domingo, 30 de março de 2014

Países vizinhos da Guiné-Bissau avisam militares e políticos para não interferirem nas eleições




Os países vizinhos da Guiné-Bissau lançaram no sábado em Yamoussoukro, Costa do Marfim, um aviso para que os militares, forças de segurança e políticos guineenses não interfiram com as eleições gerais marcadas para 13 de abril.

Na 44.ª cimeira da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), presidentes e governantes "alertaram os membros das forças de defesa e segurança, assim como a classe política na Guiné-Bissau contra quaisquer atos que possam interferir na serenidade do processo eleitoral", refere o comunicado final do encontro.

"Os autores de tais atos teriam que enfrentar duras consequências", acrescenta.

A situação na Guiné-Bissau foi um dos temas na agenda da cimeira.

O país lusófono está prestes a realizar as primeiras eleições depois do golpe de Estado militar de abril de 2012, pondo fim a um período de transição suportado pela CEDEAO.

Foi ainda feito um apelo para que todos os candidatos, partidos políticos e apoiantes se afastem de "atos de provocação" e resolvam quaisquer disputas recorrendo a meios legais.

Durante a cimeira, os chefes de Estado e de Governo pediram ainda à União Africana e restante comunidade internacional para "acelerarem o levantamento de sanções à Guiné-Bissau" e trabalharem com a CEDEAO num programa pós-eleitoral "consensual" virado para as reformas estruturais do país.

A CEDEAO representa 15 Estados com uma população total de cerca de 300 milhões de habitantes anglófonos, francófonos e lusófonos (Guiné-Bissau e Cabo Verde).

Lusa, em RTP

Sem comentários: