sexta-feira, 24 de maio de 2013

Sousa Tavares diz que “já temos um palhaço. Chama-se Cavaco Silva” e que “pior é difícil”



Cláudia Reis – Jornal i

Miguel Sousa Tavares disse numa entrevista publicada, esta sexta-feira, no “Jornal de Negócios”, que “o pior que nos pode acontecer é um Beppe Grillo, um Sidónio Pais. Mas não por via militar. Nós já temos um palhaço. Chama-se Cavaco Silva. Muito pior do que isso, é difícil”.

O escritor fez esta afirmação a propósito das declarações de Pacheco Pereira prestadas a este mesmo jornal em que dizia que “estamos a caminho de coisas ainda mais tortas”.

Não poupando críticas a ninguém, o comentador político disse que “já não temos idade para brincar aos generais”.

Segundo ele, “estamos hoje reduzidos aos Passos Coelhos e Antónios Josés Seguros. Que são o grau zero da política”.

Questionado sobre o estado do país, Sousa Tavares disse que “antes de pedirmos 78 mil milhões de euros, tínhamos mais liberdade para negociar com a Europa, para exigir condições. A partir do momento em que recebemos o dinheiro, ficámos nas mãos deles, completamente. Quem manda são os credores”.

Para Sousa Tavares, “os três mal endémicos de Portugal são a dependência do Estado, o poder das corporações e a inveja”.

O escritor classificou ainda os portugueses como ora sendo “escravos”, ora sendo “reis”. “São capazes do melhor e do pior”, sublinha Sousa Tavares.

O escritor prepara-se para lançar o livro "Madrugada Suja", a sua obra mais recente.

Sem comentários: