quinta-feira, 21 de julho de 2016

DESCONSTRUINDO A RUSSOFOBIA

PARTILHAR



“A Russofobia é composta de ignorância, falha de cepticismo e raciocínio, orgulho, hipocrisia, condescendência e grosseria, tudo colocado ao serviço do complexo militar-industruial e da NATO: apoia uma Guerra Fria de um só lado, contra um país que só agora começa a erguer-se depois da queda, está mais interessada em melhorar as condições de vida do seu povo, não quer a guerra e não deseja ser nosso inimigo a menos que tenha de defender-se. “

Imaginem que Vladimir Putin não era um autocrata assassino e cleptocrata que passou os últimos catorze anos no poder a viver à conta do seu passado no KGB e a empurrar a Rússia cada vez mais para trás, para a autocracia do comunismo, iliberalismo e expansionismo. Imaginem que em vez de ele ser um dos maiores lideres que a Rússia já teve, cujas políticas tem auxiliado a produzir uma subida maciça dos níveis de vida e da esperança de vida, recuperação do orgulho nacional e reforço das leis, que se agarrou sabiamente a cleptocratas e gangsters, cuja política externa tem sido em geral realística, diplomata e pacífica, que preside a um país em que os direitos humanos estão bem melhor do que nos Estados Unidos e em que os direitos civis estão a melhorar, e que tem um apoio permanente de 65% — actualmente em relação à Ucrânia de 83% — da sua população. Na minha opinião ele está mais próximo do primeiro cenário do que do segundo — e digo isto como alguém que não tem ligações étnicas, financeiras, profissionais ou políticas com a Rússia. Na realidade não sou uma especialista na Rússia, mas também não tenho ideias preconcebidas. Sou uma observadora amigável, do país.

Deixem-me começar por explicar a história da minha ligação ao país. Quando era adolescente a minha escola um tanto tímida e sem imaginação decidiu organizar uma viagem descaracterizada a um local louco como a Rússia, onde, parecia, que tinham acontecido muitas mudanças politicas. Assim visitei a União Soviética durante o ultimo mês da sua existência, sem nenhum conhecimento dela com centenas de milhões não apenas com umas centenas. Após formação em Inglês, nem do que iria substitui-la. Alguns anos mais tarde, no meu ano antes da universidade, descobri-me a viver na margem sul do Danúbio em Ruse, Bulgária, a aprender búlgaro mas a pensar que se alguma vez aprendesse a sério uma língua eslava seria para me entender com centenas de milhões e não apenas com sete milhões. Depois de uma licenciatura em Inglês, fiz um movimento em diagonal para um mestrado em Russo e Estudos Pós-Soviéticos na Escola de Economia de Londres, onde era muito claro que os melhores kremlinologistas britânicos pouco sabiam de como e quando terminara a União Soviética — e quem, nostálgicos do czarismo ou nostálgicos soviéticos — estavam estarrecidos com o que acontecia nesse momento no país. O pior já tinha acontecido quando me mudei para Moscovo em 2002 para melhorar o meu russo aprendido nos livros, e para ensinar Inglês. Tornei-me entre outras coisas uma especialista de Literatura comparada anglo-russa e desde então tenho visitado o país todos os anos.

De Moscovo de 1991, lembro-me como era febril, quase em pânico e terrivelmente pobre. Moscovo que recordo de 2002 poderia chamar-se de «dura». Embora com uma segurança que Londres não tinha, utilizei muitas vezes carros particulares como táxis, sozinha à noite — havia muitas maneiras de morrer que Londres não tinha. Buracos abertos, bêbedos a escorregar na neve, fogo cruzado. Era o capitalismo duro — capitalismo selvagem, sem luvas. Afegãos literalmente de pernas nuas arrastavam-se pela neve, os torsos a equilibrar-se em skates rudimentares. Famílias acampavam a cantar pela ceia. Violinistas conceituados ambulantes. Ginastas profissionais a fazer strip em clubes nocturnos. Armazéns camuflados em que se vendiam marcas estrangeiras aparentemente em rublos, mas que de facto eram dólares inflacionados e ilegais. O meu patrão numa escola particular inglesa não pagava impostos sob a desculpa de que não o podia fazer porque não tinha dinheiro. Evitávamos a polícia, porque de algum modo estávamos envolvidos numa ilegalidade e porque eles eram mal pagos e aceitavam subornos.

Um ano mais tarde, de visita, a situação estava um pouco melhor. A miséria mais gritante já não aparecia. No ano seguinte, menos ainda. E a partir daí tem sempre melhorado. O capitalismo está a calçar de novo as luvas. Os transportes públicos estavam muito melhor. Nada se vende em dólares e as marcas estrangeiras tem concorrentes russas. Uma estrutura clara de impostos significa que o comércio e os assalariados podem e pagam as taxas. Não se vê ninguém bêbado em público. As mulheres moscovitas já não exageram a sua feminilidade num testemunho da sua insegurança financeira e numa imitação barata de um Ocidente pornograficamente imaginado. E o melhor de tudo, para os ocidentais habituados a isso, as pessoas devolvem-nos o sorriso. Mesmo nos casos mais difíceis — os babuskis que guardam os museus, e os guardas de fronteira para passaportes sorriem-nos. No ano passado, pela primeira vez, senti que a Rússia entrara numa nova fase — o pós-pós soviético e, em que as pessoas já não estão à espera que a normalidade seja restabelecida, ou a desejar viver num pais normal. Surgiu já uma nova normalidade e um novo optimismo.

O meu sítio de sentir o país tem sido sempre Moscovo ou até mesmo São Petersburgo, Nizhnii Novgorod e Perm — mas segundo o que ouço do resto do país, está a melhorar lenta, mas firmemente.

Ora este período de conhecimento coincidiu com a era de Putin no poder. É uma faceta dos media ocidentais que apresenta Putin metonímico do país, sendo uma das afirmações o seu controlo cada vez mais autocrático. Não acredito, mas não há duvida que Putin tem um impacto decisivo na política russa neste século. Assim o meu interesse não é apenas a Russofobia, mas a Putinfobia e considero-as semelhantes; uso aqui fobia no sentido de um preconceito negativo.

A verdade é que a Rússia que conheço e a Rússia que vejo descrita no Ocidente e principalmente nos jornais ingleses são completamente diferentes. A Rússia da minha experiência tem melhorado em relação a qualquer indicativo que possa imaginar, mas a sua imagem nos jornais estrangeiros tem piorado. Mas há muitas maneiras de melhorando o nível de vida o tornar compatível com uma autocracia crescente e beligerância internacional — caso de Hitler. Mas creio que isso não acontece com Putin.

Quero acabar esta introdução com uma anedota. No 1.o de Abril visitei o Instituto Britânico em Moscovo e falei com dois empregados russos jovens. Pensaríamos que essas pessoas se interessassem pelo Ocidente em geral e fossem anglófilas. Parte do seu trabalho era analisar a cobertura da imprensa britânica sobre a Rússia e enquanto pensaram que eu fosse uma jornalista da BBC, mantiveram-se reservados quase hostis. Quando eu expliquei que era académica e céptica das notícias britânicas sobre a Rússia, foram todos sorrisos e contaram-se como se sentiam aborrecidos com o noticiário britânico. Não conheço nenhum russo com conhecimento da representação russa na Inglaterra que não tenha muitas críticas. Também eu me sinto aborrecida, principalmente porque penso que isso é um dano moral e intelectual e de efeitos contraproducentes e perigosos.

Não vou aqui simplesmente analisar a corrente noticiosa americana e britânica em comparação com as minhas opiniões. Vou é tentar descrever algumas coisas que dão uma imagem falsa e factores que a corroboram, na esperança de que a minha descrição pareça verdadeira e contribua para uma visão correcta. Doravante, analiso os efeitos práticos da imagem dos media sobre a Rússia.

A sua origem vem das suspeitas habituais no caso de ideias feitas: distorção dos factos através do exagero, afirmações e falseamento; inferências falsas, inconsistências; e desconhecimento da língua.

Comecemos com o exagero: o argumento de que Putin domina totalmente os media russos é frequentemente exagerado. Muita da TV é estatal, mas alguns dos canais do Estado, como a RIA Novosti, criticam Putin, assim como muitas estações de rádio e jornais. Putin é muito mais criticado pela imprensa russa do que Cameron na imprensa britânica. Não fomos comparar tudo, já que no geral há mais razões para criticar Putin, mas é um facto, que entra em contradição com a imagem que se tem actualmente da Rússia. A internet é mais livre do que na Inglaterra — uma das razões por que a pirataria intelectual está disseminada — e muitos russos recebem as notícias pela Internet. O controlo governamental da imprensa não pode ser indicado como uma razão significativa para o apoio constante a Putin.

Por outro lado, os protestos contra ele, recebem boa cobertura mesmo que sejam exagerados apesar do facto de os protestos, grandes e pacíficos, indicarem o direito ao protesto. As demonstrações em Moscovo depois da eleição presidencial em Março de 2012 são a prova disso. A cobertura desses protestos também englobou declarações de muitos políticos importantes opositores – os comunistas. O apoio ao partido comunista está nuns 20% tornando-o o partido de oposição mais importante. Os media britânicos, porém, focam principalmente a oposição liberal. É compreensível que o faça, dado que é essa a tendência que apoia, mas dá também uma impressão falsa que agora a oposição «liberal» é de facto a principal. O exame das demonstrações em que a bandeira comunista predominou negou os comentários britânicos.

Este exagero do tamanho e importância, tanto dos protestos como dos componentes liberais, é claramente o produto de um modo de pensar positivo — mas se realmente houver interesse em ver a substituição de Putin por um liberal, não é bom exagerar a importância real da oposição liberal mesmo para si. Em vez disso devíamos confrontar o facto de que os partidos liberais conseguiram apenas 5% dos votos, e deveriam então tentar descobrir o que está errado com a mensagem destes partidos e/ou dos lideres, e/ou o que esta errado com a capacidade dos votantes para entender o interesse das suas mensagens.

Mas a elisão mais importante ao cobrir a Rússia é a dos melhoramentos nos indicadores democráticos, níveis de vida, afluência nacional e a regra de lei, que mencionei. Durante os seus primeiros doze anos no poder o PIB aumentou cerca de 850%. O país está quase sem dívidas, com uma grande reserva de moeda. Devido às políticas de Putin as receitas do petróleo servem agora a economia nacional. A mortalidade declinou muito, e os nascimentos aumentaram. Portanto fabricam-se notícias ou especulações são apresentadas como factos.

Um bom exemplo disso é a riqueza pessoal de Putin — que recebeu números fantásticos na Forbes e na Bloomberg, incluindo que ele é o nono homem mais rico no mundo, ou mesmo o homem mais rico do mundo. Estas teorias nascem muito de reclamações de dois homens, o analista Stanislav Belkovsky, primo de Berezovsky, e o politico liberal Boris Memtsov. As alegações são que ele tem secretamente uma grande parte da Gazprom e companhias de energia relacionadas como a Gunvor. Na verdade, quando The Economist publicou as alegações sobre o lugar de Putin na Gunvor em 2008 foi multado e obrigado a publicar uma retratação. Haverá poucas pessoas no mundo que realmente conheçam o verdadeiro estado das finanças de Putin: ele próprio e mais uma ou duas pessoas. Diria, primeiro, que alegações específicas não foram provadas; segundo, que especulações não devem ser apresentadas como factos confirmados; e terceiro, que nada do que se sabe sobre a história de Putin, o carácter orgulhoso e «workaholic» sugere alguém, a quem as coisas que o dinheiro pode comprar interessam; ele não é um Goering sibarítico.

Outras reclamações sobre corrupção na Rússia são perfeitamente absurdas. Algumas sobre a corrupção nos Olímpicos de Sochi, a serem verdade, significam que se teria perdido mais dinheiro na corrupção do que todo o PIB do país.

A credulidade destas reclamações feitas por críticos de Putin já que são feitas por críticos de Putin levam-me a uma inferência inductiva falsa que normalmente se aplica acerca de Putin: que o inimigo do meu inimigo é meu amigo. Quando combinada com a assunção que há uma interferência governamental na operação da lei na Rússia, tem como resultado que quando alguém é acusado de um crime na Rússia vozes de crítica a Putin surgem normalmente ao lado de protestos da sua inocência, principalmente na imprensa britânica.

Ou seja, não só o inimigo do meu inimigo é meu amigo, e não só o critico de Putin é meu amigo, mas o critico de Putin está inocente — não apenas negativamente inocente de qualquer crime imputado, mas positivamente inocente e bom, porque quem se opõe a um tirano, é dissidente e, portanto, do mesmo género de pessoa como os santos Solzhenitsyn ou Sakarov. Na realidade, um prisioneiro com ideias politicas não é o mesmo que um prisioneiro político.

É certo que o sistema legal da Rússia é menos brando que o de Inglaterra, e tem menos das suas características importantes tanto na lei civil como na criminal — por exemplo o principio de abertura das provas contrárias. O sistema é jovem, tendo sido criado pelo nosso sistema capitalista no fim do comunismo. Muitos dos advogados e juízes são assim relativamente jovens e inexperientes. E cingem-se muito à lei. A defesa ainda não está tão bem estabelecida na profissão como a acusação. Estes factores afectam a justiça de todos os julgamentos do país.

Mas devem acrescentar-se a isto duas coisas importantes. Primeiro, a situação vai gradualmente melhorando. Putin não destruiu a independência judicial e antes dele quase nada existia, e está agora a ser gradualmente criado. Segundo, a alegação de que todos os julgamentos dos críticos de Putin são injustos pelos padrões do sistema vigente pois há muito poucas provas em que se apoiar.

* Jornalista

Este texto foi publicado em: http://www.informationcleaninghouse.info/article44908.htm

O Diário.info - Tradução de Manuela Antunes


PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: