terça-feira, 16 de janeiro de 2018

MERCENÁRIOS, ATÉ QUANDO? – I


 Martinho Júnior | Luanda 

“Cuando se ayuda se toma una posición y esa posición se toma en base de determinados análisis sobre la lealtad y la efectividad de un movimiento revolucionario en la lucha contra el imperialismo, en la lucha por la liberación de un país; para asegurar esse análisis debemos conocer y, para ello, intervenir más dentro de los movimientos. La ayuda deve ser condicionada, si no corremos el peligro de que se transforme en todo lo contrario de lo que deseamos; en dinero para vacaciones principescas de los senores de la Revolución, de los Freedom Fighters que sacrifican y venden sus pueblos y que atrasan el desarrollo revolucionario. Es decir, nos convertiremos también en aliados del imperialismo. Porque (estoy seguro de que si el imperialismo no lo practica aún, lo hará en el futuro) no hay nada más barato para él que tirar unos miles de dólares en el tapete de una mesa de conferencias de los movimientos de liberación que hay en África; el reparto provocará más distúrbios, divisiones y derrotas que un ejército en el campo de batalla”.

(Epílogo do livro “Pasajes de la guerra revolucionaria: Congo”, escrito por “Tatu”, Ernesto Che Guevara – Janeiro de 1966).

Os mercenários não são apenas um cancro em África, são hoje um mal profusamente utilizado pela hegemonia unilateral eminentemente anglo-saxónica, em estreita consonância com os interesses das oligarquias que promovem e difundem as guerras para estabelecer a “Nova Ordem Global”.

A proliferação de mercenários no Iraque, no Afeganistão, na Colômbia, nas Honduras, como em alguns países africanos ainda tocados pelo espectro de tensões, de conflitos, da guerra, interliga-se à cobiça sobre as riquezas naturais e sobretudo no âmbito das estratégias dominantes de acesso aos minerais (entre eles os diamantes, o coltan, o urânio), ao petróleo, ao gás, à água doce dos países do interior dos diversos continentes…

Para mim, parece-me cada vez mais óbvio que a traumatizante presença anglo-saxónica e de seus aliados como Israel no Médio Oriente, não visa ganhar qualquer guerra, mas é para, “abrindo mercados”, através de expedientes que incluem mercenarismo, introduzir os interesses das oligarquias que saíram vitoriosas da Guerra Fria nesse tão disputado “teatro operacional”, integrando nesse projecto todo o tipo de asseguramentos, de “affaires” e as elites de conveniência a nível local e regional.

Como diria Naomi Klein – é a “doutrina do choque”, completarei eu: elevada à potência máxima e visando explorar ao máximo África e os seus desamparados povos, tal qual ou pior que no Iraque.

“!Invadir países para apoderar-se de seus recursos naturais é ilegal, segundo a Convenção de Genebra. Isto significa que a gigantesca tarefa de reconstruir a infra-estrutura do Iraque —incluindo sua infra-estrutura petrolífera— é responsabilidade financeira dos invasores. São eles que deveriam ser forçados a pagar pelos consertos. (É preciso lembrar que o regime de Saddam Hussein pagou 9 bilhões de dólares ao Kuwait como reparações pela invasão do país em 1990.) Em vez disso, o Iraque está obrigado a vender 75% de seu património nacional para pagar as contas de sua própria invasão e ocupação ilegais”.

O mercenarismo hoje (recordo do latim mercenariu, de merce = comércio), não se limita às corporações típicas como as todas poderosas “Blackwater” e “MPRI”, tão identificadas com o Pentágono, mas invade outros campos de acção, desde a Logística, à Energia, até à Saúde, sendo exemplo disso, entre muitos outros que poderia evocar, uma Halliburton também integrante do clã de “lobbies” republicanos.

A lógica capitalista levada ao extremo da lei da selva, do “choque” que hoje impera sobre as nações mais fragilizadas e sobre os povos (inclusive o povo norte americano), não tem escrúpulos de, pela via da persuasão, da manipulação e de suas alianças, “extravasar” o seu “modelo” para que as elites consolidem em “todas as frentes do mercado” o que mais lhes interessa – a posse da riqueza e o poder, quantas vezes sem limites e quantas vezes sobre os escombros e perante multidões deliberadamente violentadas, desesperadas e quantas vezes sofrendo todo o tipo de riscos…

Em África a República Democrática do Congo, é talvez o país que ao longo dos seus 50 anos de “independência” mais tem sofrido com o “choque” e com essa praga mercenária, de Mobutu a Tshombe, desde os tempos do assassinato de Lumumba até às convulsões dos Grandes Lagos, inclusive as últimas.

O Congo imenso e multifacetado que teve como colonizador o Rei Leopoldo de tão triste memória e uma minúscula Bélgica que, entre flamengos e francófonos, ainda hoje discute a sua própria identidade nacional.

Che Guevara tomou o pulso do continente no Congo e os contactos tidos com as organizações dos movimentos de libertação, foram suficientes para lançar o alerta válido 45 anos depois, com todo o sentido de actualidade e de oportunidade.

“Quería referirme específicamente al doloroso caso del Congo, único en la historia del mundo moderno, que muestra cómo se pueden burlar con la más absoluta impunidad, con el cinismo más insolente, el derecho de los pueblos. Las ingentes riquezas que tiene el Congo y que las naciones imperialistas quieren mantener bajo su control son los motivos directos de todo esto. En la intervención que hubiera de hacer, a raíz de su primera visita a las Naciones Unidas, el compañero Fidel Castro advertía que todo el problema de la coexistencia entre las naciones se reducía al problema de la apropiación indebida de riquezas ajenas, y hacía la advocación siguiente: cese la filosofía del despojo y cesará la filosofía de la guerra. Pero la filosofía del despojo no sólo no ha cesado, sino que se mantiene más fuerte que nunca y, por eso, los mismos que utilizaron el nombre de las Naciones Unidas para perpetrar el asesinato de Lumumba, hoy, en nombre de la defensa de la raza blanca, asesinan a millares de congoleños.

¿Cómo es posible que olvidemos la forma en que fue traicionada la esperanza que Patricio Lumumba puso en las Naciones Unidas? ¿Cómo es posible que olvidemos los rejuegos y maniobras que sucedieron a la ocupación de ese país por las tropas de las Naciones Unidas, bajo cuyos auspicios actuaron impunemente los asesinos del gran patriota africano?

¿Cómo podremos olvidar, Señores Delegados, que quien desacató la autoridad de las Naciones Unidas en el Congo, y no precisamente por razones patrióticas, sino en virtud de pugnas entre imperialistas, fue Moisé Tshombe, que inició la secesión de Katanga con el apoyo belga?

¿Y cómo justificar, cómo explicar que, al final de toda la acción de las Naciones Unidas, Tshombe, desalojado de Katanga, regrese dueño y señor del Congo? ¿Quién podría negar el triste papel que los imperialistas obligaron a jugar a la Organización de Naciones Unidas?

En resumen se hicieron aparatosas movilizaciones para evitar la escisión de Katanga y hoy Tshombe está en el poder, las riquezas del Congo en manos imperialistas... y los gastos deben pagarlos las naciones dignas. ¡Qué buen negocio hacen los mercaderes de la guerra! Por eso, el gobierno de Cuba apoya la justa actitud de la Unión Soviética, al negarse a pagar los gastos del crimen.

Para colmo de escarnio, nos arrojan ahora al rostro estas últimas acciones que han llenado de indignación al mundo.

¿Quiénes son los autores? Paracaidistas belgas, transportados por aviones norteamericanos que partieron de bases inglesas. Nos recordamos que ayer, casi, veíamos a un pequeño país de Europa, trabajador y civilizado, el reino de Bélgica, invadido por las hordas hitlerianas; amargaba nuestra conciencia el saber de ese pequeño pueblo masacrado por el imperialismo germano y lo veíamos con cariño. Pero esta otra cara de la moneda imperialista era la que muchos no percibíamos.

Quizás hijos de patriotas belgas que murieran por defender la libertad de su país, son los que asesinaran a mansalva a millares de congoleños en nombre de la raza blanca, así como ellos sufrieron la bota germana porque su contenido de sangre ariano era suficientemente elevado.

Nuestros ojos libres se abren hoy a nuevos horizontes y son capaces de ver lo que ayer nuestra condición de esclavos coloniales nos impedía observar; que la «civilización occidental» esconde bajo su vistosa fachada un cuadro de hienas y chacales. Porque nada más que ese nombre merecen los que han ido a cumplir tan «humanitarias» tareas al Congo. Animal carnicero que se ceba en los pueblos inermes; eso es lo que hace el imperialismo con el hombre, eso es lo que distingue al «blanco» imperial.

Todos los hombres libres del mundo deben aprestarse a vengar el crimen del Congo”.

Em Angola a partir do momento que se optou pela lógica capitalista, os sinais de mercenarismo até em campos tão decisivos como na saúde são por demais evidentes e traumatizantes, para as comunidades suburbanas e para os “pobres deserdados da terra”, sujeitos a todo o tipo de vexames, apesar das infra estruturas e estruturas criadas e da presença de tantos médicos e pessoal técnico proveniente de díspares nacionalidades, inclusive médicos cubanos e sua devotada escola…

O “universo concentracionário” que constituem as cidades do litoral angolano, em especial Luanda, (para os do “mercado”, ainda bem que houve guerra, pois ela foi a “chave” para a “construção” dos interesses que entre outros “milagres”, fez confluir “consumidores” e “potenciais consumidores” para o espaço reduzido da capital) resultam de processos de aplicação da “doutrina de choque” eminentemente capitalista; já viram o que era organizar um “mercado” se esses mesmos habitantes estivessem dispersos pelo imenso território de Angola?

… E no entanto, na altura decisiva da luta pela independência, quando Kissinger estabeleceu a sua guerra contrariando os seus mais avisados compatriotas (entre eles Frank Charles Carlucci que aproveitava em Portugal o “lançamento” de Mário Soares), Angola combateu os mercenários da CIA, venceu-os e aos dois “Freedom Fighters” que serviram para a ocasião, levando 13 desses mercenários a julgamento num Tribunal Popular Revolucionário que condenou 4 deles à morte.

“… Oh vozes dolorosas de África! Oh vozes dolorosas como a de Lumumba que o imperialismo abafou com seus mercenários! Oh vozes dolorosas da Namíbia, do Zimbabué e da África do Sul! Para as quais o imperialismo se apresta já em recrutar mercenários assassinos. Oh vozes dolorosas de todos os oprimidos do Mundo. Em vosso nome, peço a pena de morte para os réus mercenários”… (Excerto do Pedido de Pena in “O povo acusa – julgamento dos mercenários – a legalidade revolucionária”).

No seguimento desse julgamento e da resoluta opção revolucionária de Angola, a então Organização da Unidade Africana estabeleceu a “Convenção sobre a eliminação dos mercenários em África”, um documento com 15 artigos e com obrigações para com os estados (artigos 5 e 6).

O Presidente Neto proclamava na altura, enquanto a própria imprensa britânica e norte americana dava conta que só no Norte de Angola teriam perecido mais de 100 mercenários brancos:

“Os últimos soldados sul africanos saíram de Angola no dia 27 do mês passado. Já não temos em Angola soldados estrangeiros que oprimam o nosso povo. Neste mês vamos apresentar ao mundo os mercenários que capturámos em Angola. Vamos apresentá-los para condenar mais uma vez essa gente que nada mais quer senão matar, senão destruir outros países.

Vamos apresentá-los para que a opinião pública internacional saiba que os mercenários, os sul africanos, os americanos e os outros, se voltarem a entrar em Angola, serão rechaçados” (São Tomé, 3 de Abril de 1976).

Como foi produzida a “viragem” de 180º que entretanto ocorreu?

Como alguns daqueles que combateram os mercenários da CIA em África, anos mais tarde acabaram por fazer uso de mercenários para “defender a sua causa”?

Tudo começou em 1985 e à volta de interesses norte americanos e europeus, particularmente no que diz respeito aos diamantes.

O processo 105/83 que desmantelou o tráfico ilícito de diamantes, foi levado a julgamento e os réus dele constantes foram na maior parte dos casos condenados, mas no seu rescaldo, os oficiais da então Segurança do Estado da 1ª República que haviam cumprido com as suas obrigações (em resultado desse processo o tráfico ilícito de diamantes sofreu um rude corte e o estado angolano havia recuperado a sua posição de controlo das transacções), foram presos, julgados e condenados a pesadas penas, pois afinal, ironia das ironias, estavam a fazer “um golpe de estado sem efusão de sangue” (Processo 76/86).

Para julgar esses oficiais-feitos-réus, houve que substituir o “velho” Tribunal Popular Revolucionário (o mesmo que havia julgado os mercenários de 1975/1976) por um “novo”, dimensionado para as conveniências dos clãs que despontavam na sociedade angolana com expressão política no Congresso do MPLA realizado na altura e “abrindo-se” para um outro poder cujo carácter iniciou a “fase de embrião”, ao mesmo tempo que se produziram alterações de vulto no aparelho da então Segurança de Estado.

Deu-se assim não só o início duma profunda alteração do carácter do estado angolano, preparando-se o caminho para o termo do sonho duma sociedade de feição socialista, ao mesmo tempo que se passou a introduzir sem remissão a lógica capitalista que sustentou a 2ª e sustenta 3ª repúblicas, muito antes das profundas alterações ocorridas nos países socialistas de então…

Os instrumentos de poder de estado começaram a ser tocados, assim como os órgãos de justiça da jovem república, faltavam as Forças Armadas Populares de Libertação de Angola, mas desde então elas, apesar das suas vitórias nos campos de batalha que ainda hoje são recordadas como feitos nacionais que influenciaram na independência da Namíbia e do Zimbabwe e na instalação da democracia representativa na África do Sul e em toda a região, estavam irremediavelmente condenadas a desaparecer.

Sob a pressão dos Estados Unidos da América e da URSS-Rússia, durante as várias “negociações” (Bicesse, Nova York, Lusaka), Angola foi conduzida à conclusão das transformações do carácter do estado angolano, fechando esse ciclo com o eclipse das FAPLA – haverá algum estado, alguma vez, que na construção duma paz carregada de tantas ambiguidades e ao sabor de tantas pressões e de tantos “choques”, se visse constrangido a acabar com um Exército que saíra vitorioso dos campos de batalha?

Em Angola houve e isso apesar de ainda em 1990 o Presidente da República e Comandante em Chefe das FAPLA reafirmar:

“É sabido que o inimigo aumentou a sua agressividade contra o Povo Angolano. Os seus protectores, os seus aliados e, sobretudo, os círculos mais conservadores dos Estados Unidos da América continuam insistindo no aumento da ajuda militar à UNITA, para prolongar a guerra em Angola e o sofrimento do nosso Povo. Nestas circunstâncias e porque é nosso dever defender as conquistas do Povo Angolano, as FAPLA terão, como tiveram até aqui, uma missão especial a cumprir. Pois elas têm sido, desde os primórdios da nossa História, o garante da defesa dos interesses do Povo Angolano”… (in “Intervenção do Camarada Presidente General de Exército José Eduardo dos Santos, Comandante-em-Chefe das FAPLA, durante a Reunião com os dirigentes e responsáveis das Forças Armadas”, publicado num folheto publicado com a data de 3 de Novembro de 1990).

A 24 de Setembro de 1991 todavia e em função dos Acordos de Maio de 1991 no Estoril, foram estabelecidas as bases gerais das Forças Armadas Angolanas em documentos assinados por intervenientes como o Tenente General França Ndalu, o Coronel Higino Carneiro, o General Demóstenes Cjilingutila e o Engenheiro Salupeto Pena.

A Comissão Conjunta Para a Formação das Forças Armadas Angolanas propôs o novo figurino com base nas Directivas nºs 1 e 2, respectivamente sobre as “Bases Gerais para a Formação das FAA” e “Critérios Gerais da Selecção dos Militares para as FAA”.

O que diziam os Acordos no que diz respeito a “Efectivos”?

Eis aqui o excerto das principais orientações:

“1 – As partes concordam que os efectivos das Forças Armadas Angolanas até às eleições deverão ser os seguintes:

Exército – 40.000.
Força Aérea – 6.000.
Marinha – 4.000.

2 – Os efectivos do Exército distribuir-se-ão de acordo com o seguinte esquema:

- 15.000 praças operacionais dos quais 7.200 pertencerão às Regiões Militares, 4.800 às Unidades de Reserva Geral do Exército e 3.000 às Forças especiais.

- 15.000 praças para apoio de serviços e administração.

- 6.000 sargentos.

- 4.000 oficiais.

3 – Cada uma das partes fornecerá ao Exército um total de 20.000 homens assim distribuídos:

- 15.000 praças (dos quais 7.500 operacionais).

- 3.000 sargentos.

- 2.000 oficiais”.

As implicações do fim das FAPLA e a iniciativa da criação das FAA sem ter em conta sequer as proporções das forças, num ambiente internacional em que deixaram de existir os países de orientação socialista enquanto o capitalismo assumia o domínio pela via dos anglo saxónicos, de seus aliados declarados e não declarados e de seus vínculos (inclusive aqueles que assumiram os vínculos locais), proporcionou em Angola a aplicação da “doutrina de choque”, dando-se início à “guerra dos diamantes de sangue” integrada na “Iª Guerra Mundial Africana”, à gestação das “novas elites político-militares angolanas” aproveitando as profundas alterações do carácter do estado, da economia e da sociedade e a coisas nunca vistas em termos de exercício do poder, entre elas a utilização de mercenários.

Martinho Júnior - 15 de Maio de 2010

Consultas na Internet:
- Capitalismo de desastre: estado de extorsão - http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=15133
- Discurso del Comandante Che Guevara en la Asamblea General de las Naciones Unidas - 12 de diciembre de 1964 - http://www.culturabrasil.pro.br/discursoche.htm
- Coronel Callan - http://es.wikipedia.org/wiki/Coronel_Callan
- Holden Roberto - http://es.wikipedia.org/wiki/Holden_Roberto
- Juicio en Luanda contra diez mercenarios britânicos -http://www.elpais.com/articulo/internacional/ANGOLA/REINO_UNIDO/Juicio/Luanda/mercenarios/britanicos/elpepiint/19760605elpepiint_2/Tes/
- El "coronel Callan" se responsabiliza de sus hombres -http://www.elpais.com/articulo/internacional/aFRICA/ANGOLA/coronel/Callan/responsabiliza/hombres/elpepiint/19760613elpepiint_11/Tes/
- Callans executions - http://mercenary-wars.net/blogs/?p=61
- Le mercenariat dans l’histoire de 1960 (article en cours, à términer) - http://tanuki.eklablog.com/le-mercenariat-dans-l-histoire-de-1960-a-nos-jours-article-en-cours-a--a1159258
- Angola ratifica Convenção da UA sobre terrorismo - http://www.panapress.com/freenewspor.asp?code=por017587&dte=02/02/2005
- La privatisation de la securité internationale - http://www.drmcc.org/IMG/pdf/Memoire_fourcaulx.pdf
- Mercenários brasileiros na Legião Estrangeira - http://diplo.org.br/2008-05,a2267
- Gaúcho pretende seguir carreira - http://diplo.org.br/2008-05,a2268
- Legionários são heróis na França - http://diplo.org.br/2008-05,a2269
- A doutrina de choque - http://www.naomiklein.org/shock-doctrine
- A privatização da guerra – Governo dos EUA encomenda as suas operações sujas a empresas de mercenários - http://resistir.info/colombia/mercenarios_usa.html
- Blackwater: O exército sombra de Bush - http://resistir.info/eua/jeremy_scahill_p.html
- Coalition of mercenaries - http://www.counterpunch.org/fisk03292004.html
- Blackwater – Wikipedia - http://en.wikipedia.org/wiki/Blackwater_Worldwide
- Xe Company - http://www.xecompany.com/
- MPRI - http://www.mpri.com/esite/

Bibliografia consultada:
- Ernesto Che Guevara – Pasajes de la guerra revolucionaria: Congo.
- Angola: fin del mito de los mercenartios – Raul Valdês Vivo.
- O Povo Acusa – Julgamento dos mercenários – a legalidade revolucionária.
- Mercenaires SA – Philippe Chapleau e François Misser.
- Acordo de Paz para Angola – edição da República Popular de Angoola.
- Intervenção do Camarada Presidente General de Exército José Eduardo dos Santos, Comandante em Chefe das FAPLA durante a reunião com dirigentes e responsáveis das Forças Armadas – Luanda, 3 de Novembro de 1990.
- Forças Armadas Angolanas – Bases Gerais.
- Aplicação dos Acordos de Paz – Balanço e Perspectivas – doze meses de actividade da CCPM.

Publicado em PÁGINA UM, em  2 de novembro de 2010

Sem comentários:

DESTAQUE

Chega "esconde" propósitos fascistas do seu programa

Chega "eclipsa" destruição da escola pública e do SNS do seu programa Quase dois anos depois de Ventura ter anunciado a "cl...

Mais lidas da semana