terça-feira, 24 de julho de 2012

O RESGATE DOS MONANGAMBAS – III



Martinho Júnior, Luanda


9 – Dez anos depois do calar das armas em Angola, após tantos anos de espera por causa das guerras que se foram travando inclusive após a independência tendo em conta a existência do regime sul africano de “apartheid”, de suas sequelas e das sequelas coloniais, muitas escolas, postos sanitários e estruturas de vária ordem (entre elas as que garantem água potável para consumo humano), foram sendo disseminadas por todo o país e também pelas área rurais, Municípios, Comunas e Aldeias (“História e educação em Angola” – Manuel Brito Neto – UNICAMP – http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000377847).

Os Municípios do Londuimbale (http://pt.wikipedia.org/wiki/Londuimbale), do Mungo (http://pt.wikipedia.org/wiki/Mungo) e de Chinjenje (http://pt.wikipedia.org/wiki/Chinjenje) foram naturalmente abrangidos por esse esforço que em termos de população escolar redundou em todo o país na triplicação do número de alunos.

O analfabetismo que abrange hoje as gerações mais velhas é uma das persistências que subsistem, um dos factores de definição e identificação do subdesenvolvimento que advém do passado histórico.

O estado angolano reconhece que o ingresso das novas gerações nas escolas, muitas delas construídas pela primeira vez nas áreas rurais e o desaparecimento pela lei da vida das velhas gerações, redundarão na redução cada vez mais acentuada das taxas de analfabetismo.

Mesmo assim, as campanhas de luta contra o analfabetismo são muito importantes, por que há estímulos que se devem incentivar e há processos de mobilização em áreas rurais que não se podem perder, em função dos impactos de ordem sócio-cultural que isso provoca de forma construtiva. (“Governo angolano quer todos os cidadãos alfabetizados pelo menos até ao final da época” – http://jornaldeangola.sapo.ao/18/0/governo_angolano_quer__todos_os_cidadaos_alfabetizados_pelo_menos_ate_final_da_decada).

Os programas “Yo si puedo” enquadram-se nessas performances e agora, 3 anos depois da sua primeira experiência em Angola, o esforço é para se ampliar!

Do Londuimbale, um dos berços dos monanganbas do passado, cinco décadas depois chegam-nos notícias encorajadoras (http://www.portalangop.co.ao/motix/pt_pt/noticias/educacao/2012/6/27/Combate-analfabetismo-nas-prioridades-Administracao-Londuimbali,7497b5d6-da80-4bf0-bcae-c8cf1290e518.html):

“O combate ao analfabetismo no seio da população vai continuar a ser prioridade da administração do município do Londuimbali, a 97 quilómetros a noroeste da cidade do Huambo, garantiu hoje, sexta-feira, o seu administrador, Evaristo Lucas Ulombe.

Evaristo Lucas Ulombe fez esta afirmação durante a cerimónia de encerramento do seminário de capacitação dos alfabetizadores realizado nos últimos três dias na circunscrição com a participação de 105 formandos.

Estamos diante de um grande desafio, onde qualquer cidadão, de forma consciente, deverá dar o seu contributo para o desenvolvimento do país. Para tal, devemos, no mínimo, saber ler e escrever”, sublinhou o administrador do município do Londuimbali.

Evaristo Lucas Ulombe acrescentou que o município do Londuimbali controla um elevado número de cidadãos que ainda não sabe ler e escrever, razão pela qual a aposta é, para os próximos 12 anos, acabar com o analfabetismo no seio das comunidades.

Os participantes do seminário aprimoraram conhecimentos sobre as matérias ligadas à apresentação do modulo1, 2 e 3, historial da alfabetização, métodos sim eu posso, níveis psico-genéticos, constituição do manual do módulo e psicologia de ensinar o aluno adulto.

O município do Londuimbali tem uma população estimada em 93 mil habitantes que se dedicam principalmente a agro-pecuária e pequenos negócios”.


Setenta e sete alfabetizadores do município do Mungo, a 150 quilómetros a norte da cidade do Huambo, concluíram hoje, sexta-feira, o seminário de capacitação, no quadro da expansão da actividade em toda extensão do município.

Promovido pela Direcção Provincial da Educação, Ciências e Tecnologia do Huambo, o seminário visou formar os alfabetizadores no sentido de expandir a alfabetização em todas as aldeias, unidades militares e igrejas.

Com a participar de 77 indivíduos, o evento abordou, entre outros, sobre aceleração escolar de ensino dos adultos para aprendizagem da escrita e contagem, bem como administração dos módulos 1 e 2 equivalente a primeira (1ª,2ª classes) e os módulos 3 e 4 equivalentes a (3ª,4ª) classes.

Na cerimónia de encerramento do seminário, o administrador municipal do Mungo, António Contigo, exortou aos formandos a maior dinamismo, respeito e espírito de criatividade no desempenho das suas tarefas”.

No Chinjenje “os alfabetizadores do município do Chinjenje, 118 quilómetros a oeste da cidade do Huambo, concluíram, sexta-feira, uma acção de capacitação sobre novas metodologias de ensino para pessoas adultas, visando um melhor exercício da sua actividade.

O evento, com duração de quatro dias, foi promovido pela Direcção Provincial da Educação e decorreu sob o lema Angola alfabetizar-Angola em marcha.

Ao encerrar o seminário de capacitação, o formador Cornélio César informou que o país precisa urgentemente combater o fenómeno de analfabetismo, para permitir que todos os cidadãos possam aprender a ler e a escrever.

Disse que os temas que dominaram esta acção formativa vão acelerar o processo de alfabetização neste município” (http://www.portalangop.co.ao/motix/pt_pt/noticias/educacao/2012/6/27/Alfabetizadores-Chinjenje-capacitados-novas-metodologias,c95aef8d-861b-4127-8c0d-810522064c13.html).

10 – A alfabetização em Angola, dez anos depois do calar das armas e três anos depois da primeira experiência do método cubano “Yo si puedo”, está numa fase de arranque em novos moldes organizativos e de mobilização, numa luta que vai abranger principalmente as velhas gerações que por causa do colonialismo e das sucessivas guerras, não tiveram acesso à educação e numa altura em que a proliferação de estruturas escolares cobre também cada vez mais vastas áreas rurais, uma grande parte delas pela primeira vez.

É importante verificar que as autoridades político-administrativas, para além daquelas empenhadas na Educação, estão apostadas na luta contra o analfabetismo, até por que são elas que mais directo contacto têm com as comunidades em suas áreas respectivas e deveriam ser elas a fazer erguer a bandeira de cada Município, Comuna, ou Aldeia que definitivamente fosse ficando livre do analfabetismo.

Acho pois que em termos de mobilização, agitação e propaganda em Angola as coisas têm de se passar de forma mais entusiástica, por que a luta contra o analfabetismo é um dos desafios mais importantes para se criarem as bases com que se irá superar o estágio de subdesenvolvimento crónico de que enferma ainda o povo angolano.

É com mais alegria que em Angola se deveria fazer o resgate dos monangambas, até por que os beneficiados têm desde sempre sido as pessoas sem voz!

Lembrar alguns bons exemplos dessa luta nos países membros da ALBA, parece-me oportuno, a fim de se ir beber deles as experiências que têm levado a cabo esse tipo de missões com entusiasmo e a consciência do que isso significa.

Nesses países, Município por Município, Comunidade por Comunidade, quando se vencia a primeira etapa dessa luta haviam cerimónias, içavam-se bandeiras e os órgãos de comunicação acompanhavam a alegria do êxito.

Falta mais alegria e comunicação nos progressos que o homem angolano for conseguindo, por que a luta contra o subdesenvolvimento, em todos os passos que se forem dando nas múltiplas frentes, merecem ser acarinhadas, por que esse tipo de incentivos tem de ser transmitido a todos sem excepção e sentido pela novas gerações como um resgate sobre o passado.

Há que durante muitos anos ainda resgatar os manangambas!..

11 – … Era essa também a ideia do poeta e revolucionário António Jacinto, que foi Ministro da Educação e Cultura nos primeiros governos de Angola, homem de honra que é preciso lembrar e honrar, autor de

Carta dum contratado

Eu queria escrever-te uma carta
amor,
uma carta que dissesse
deste anseio
de te ver
deste receio
de te perder
deste mais que bem querer que sinto
deste mal indefinido que me persegue
desta saudade a que vivo todo entregue...
Eu queria escrever-te uma carta
amor,
uma carta de confidências íntimas,
uma carta de lembranças de ti,
de ti
dos teus lábios vermelhos como tacula
dos teus cabelos negros como dilôa
dos teus olhos doces como macongue
dos teus seios duros como maboque
do teu andar de onça
e dos teus carinhos
que maiores não encontrei por aí...
Eu queria escrever-te uma carta
amor,
que recordasse nossos dias na capôpa
nossas noites perdidas no capim
que recordasse a sombra que nos caía dos jambos
o luar que se coava das palmeiras sem fim
que recordasse a loucura
da nossa paixão
e a amargura da nossa separação...
Eu queria escrever-te uma carta
amor,
que a não lesses sem suspirar
que a escondesses de papai Bombo
que a sonegasses a mamãe Kiesa
que a relesses sem a frieza
do esquecimento
uma carta que em todo o Kilombo
outra a ela não tivesse merecimento...
Eu queria escrever-te uma carta
amor,
uma carta que ta levasse o vento que passa
uma carta que os cajus e cafeeiros
que as hienas e palancas
que os jacarés e bagres
pudessem entender
para que se o vento a perdesse no caminho
os bichos e plantas
compadecidos de nosso pungente sofrer
de canto em canto
de lamento em lamento
de farfalhar em farfalhar
te levassem puras e quentes
as palavras ardentes
as palavras magoadas da minha carta
que eu queria escrever-te amor...
Eu queria escrever-te uma carta...
Mas, ah, meu amor, eu não sei compreender
por que é, por que é, por que é, meu bem
que tu não sabes ler
e eu - Oh! Desespero - não sei escrever também!”

Foto: Obra do jovem pintor haitiano Patrick que faz parte do grupo “Folie ouverte” (que se inspira na reconstrução nacional), exposta no Museu do Panteão Nacional em Porto Príncipe.

Sem comentários:

DESTAQUE

Neoliberais e ultradireita: o tronco único

# Publicado em português do Brasil Por trás das diferenças aparentes, as correntes se encontram. Partiram da reação oligárquica ao comunismo...