sexta-feira, 3 de junho de 2016

EM JUNHO DE 1808, NASCIA A IMPRENSA BRASILEIRA

PARTILHAR


Ninguém mais útil que o jornalista, aquele que se propõe mostrar, com evidência, os acontecimentos do presente e aclarar as sombras do futuro.”  (Correio Braziliense, Londres, junho de 1808).


Neste ano de 2016, a nossa imprensa escrita completa 208 anos. No dia 1º de junho de 1808, circulou, em português, na Inglaterra, o primeiro número do “Correio Braziliense” (1808-1822), fundado pelo gaúcho Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça (1774-1823). Acusado de pertencer à Maçonaria, ao retornar de uma missão na Inglaterra, em 1802, que envolvia, secretamente, o contato das lojas portuguesas com as lojas inglesas, o patrono da nossa imprensa foi preso, em Portugal, e entregue à Santa Inquisição. Durante o período em que esteve na prisão, foi interrogado, diariamente, sob maus tratos; porém não revelou nenhum nome ligado à Ordem Maçônica, pois o objetivo da Igreja era confiscar os bens dos chamados hereges e, até a terceira geração, suas famílias eram  esconjuradas.

  Em fuga espetacular, com o auxílio de irmãos maçônicos, em 1805, chegou a Londres, novamente, iniciando uma nova fase de sua vida. Na Inglaterra, contou com o apoio do seu amigo maçom, o Duque de Sussex, filho de Jorge III, que o introduziu na sociedade britânica. Na liberal Inglaterra, ele viveu 18 anos, e casou-se, em 1817, com Mary Ann Troughton. Desta união nasceram três filhos.

A infância e adolescência

Hipólito José da Costa nasceu na Colônia do Sacramento, hoje, no Uruguai, em 25 de março 1774, quando esta estava sob a dominação portuguesa. Ao passar o local para o domínio espanhol , em 1777, sua família se mudou para a região do Capão do Leão, na atual cidade de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Com a finalidade de estudar em Coimbra, em 1792, ele partiu, aos 18 anos, para Portugal onde se formou em Direito e ocupou cargo importante na Imprensa Régia devido à sua cultura geral e desenvoltura. Hipólito José da Costa realizou também importantes contatos diplomáticos, visando a realizar estudos econômicos e científicos, como os que ocorreram nos Estados Unidos das Américas, França e México.   O “Patrono da Imprensa no Brasil” faleceu, em 11/09/1823, em Londres, onde se encontrava asilado, sem tomar conhecimento da sua nomeação como cônsul geral do Brasil na Inglaterra.

O Correio Braziliense

Preocupado quanto à corrupção, e a forma como o Brasil era administrado por Portugal, Hipólito José da Costa criou o “Correio Braziliense” (1808-1822), que se constituiu numa tribuna em prol da liberdade de pensamento e divulgação dos principais acontecimentos que ocorriam na Europa e no Brasil. Este mensário, durante a sua existência, totalizou 175 edições, que foram agrupadas em 29 volumes. Circulando clandestino, no Brasil, devido à Censura Régia, o “Correio Braziliense” foi responsável pela difusão dos ideais liberais que nortearam a Independência do Brasil (1822). Para que compreendamos a dimensão da obra de Hipólito José da Costa, torna-se fundamental a leitura de dois livros de sua autoria: “Diário de minha viagem para Filadélfia” (1798-1799) e ”Narrativa da Perseguição” (1811).

O combate à escravidão no Brasil

Em seu “Correio Braziliense” (1808-1822), Hipólito José da Costa, de forma pioneira, propôs a implantação de máquinas modernas e a substituição gradual do braço escravo por imigrantes de alguns locais da Europa que, devido ao término das Guerras Napoleônicas, ofereciam uma população necessitada de emprego. O Patrono da nossa Imprensa considerou estranho que, no Brasil, após sua independência (1822), os escritores permanecessem em silêncio quanto à permanência do sistema escravocrata. Nas páginas do primeiro jornal brasileiro, o “Correio Braziliense” (1808-1822), em novembro de 1822, fez a seguinte crítica:

“É ideia contraditória querer uma nação livre, e se o consegue ser, blazonar, em toda a parte e em todos os tempos, de uma liberdade, mantendo dentro de si a escravidão, isto é, o idêntico costume oposto à liberdade. Os brasileiros, portanto, devem escolher entre essas duas alternativas: ou eles nunca hão de ser um povo livre, ou hão de resolver-se a não ter consigo a escravidão.”

A lei que reconheceu o 1º de junho: Dia da Imprensa

O reconhecimento do “Correio Braziliense”, de Hipólito José da Costa (1774-1823), como o primeiro periódico brasileiro, efetivou-se com a lei 9.831, assinada, em 13/09/1999, pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. A lei que oficializou o dia 1º de junho, como o “Dia Nacional da nossa Imprensa”, foi um projeto de autoria do deputado Nelson Marquezan do PSDB gaúcho. A atuação da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), da Fundação Assis Chateaubriand, do historiador Claúdio Moreira Bento e do jornalista Raul Quevedo (1926-2009) foi fundamental durante a campanha.

In Memoriam

O jornalista gaúcho Raul Quevedo (1926 2009) - admirador incondicional da obra de Hipólito da Costa -, batalhou, incansavelmente, desde 1972, para que o “Correio Braziliense” (1808-1822) fosse reconhecido como o marco inaugural da Imprensa no Brasil. Desde o Estado Novo (1937-1945), implantado por Getúlio Vargas (1882-1954), a data alusiva à Imprensa, no Brasil, era comemorada em 10 de setembro, quando começou a circular, após a chegada da Família Real no Brasil (1808), a “Gazeta do Rio de Janeiro” - periódico oficial do governo português-, que representava apenas os interesses lusitanos.  No ano de 2001, a Fundação Assis Chateaubriand promoveu o translado, dos restos mortais de Hipólito José da Costa, da Inglaterra para o Museu Nacional da Imprensa em Brasília. O Patrono da Imprensa brasileira, atualmente, faz parte da “Galeria dos Heróis Nacionais”. 
   
O Diário de Porto Alegre

O 1º de junho nos remete, também, a um momento significativo da história da imprensa no Rio Grande do Sul: há 189 anos, no ano de 1827, começou a circular o “Diário de Porto Alegre” (1827-1828), primeiro jornal impresso na Província de São Pedro (RS). Criado sob a proteção do Presidente da Província, o Brigadeiro Salvador José Maciel, o jornal possuia duas páginas, medindo 30 cm de altura por 18 cm de largura. O “Diário de Porto Alegre” circulou diariamente, exceto em “dias santos” e feriados, sendo seu título uma homenagem a capital da Província de São Pedro (RS).

A circulação do “Diário de Porto Alegre” se tornou possível devido à participação dos franceses Dubreuil e Estivalet - responsáveis por sua composição e impressão-, que desertaram das tropas do Gen. Alvear durante a Guerra da Cisplatina (1825-1828).  Seu primeiro redator e administrador foi João Inácio da Cunha, seguido por Vicente Ferreira Gomes cuja alcunha era “Carona”. O primeiro periódico gaúcho trazia, em suas páginas, atos oficiais do governo da Província, anúncios, em geral, incluindo venda e aluguel de escravizados e notícias acerca do Comércio e Navegação.

A Tipografia Rio-grandense foi comprada por meio de subscrição pública, no Rio de Janeiro, e chegou a Porto Alegre, no dia 04 de agosto de 1822, a bordo do Bergantim Reino Unido.   Passaram-se cinco anos, para que a mesma fosse ativada e imprimisse nosso primeiro jornal, que circulou até 30/06/1828. Esta demora é atribuída, por alguns pesquisadores, ao fato de  que não havia  ninguém  capacitado, para  lidar com a prensa.
  
Após o “Diário de Porto Alegre”, circularam vários periódicos de cunho político e ideológico, sendo a maioria de curta duração. De acordo, como historiador Aurélio Porto (1879-1945), entre 1827 e 1838, circularam 35 jornais. Estes jornais fomentaram a eclosão da mais longa guerra civil: a Revolução Farroupilha (1835-1845) que combateu o centralismo do Império e os abusos econômicos em relação à Província de São Pedro (RS). Dentro deste contexto, Legalistas (Conservadores/Caramurus) e revolucionários Liberais se digladiaram, defendendo suas posições políticas nas páginas desses jornais.

Um espaço de Memória

A leitura dos jornais, que circularam nos primórdios da nossa imprensa, é um mergulho no oceano do tempo. O Museu da Comunicação Hipólito José da Costa, cujo nome é uma homenagem ao “Patrono da Imprensa no Brasil”, foi fundado, na capital gaúcha, em 10 de setembro 1974, pelo jornalista Sérgio Dillenburg, e contou com o apoio incondicional da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), por meio da figura de seu presidente Alberto André (1915-2001). Criado durante as comemorações do bicentenário de nascimento de Hipólito José da Costa, sua inauguração se constituiu numa homenagem ao “Patrono da Imprensa no Brasil“. Esta instituição guarda, preserva e disponibiliza para a pesquisa um  valioso acervo, que representa a “Memória da Comunicação” do Rio Grande do Sul.

Museu da Comunicação Hipólito José da Costa
Vídeo : https://www.youtube.com/watch?v=2DHlvKrMTuE Isabel Lustosa Observatório da Imprensa 22-03-11 Correio Braziliense.

Bibliografia
COSTA, Hipólito José. Narrativa da Perseguição e Prisão pelo Santo Ofício. Porto Alegre: Ed. ARI / Sulina, 1975.
----------------------------Diário da Minha Viagem para Filadélfia. Porto Alegre: Sulina, 1974.
MACEDO, Riopardense de. Hipólito da Costa e o Universo da Liberdade. Porto Alegre: Ed. ARI / Sulina, 1975.
QUEVEDO, Raul. Em Nome da Liberdade / A saga de Hipólito da Costa. Pelotas: UFPEL 1997.
RIZZINI, Carlos. Hipólito da Costa e o Correio Braziliense. São Paulo: Companhia Editorial Nacional, 1957.
SILVA, Jandira M.M. da; CLEMENTE, Ir. Elvo; BARBOSA, Eni. Breve histórico da imprensa sul-rio-grandense. Porto Alegre: Corag, 1986.
SOBRINHO, Barbosa Lima. Hipólito da Costa: Pioneiro da Independência. Brasília: Fundação Assis Chateaubriand, 1996.
ViANNA, Lourival. Imprensa Gaúcha (1827-1852). Porto Alegre: Museu da Comunicação Hipólito José da Costa / CORAG, 1977.

Imagens            
1- Hipólito José da Costa
2- Correio Braziliense (1808- 1822)
3- Raul Quevedo (1926 2009)
4- Diário de Porto Alegre (1827-1828)

*Pesquisador e Coordenador do Setor de imprensa do Musecom

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: