sexta-feira, 4 de maio de 2012

Angola: Governo começou a cumprir exigências de enfermeiros grevistas



NME - Lusa

Luanda, 04 mai (Lusa) - A comissão sindical dos Técnicos de Enfermagem de Luanda e o Governo chegaram a acordo, depois de uma greve que durou três dias e resultou na detenção de dois grevistas, disse hoje à Lusa fonte sindical.

O secretário-geral adjunto do Sindicato dos Técnicos de Enfermagem de Luanda, António Kileba, disse que o acordo foi alcançado quinta-feira e que o Governo começou já a pagar os primeiros dois meses de retroativos referentes aos meses de setembro e outubro de 2011, bem como os subsídios reclamados por estes profissionais da saúde.

António Kileba informou ainda que os dois colegas detidos na quinta-feira pela Polícia já se encontram em liberdade.

A greve dos enfermeiros chegou a ser considerada ilegal pelo Governo da Província de Luanda (GPL), que alegava ilegitimidade do sindicato para exercer atividades sindicais e declarar greve em nome dos profissionais de enfermagem de Luanda.

O comunicado do GPL alertava ainda que a adesão à greve acarretaria a suspensão do direito ao salário.

Nas negociações, segundo o secretário-geral adjunto, ficou igualmente acordada a anulação de todas as faltas durante o período da greve, bem como de todos os processos disciplinares e transferências feitas no âmbito da paralisação dos trabalhos.

O sindicalista referiu que 80 por cento dos enfermeiros de todos os hospitais, centros e postos de saúde da direção provincial de Luanda aderiram aos protestos, salientando que o retorno à greve, depois da primeira realizada a 04 de janeiro deste ano, só aconteceu porque as autoridades não cumpriram com os prazos das negociações.

"São 11 os pontos de negociação, que ficou acordado serem cumpridos num prazo de 60 dias, mas o Governo não o fez, por isso tivemos de retornar à greve", disse António Kileba, confiante que desta vez as autoridades vão atender às suas exigências.

Na lista das reivindicações constam o pagamento de retroativos salariais, resultante da implementação do novo regime da carreira de enfermagem, o pagamento de um adicional salarial para quem trabalha além das suas obrigações profissionais definidas por carreira, o pagamento de subsídios de turno rotativos e noturno.

O pagamento de subsídios referente á exposição direta e indireta aos agentes físicos, químicos e biológicos e cartão de segurança social constam igualmente do caderno reivindicativo.

Sem comentários:

DESTAQUE

Chega "esconde" propósitos fascistas do seu programa

Chega "eclipsa" destruição da escola pública e do SNS do seu programa Quase dois anos depois de Ventura ter anunciado a "cl...

Mais lidas da semana