segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Evo Morales saúda mediação europeia para crise na Bolívia


Asilado no México, o ex-presidente elogia ofertas da Espanha e União Europeia para mediar o conflito boliviano. Morales revela ter "muito medo de uma guerra civil" no país sul-americano.

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, declarou-se neste domingo (17/11) a favor de que o governo da Espanha e outros membros da União Europeia participem como mediadores, a fim de acabar com a grave crise que atravessa seu país.

"Como seria bom se a Espanha, ou [o ex-presidente do governo espanhol, José Luis Rodríguez] Zapatero, um especialista em mediação, Pepe Mujica, ou outros governos se juntassem à mediação para a pacificação", afirmou, em entrevista à agência de notícias Efe, de seu asilo na capital do México.

O ex-mandatário boliviano afirmou não ter contato com diplomatas espanhóis, nem de outros países europeus, desde sua renúncia, em 10 de novembro, mas que considera positivo o envolvimento da Espanha ou de algumas nações da UE. Por outro lado, criticou "alguns países da União Europeia que se posicionaram", referindo-se ao apoio do Reino Unido ao novo governo interino.

"Não gostei, mas se vocês aceitarem esta posição [de mediadores], serão bem-vindos." Morales, que aceitou o asilo oferecido pelo governo mexicano, também elogiou a Espanha e a UE, por agirem sem nada pedir em troca, "ao contrário da ajuda oferecida pelos EUA, que é sempre condicional".


Na entrevista à Efe, ele revelou, ainda, ter "muito medo de uma guerra civil" na Bolívia. Entretanto, está procurando convencer os que questionam seu pedido para um "diálogo nacional" com o governo de transição, visando encerrar o confronto no país. Alguns líderes duvidam "e o povo diz: 'Como vamos dialogar com os responsáveis pelos massacres?'"

Morales afirmou que após as recentes mortes em confrontos com forças de segurança, quem pede diálogo "pode ser declarado um traidor". "Agora, após esse massacre, os que estão mobilizados não querem mais diálogo. Primeiro descartam um novo governo e depois veem como reconstruir o Estado." Durante o domingo ele entrou em contato com seus apoiadores em La Paz, Cochabamba e El Alto, entre outras cidades.

Segundo o governo interino da Bolívia, as manifestações violentas pelo país estariam arrefecendo: o número de focos de distúrbio "caiu pela metade", afirmou o ministro do Interior, Arturo Murillo. Grupos de agricultores próximos a Morales continuam exigindo a renúncia da governante provisória, Jeanine Áñez.

Desde as eleições de 20 de outubro, a Bolívia vive uma grave crise, com pelo menos 20 mortos e mais de 500 feridos em confrontos entre apoiadores e opositores de Morales.

Há uma semana, o ex-presidente anunciou a repetição das eleições presidenciais depois de a Organização dos Estados Americanos (OEA) ter encontrado diversas irregularidades no pleito anterior, em que ele fora reeleito para um quarto mandato.

No entanto, pouco depois, seguindo conselhos da Polícia e das Forças Armadas, Evo Morales renunciou à presidência depois de quase 14 anos no poder. O governo do México declarou ter lhe oferecido asilo para proteger sua vida.

Deutsche Welle | AV/efe,afp

Sem comentários: