terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Portugal | Má experiência na Saúde


Paula Ferreira | Jornal de Notícias | opinião

Era hora do Governo dar um sinal claro e inequívoco de que a Saúde é uma prioridade. Não, o aumento de 800 milhões no orçamento do setor em 2020, em relação ao ano passado, não confirma esse sinal.

O Serviço Nacional de Saúde, sem dúvida, carece de uma injeção de verbas, e não será aquele aumento a resolver um problema crónico, agravado quase ao limite durante os anos em que o País esteve sob intervenção da troika.

Por muitos milhões encaminhados para o Serviço Nacional de Saúde, o problema ficará incompletamente resolvido. O sistema, antes de mais, precisa de uma estratégia clarificadora. O Governo não pode ir respondendo de forma casuística, de acordo com cada crise, e deixar na linha de tiro a ministra da Saúde: um certo setor da sociedade portuguesa resolveu colocar-lhe a etiqueta de incompetente. Marta Temido não me parece incompetente, parece-me, isso sim, sozinha a lutar contra uma série de interesses, muitos dos quais corporativos - usando argumentos que, tantas vezes repetidos, se tornam impossíveis de desmentir.

Sou defensora do Serviço Nacional de Saúde, a ele recorro quando estou doente, é lá que levo os meus filhos e parto sempre com o sentimento de que tudo correrá bem. Nunca correu mal. A má experiência tive-a, precisamente, num hospital privado e nem sequer foi grave, apenas anedótica, mas retrata como tudo aquilo funciona. Consultei um neurocirurgião de renome para colher uma segunda opinião, sobre à necessidade de uma intervenção cirúrgica. Fui examinada e o médico em causa marcou exames complementares. No final da consulta, pedi-lhe para observar uma outra parte do meu corpo, relativamente à qual levava comigo um exame. Apenas lhe pedi para ver o exame, como me tinha aconselhado a minha médica de família. Resposta: "Não quer que a veja toda hoje! A asa (o problema era no ombro) tem que ficar para a próxima". Para quê cobrar uma consulta se posso cobrar duas?

*Editora-executiva-adjunta

Sem comentários: