situações, que o sindicato vai fazer chegar à Autoridade para as Condições do Trabalho, de trabalhadores há 20 anos com apenas um dia de folga e uma carga semanal de 60 horas a recebeer o salário mínimo nacional, menos 225,40 euros mensais do que o previsto no contrato colectivo.

O Sindicato da Hotelaria do Norte afirma ainda que a desregulação dos horários e a retirada de meio dia ou de um dia de folga é outra das violações generalizadas nos estabelecimentos de Braga, assim como o não pagamento das diuturnidades e do subsídio de alimentação de acordo com o contrato colectivo.

AbrilAbril

Na foto: Há empregados de mesa e de balcão a quem os patrões já devem mais de 270 euros. Em casos mais graves, as perdas já duram há anos e ultrapassam os 200 euros mensaisCréditos/ Fesaht

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: