quarta-feira, 31 de outubro de 2012

SINAIS CONTROVERSOS – VI

 


Martinho Júnior, Luanda
 
10 – Justino Pinto de Andrade “aproveitando” a “esteira que lhe foi estendida” e que ele próprio também cultivou, abandonou o MPLA, ao que tudo indica “arrastando” entre outros, o seu irmão Vicente e fundou o Bloco Democrático em finais de 2010.
 
Esse foi talvez um dos seus poucos actos de honestidade política, mas fê-lo precisamente no momento que, tendo ele próprio constatado à sua maneira a deriva do MPLA dos seus princípios e convicções originais, era possível começar a acção de deitar fora o “ditador” produzido a partir do momento em que, a 19 de Maio de 1993, os Estados Unidos reconheceram o governo angolano, substituindo-as por jovens “moscas”que nem ele!
 
Para tal teve de esperar a oportunidade suscitada pela administração democrata de Barack Hussein Obama e a 2ª fase de relacionamento Estados Unidos – Angola, com sua orientação de “mudança dialéctica”, ou seja, preparar a contradição entre o MPLA e uma oposição formatada no cadinho duma estratégia de tensão similar a muitas que vêm ocorrendo noutras partes do mundo após a implosão da União Soviética e o fim do “socialismo real” na Europa do Leste.
 
Logo na sua primeira intervenção em Benguela, a 30 de Dezembro de 2010 ele deu o mote “à esquerda” (como esse tipo de “orientação” gosta de se rever à “esquerda”),propiciando-se a “líder de massas”, a “líder da juventude revolucionária”,crítico do poder, do MPLA, do estado angolano e de muitas das entidades angolanas ao mais alto nível:
 
…“35. A noite está grávida de punhais. Temos que arrancá-los, um a um, e fazer nascer um dia luminoso, símbolo da nossa fé e da nossa esperança.
 
36. Aos que se pretendem eternizar no poder – muitas vezes utilizando a violência e a fraude –só temos um recado a dar: Estamo-nos a organizar e a estruturar, para proporcionarmos ao nosso povo condições de vida mais dignas, mais justas.
 
37. O nosso partido funda as suas raízes no humanismo e o progresso. É um partido virado para o futuro, e pretende dar satisfação aos mais profundos anseios dos angolanos.
 
38. Nós recusamos o projecto daqueles que, colocados no poder, transformaram um partido com história numa espécie de empresa em que os dirigentes passaram a funcionar como o seu Conselho de Administração, para maximizar os rendimentos e distribuir os dividendos entre si (na sua parte de leão…) e algumas migalhas aos restantes accionistas. É por isso que perderam a alma e deixaram de ter respeito por todos quantos consentiram suor e lágrimas para transformar a pátria oprimida numa pátria realmente libertada.
 
39. Chegou a hora de dizermos basta à delapidação dos nossos recursos, ao açambarcamento, ao nepotismo, ao tráfico de influências, ao roubo descarado do património do Estado. Para nós, quem quer ser rico, que trabalhe, que se empenhe, que se esforce. Nós não pactuaremos com sanguessugas”…
 
Pelos vistos tinha muitas motivações na “luta contra o ditador”, ainda que para isso tivesse que subverter o entendimento sobre a história dum país que sofreu a “guerra dos diamantes de sangue” e foi obrigada a travá-la, ainda que ela fosse uma guerra ilegítima provocada por interesses que eu não tenho deixado de identificar como elitistas e conformam o comportamento do cartel dos diamantes, do “lobby” dos minerais, do “lobby” do petróleo e do carácter dos estados instrumentalizados, entre eles o dos Estados Unidos e o sul africano, neste caso quer com o “apartheid”,quer durante os governos liderados sobretudo por Nelson Mandela e Thabo M’Beki!
 
Justino Pinto de Andrade tem procurado cultivar audiências e, se não tirou assim tanto proveito delas, “abriu caminho” a outras “sensibilidades” de forma “automática”… foi fácil actuar nesse sentido “no terreno”!
 
Os ensinamentos recolhidos no laboratório de Cuba, que têm recebido uma resposta digna e inteligente por parte da revolução cubana no que toca ao alvo que por ingerência norte americana constitui a sociedade cubana, em Angola começam a frutificar, uma vez que os ambientes sócio-políticos de África são muito mais vulneráveis e o poder é de outro cariz!
 
Em Cuba não conseguiram bloquear psico, emocional e politicamente a sociedade cubana, mas em Angola estão pelo menos a conseguir condicionar desde já a sociedade angolana, por tabela alguns sectores do próprio MPLA e a prova está no recente processo sócio-político com expressão nas próprias eleições!
 
Desde a proclamação do Bloco Democrático a 30 de Dezembro de 2010 em Benguela que a estratégia de tensão começou a ser instalada em Angola, envolvendo a mobilização duma coligação tácita de sensibilidades políticas, sociais e, como não podia deixar de ser, os “media independentes” que vão desde a Voice of America, ao Folha 8, ao Angolense, ao Maka Angola…
 
Para os “activistas jornalistas” envolvidos na “encomenda” estimulada pelos Estados Unidos em sua ainda curta nova fase de ingerências em Angola à maneira da “inteligência” da administração democrata de Barack Hussein Obama, não é preciso que as notícias fabricadas sejam muito verídicas… o que interessa é que elas sejam oportunas, “bombásticas”,apelem às emoções, esqueçam a história e sobretudo alinhem na “mudança dialéctica” com vista a pelo menos instalar a “alternância política” de maior conveniência, a coberto dos direitos humanos, a coberto da “luta contra a corrupção” e sempre contra a “ditadura do MPLA”… conformes aos interesses da hegemonia do império!
 
Justino Pinto de Andrade teve uma boa aprendizagem em preparação dessa trilha: Open Society, professor universitário da Universidade Católica, “activista jornalista” na Rádio Eclésia, promotor de “rappers” que se auto intitulam de “revolucionários”…
 
A Igreja Católica, ou pelo menos alguns sectores dela, serviu (e serve) “humildemente” aos interesses das ingerências norte americanas ao dar guarida aos agenciados do seu percurso em Angola e em 2003 não se sabia de facto, em relação a Cabinda, onde começava e onde acabava a Igreja Católica com o padre Congo à cabeça, a “Open Society” e as correntes com maior cobertura mediática da FLEC, conforme artigo que na altura coloquei no desaparecido semanário Actual.
 
Foi em Benguela que o Bloco Democrático foi oficialmente proclamado a 30 de Dezembro de 2010 e na altura estavam em plena gestação as “primaveras árabes” do norte de África: Tunísia, Líbia e Egipto, em cadeia.
 
Nelas ressoavam os “slogans”mil vezes enunciados da “luta contra os ditadores” Ben Ali, Kadafi e Moubarak, gente identificada ou mais ou menos intimamente associada nos últimos 20 anos com os Estados Unidos, a Grã Bretanha ou a França e que via chegada a sua hora!
 
Havia que apeá-los em nome da “mudança dialéctica” mais ou menos discretamente controlada pelo AFRICOM e pela NATO, para os neo conservadores hastearem suas bandeiras, que nem a do rei Idris na Líbia, por exemplo!
 
Nenhum deles teve percurso resultante dum movimento de libertação ao nível dum MPLA, mas Justino Pinto de Andrade, obediente ao esquecimento da história, pela sua “reinterpretação”,fiel ao filósofo Karl Popper com todos os recursos do “especu-tropo” George Soros e dos que o integram nas ingerências norte americanas (recordo a CIA, a NED, ou a USAID) recorre, à maneira das conveniências do império, à “luta contra os 32 anos de ditadura de JES”! (CONTINUA)
 
 
Relacionado
 
* Para ler todos os textos de Martinho Júnior, clique aqui
 

Sem comentários:

DESTAQUE

Neoliberais e ultradireita: o tronco único

# Publicado em português do Brasil Por trás das diferenças aparentes, as correntes se encontram. Partiram da reação oligárquica ao comunismo...