segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Para entender o singular colonialismo israelita

# Publicado em português do Brasil

Há diversas características históricas e políticas que definem o regime de opressão aos palestinos, imposto ao longo das últimas décadas. Quais são eles? Qual o papel dos EUA e Europa? É possível chamar de apartheid? Há soluções para o conflito?

Gercyane Mylena* | Outras Palavras

Israelenses e Palestinos: Conflito e Solução

Como devemos pensar sobre o conflito entre Israel e a Palestina? Por favor, note que pergunto: como pensar sobre antes do quê pensar. Antes de chegarmos a quaisquer conclusões substanciais – certamente antes de tomarmos lados – temos de ser claros quanto à forma como a questão deve ser encarada.

Seria um erro começar apelando para uma moral. É realmente necessário fazer um juízo de valor moral e com certeza não defendo evitá-lo. Mas não devemos começar com juízos de valor moral. Atribuir culpas por atrocidades, por exemplo, não é um bom ponto de partida. Em qualquer guerra, ambos os lados podem – e recorrentemente cometem – atrocidades hediondas: matar e mutilar desarmados inocentes, destruir suas casas, privá-los da sua subsistência. E é claro que todas estas atrocidades devem ser condenadas.

Agora, é consideravelmente fácil perceber que Israel comete atrocidades em escala muito maior de magnitude do que seus opositores palestinos (ou outros árabes). Mas isto, por si só, não é base suficiente para tomar partido. Israel opera danos muito maiores e comete verdadeiras atrocidades, antes de tudo, porque pode: é muito mais forte. Tem uma enorme máquina de guerra, uma das maiores do mundo em termos absolutos, e de longe a mais formidável em relação à sua dimensão.

Além disso, perguntar “quem começou?” não é de grande utilidade. Cada lado afirma que “retalia” por conta de crimes perpetrados pelo outro. Os meios de comunicação social chamam-lhe o “ciclo de violência”; na realidade, não é realmente um ciclo, mas uma espiral em cadeia. Até que ponto se vai para trás? E mesmo se recuarmos tanto como “para trás”, e encontrarmos quem disparou o primeiro tiro – e depois? Talvez quem disparou o primeiro tiro se justificasse ao fazê-lo, não é?

Deveríamos primeiro abordar a questão em modo de descrição e análise. Devemos perguntar: qual é a natureza do conflito; de que é que se trata? A compreensão deve preceder o julgamento. Quando compreendermos do que se trata, cada um de nós pode aplicar os seus critérios morais e julgar. E só então, depois de compreendermos a natureza do conflito e de fazermos um juízo moral, podemos determinar o que constituiria uma possível resolução, e tentar descobrir o que seria necessário para alcançar essa solução.

Análise do conflito

A história é importante. Não se pode compreender o conflito tirando uma fotografia do seu presente: é preciso rebobinar a gravação. O conflito não começou em 1967; só entrou numa nova fase com a ocupação militar de Israel na Cisjordânia, na Faixa de Gaza e no Golan sírio. Também não começou em 1956 com o ataque de Israel ao Egito, em conluio com a França e a Grã-Bretanha. E não começou em 1948 com o estabelecimento de Israel e a ocorrência da precipitação do Nakbah palestino, em que a maioria do povo árabe palestino do que se tornou Israel se transformou em refugiados.

O conflito começou há um século e tornou-se intenso após a I Guerra Mundial. Em termos mais gerais: faz parte do complexo de problemas não resolvidos legados à região pelas potências imperialistas ocidentais – britânicas e francesas – na forma como acabaram e desintegraram o Império Otomano. Temos testemunhado outros componentes deste legado complexo no Iraque, no Líbano e em toda a região.

Este contexto regional tão importante será um fio condutor do que se segue.

Mais especificamente: é um conflito entre o projeto sionista de colonização da Palestina e o povo que nela habita, os árabes palestinos. Em 1948 tornou-se um conflito entre Israel – o Estado colonizador que é um produto do projeto de colonização sionista – e o povo árabe palestino. Dizer que o sionismo foi e é um projeto colonizador e que Israel é um Estado colonizador, não é uma questão de juízo de valor, mas uma simples afirmação da realidade. Não utilizo estes termos enquanto “invenções” ou meros insultos. Aliás, o movimento sionista, no seu discurso interno, utilizou o termo “colonização” (e mais tarde os seus equivalentes em hebraico).

É possível argumentar – e alguns argumentam – que a colonização e o estabelecimento de um estado de colonização são moralmente aceitáveis – seja no geral ou neste caso particular. Este é um juízo de valor, que depende dos critérios morais de cada um. Mas não é intelectualmente defensável negar que o Sionismo é um projeto colonizador e que o Estado de Israel é um Estado de colonos para praticar limpeza étnica.

Existem naturalmente muitos Estados colonizadores, estabelecidos por colonos da Europa que se estabeleceram em várias partes do mundo. Israel não é, de forma alguma, único neste sentido. Mas o sionismo de Israel é singular em vários aspectos importantes, três dos quais vou destacar a seguir.

A primeira característica singular da colonização sionista é que, historicamente, foi o último processo de colonização a expulsar do território. E é o último e atualmente o único a permanecer ativo – ativo como em “vulcão ativo”, em oposição a um vulcão extinto.

Outros estados colonizadores cumpriram o seu “destino manifesto” (para usar um termo norte-americano, doutrina de expansão dos EUA). A colonização ali terminou e está terminada. Não é assim no caso presente.

Neste momento, Israel não é apenas um produto do projeto de colonização sionista, mas também um instrumento para a sua futura extensão e expansão. A colonização está em curso. Prosseguiu em 1948-67 no território então governado por Israel, dentro da Green Line. [1] As terras pertencentes a árabes palestinos – incluindo os que permaneceram dentro da Green Line – foram expropriadas e cedidas à colonização sionista. E pouco depois da guerra de 1967, a colonização continuou nos territórios recentemente ocupados (OTs). Isto aconteceu sob todos os governos: pelo Likkud, e pelas grandes coligações.

Há muita controvérsia sobre o que o governo de Israel liderado por Yitzḥak Rabin realmente pretendia quando assinou os Acordos de Oslo de 1993, e o que o primeiro-ministro, Ehud Barak, quis dizer com a sua chamada “oferta generosa” na cúpula de Camp David (2000). Aconselho: não dê ouvidos aos políticos sionistas, pois os políticos da burguesia sionista em geral são presumíveis predadores: mentem quando lhes convém. Olhe para os fatos no terreno, pois eles não mentem.

Quais intenções tinha o então o governo de Israel – e todos os anteriores, inclusive – em relação aos estes territórios palestinos ocupados por eles próprios ocupados? Por favor, tire as suas próprias conclusões.

No dia 16 de fevereiro de 1973, o General Moshé Dayan proferiu um discurso de programa numa reunião da Ordem dos Advogados de Israel. O jornal Ha’aretz (18.2.73) informou que Dayan “surpreendeu os seus ouvintes”: os advogados que o tinham convidado esperavam que, como Ministro da Defesa, ele falasse de assuntos militares. Em vez disso, leu uma doutrina ideológica na qual expôs a “doutrina” do seu mentor, o fundador do Estado de Israel, David Ben-Gurion. Este último ainda estava vivo na altura – ele iria morrer no final de 1973 – e é justo assumir que Dayan estava certo da sua aprovação. (De fato, não é tão fantasioso supor que Ben-Gurion estava transmitindo uma mensagem à nação através do seu protegido preferido).

Dayan citou o que Ben-Gurion tinha dito muitos anos antes, em debates internos sobre o relatório da Comissão Peel [2], mas salientou que essas palavras, proferidas em 1937, eram “pertinentes também hoje”. Esta é a síntese da doutrina de Ben-Gurion, tal como citada por Dayan:

Entre nós [os sionistas] não pode haver debate sobre a integridade da Terra de Israel [isto é, da Palestina], e sobre os nossos vínculos e direito a toda a Terra. Quando um sionista fala sobre a integridade da Terra, isto só pode significar colonização [hityashvut] por parte dos judeus da Terra na sua totalidade. Isto é: do ponto de vista do Sionismo a verdadeira questão não se limita [à questão de] a quem pertence politicamente este ou aquele segmento da Terra, nem mesmo à crença abstrata na sua integridade. Pelo contrário, o objetivo e a verdadeira questão de fundo do sionismo é a implementação concreta da colonização pelos judeus de todas as áreas da Terra de Israel. [3]

Esta é a correspondente sionista da doutrina do “destino manifesto”. Deixem-me esclarecer o que implica: qualquer divisão da Palestina, qualquer “Green Line”, qualquer acordo ou tratado que feche qualquer parte da “Terra de Israel” à colonização judaica é, na melhor das hipóteses, do ponto de vista sionista, uma acomodação transitória – aceita temporariamente por razões táticas ou pragmáticas, mas nunca considerada como definitiva.

Naturalmente, isto não significa que a expansão da colonização sionista seja irrefreável. O que isto significa é que será prosseguida – como uma questão de prioridade máxima – desde que o equilíbrio de poder o torne possível.

A colonização sionista da Palestina é a raiz do conflito; a colonização contínua é o ímpeto persistente que impulsiona o conflito. Por esta razão, limito-me nesta análise a discutir o projeto sionista, lado proativo no conflito. Por falta de tempo, direi muito pouco sobre a luta palestina, cuja reação foi previsível. A implementação do projeto político sionista provocaria, por óbvio, a resistência dos palestinos e levaria indubitavelmente a um conflito violento. Isto foi reconhecido pelos mais perspicazes, desinibidos e sinceros sionistas. Nenhum foi menos inibido do que Vladimir Jabotinsky (1880-1940), o progenitor político e intelectual de cinco primeiros-ministros de Israel: Menaḥem Begin, Yitzḥak Shamir, Binyamin Netanyahu, Ariel Sharon e Ehud Olmert. [4]

Uma segunda característica bastante singular da colonização sionista é que os colonos não eram cidadãos de uma potência europeia que os enviou na sua missão colonizadora e os protegeu. Por esse motivo, ficou claro desde o início para os fundadores do sionismo político que era vital para o seu projeto obter o patrocínio de uma Grande Potência – qualquer que fosse a Grande Potência dominante no Oriente Médio – que lhes proporcionaria um ‘muro de aço”, atrás do qual a colonização sionista poderia prosseguir. Sem esse apoio – a que o discurso sionista inicial se referia como uma “carta” – a colonização da Palestina seria uma colonização ainda não iniciada.

É claro que as grandes potências não são filantrópicas. A sua proteção não é dada a troco de nada, mas sim em troca de serviços. E, desde o início, ficou claro quais seriam esses serviços. O fundador do sionismo político, Theodor Herzl (1860-1904), colocou-o assim no seu livro programático Der Judenstaat (O Estado Judaico) publicado em 1896:

Para a Europa, formaríamos aí parte da muralha contra a Ásia, servindo de posto avançado da civilização contra a barbárie. Como Estado neutro, permaneceríamos em contato com toda a Europa, que teria de garantir a nossa existência.

Mais do que um “choque de civilizações”, seria um choque da civilização única e única com a barbárie.

Portanto, é um acordo, uma questão de quid pro quo. Em troca da proteção vital do “muro de aço” contra os árabes palestinos que o imperialismo ocidental ajudaria a erguer, os colonos sionistas – e eventualmente o seu Estado colonizador – deveriam fornecer aos seus defensores uma “muralha” contra os “bárbaros” do Oriente Médio. (A prática do sionismo está repleta de muros e muralhas; mas aparecem ainda mais cedo no discurso sionista: no início era a palavra).

Uma consequência necessária desse acordo histórico tem sido a regionalização do conflito. O choque do projeto sionista (e eventualmente de Israel) com os palestinos foi ampliado para um conflito com os povos de toda a região. Isto deve-se não só à solidariedade nacional dos árabes em toda a região com os seus compatriotas árabes na Palestina, mas também ao papel ativo do sionismo (e de Israel) como parceiro da exploração e dominação ocidental do Oriente Médio.

Na década de 1880, a Alemanha, sob Kaiser Wilhelm II, tinha substituído a França e o Reino Unido como “amigo e conselheiro militar” do decadente Império Otomano. A Palestina fazia então parte desse Império, de modo que Herzl tentou vender a sua ideia ao German Kaiser. Mas foi rejeitada: o Kaiser rejeitou a proposta de acordo.

Na década de 1930, as relações entre o movimento sionista e o seu antigo defensor britânico arrefeceram. Os seus objetivos e interesses começaram a divergir. Eventualmente, abriu-se entre eles uma profunda fenda, evoluindo após a II Guerra Mundial para um conflito violento. Não poderei entrar aqui nas causas pormenorizadas deste conflito. É suficiente dizer que – entre outras coisas – a Grande Revolta dos Árabes palestinos deixou claro à Grã-Bretanha que o custo da imposição dos termos do Mandato seria demasiado elevado para o seu limitado poder e influência. Enquanto isso, o projeto sionista tinha ultrapassado o papel de um mero “pequeno e leal ‘Ulster Jew’” e estava maduro para assumir a soberania do Estado. Mas, em qualquer caso, a Grã-Bretanha estava perdendo a sua posição dominante no Oriente Médio; o sionismo precisava de um novo protetor imperialista.

Michael Assaf, colocou-o da seguinte forma [5]: Nesses mesmos anos de luta [entre o sionismo e o imperialismo britânico] teve lugar um processo de início de um novo vínculo: em vez da Inglaterra-sionismo, EUA-Sionismo – um processo que dependia do fato dos EUA estarem entrando no Oriente Médio como uma potência mundial decisiva.

A partir do momento da sua criação em 1948, Israel continuou este processo de reaproximação. Estava à procura de uma nova aliança – proteção em troca de serviços – com os EUA. Mas a mudança para o novo padrinho imperialista foi gradual e passou por várias fases. No início, a Grã-Bretanha ainda conservava alguma influência no Oriente Médio. Isto reflete-se na seguinte avaliação do papel regional de Israel [6]:

O regime feudal nestes Estados [do Oriente Médio] deve estar atento a uma tal extensão de movimentos nacionalistas (laicos e religiosos) que por vezes também têm um tom social decididamente esquerdista, que estes Estados já não estão preparados para colocar os seus recursos naturais à disposição da Grã-Bretanha e da América e permitir-lhes utilizar os seus países como bases militares em caso de guerra. É verdade que os círculos dirigentes dos países do Oriente Médio sabem que em caso de uma revolução social ou conquista soviética serão certamente liquidados fisicamente, mas o medo imediato da bala de um assassino político ultrapassa por enquanto o medo impalpável da anexação ao mundo comunista. Todos estes Estados são militarmente fracos; Israel provou a sua força militar na Guerra de Libertação contra os Estados árabes e, por esta razão, um certo reforço de Israel é uma forma bastante conveniente para as potências ocidentais de manterem um equilíbrio de forças políticas no Oriente Médio. De acordo com esta suposição, foi atribuído a Israel o papel de uma espécie de cão de guarda. Não se deve temer que aplique uma política agressiva em relação aos Estados árabes se isso fosse claramente contra a vontade da América e da Grã-Bretanha. Mas se as potências ocidentais preferirem, por uma razão ou outra, fechar os olhos, pode-se confiar em Israel para punir devidamente um ou vários dos seus Estados vizinhos cuja falta de maneiras para com o Ocidente tenha ultrapassado os limites admissíveis.

O período 1948-67 foi uma fase delicada para Israel na sua busca de vinculação à nova potência imperialista dominante: os EUA estavam interessados, agradáveis, mas não muito entusiasmados. Deram a Israel um apoio financeiro e político significativo, mas o seu compromisso com Israel não foi integral. A utilidade de Israel como um agente regional não foi de modo algum comprovada; não era óbvia para os formuladores de políticas dos EUA.

Para uma aliança política mais estreita e para equipamento militar, Israel voltou-se, nos anos 50, para a França, que então lutava numa guerra colonial na Argélia. O nacionalismo árabe – liderado pelo carismático Presidente egípcio Gamal Abd-al-Nasser – era o inimigo comum.

Na Guerra de Suez de 1956, Israel efetivamente provou sua destreza militar e a sua utilidade como “Rottweiler local” mas, vale ressaltar, para o chefe imperialista errado. A França e a Grã-Bretanha foram forças gastas como potências coloniais. Os EUA não se divertiram com a tentativa de regresso não autorizada do gauche e imperiosamente o conseguiram. Também a Israel foi dito, em termos muito claros, para se retirar das suas conquistas, acrescentando que o Primeiro-Ministro Ben-Gurion tinha sido muito precipitado para declarar “parte do Terceiro Reino de Israel”. [7] No entanto, Israel obteve um ganho considerável com o episódio. No conclave secreto em Sèvre, onde o conluio de Suez foi eclodido, Ben-Gurion, Dayan e Peres extraíram da França um prêmio pelo papel crucial de Israel no início da guerra: uma promessa francesa de construir um reator nuclear em Israel e fornecê-lo com material cindível. Isto acabou por levar Israel a tornar-se a quinta potência nuclear do mundo. [8]

Em 1967 Israel certificou-se de obter a aprovação prévia dos EUA para o seu ataque ao Egito e à Síria. Aproveitou também esta oportunidade para ocupar a parte restante da Palestina, que Abdallah tinha agarrado em 1948, por um acordo secreto com o governo de Ben-Gurion.

Israel prestou muitos serviços importantes ao Ocidente, particularmente aos EUA; mas o mais valioso deles foi, sem dúvida, sua contribuição na derrota do nacionalismo árabe secular, considerado pelo Ocidente como um perigo para os seus interesses, e que nunca se recuperou do seu desastre militar de 1967. Israel tornou-se o mais firme e confiável aliado e executor dos EUA na região.

Israel é frequentemente comparado à África do Sul no período em que esta se encontrava sob apartheid. O termo “apartheid” é amplamente utilizado para caracterizar o Estado colonizador de Israel, e, especialmente, o regime implementado por Israel nos territórios por ele ocupados desde 1967.

Penso que a razão para esta utilização generalizada é que a África do Sul sob o apartheid foi o único outro Estado colonizador que até há pouco tempo perseguia ativamente o seu projeto colonizador, na memória viva da maioria das pessoas. É o único outro Estado colonizador ativo de que a maioria das pessoas podem recordar-se. Assim, usam o termo “apartheid” como um apelativo, ou como um rótulo generalizado para um regime opressivo de discriminação racista. [9]

Mas, em termos de análise, este rótulo não se aplica estritamente à colonização sionista. E pode ser enganador: usar o “apartheid” de modo apelativo pode ser uma forma eficaz de desabafar sentimentos, e pode até ser útil enquanto estandarte propagandístico, mas é, também, perigoso. As pessoas começam a acreditar que Israel é outra África do Sul, e, portanto, o conflito israel-palestino é semelhante e pode ser semelhantemente resolvido.

Há, evidentemente, muitas semelhanças: A África do Sul sob o apartheid e Israel pertencem ao mesmo tipo: Estado colonizador. A colonização envolve necessariamente desapossamento dos povos nativos, discriminação racista severa contra as comunidades locais e medidas brutais para suprimir a sua resistência. Na realidade, enquanto os árabes palestinos dentro da Green Line (que são cidadãos de Israel) sofrem de discriminação institucionalizada severa, não estão tão mal como os não-brancos sob o apartheid. Por outro lado, os palestinos nos OTs de 1967 são em muitos aspectos tratados de forma mais brutal pelos militares e colonos de Israel do que os não-brancos sob o apartheid.

Mas, do meu ponto de vista, não se trata de uma comparação do grau de opressão. Existe uma importante diferença qualitativa e estrutural entre os dois estados colonos: pertencem ao mesmo gênero, mas a uma espécie diferente. A caracterização deve não só indicar o gênero próximo, mas também apontar a diferença específica. [10]

Aqui, invoco a visão profunda de Karl Marx: a chave para compreender uma sociedade, uma formação social, é a sua economia política, o seu modo de produção. [11] E isto significa principalmente a fonte do produto excedente, e a forma da sua extração. [12]

Falando de forma um tanto esquematizada, podemos distinguir duas espécies, dois modelos principais, de sociedades colonizadoras. A diferença crucial é se a população nativa é aproveitada como força de trabalho a ser explorada, fonte de produto excedentário ou excluída da economia dos colonos – marginalizada, exterminada ou expulsa, limpa étnicamente.

A África do Sul pertencia à primeira espécie-tipo. Não começou assim, mas com o desenvolvimento da indústria capitalista e mineira evoluiu para um sistema em que os negros africanos eram a principal fonte de mais-valia. O apartheid foi um sistema concebido para manter os não brancos à mão – como um recurso essencial da economia – mas sem direitos civis.

O sionismo escolheu deliberada, consciente e explicitamente outro modelo: a utilização da força de trabalho nativa deveria ser evitada. Os árabes palestinos não são considerados uma fonte útil e explorável de mão-de-obra excedentária – mas são eles próprios excedentários às necessidades. Não precisam, necessariamente, manter-se à mão ou mesmo à distância de um braço, mas devem ser afastados do caminho. Deveriam ser etnicamente limpos ou – no linguajar sionista – “transferidos”.

A transferência foi prevista logo desde o início do sionismo político. A 12 de Junho de 1895, Theodor Herzl confidenciou ao seu diário:

Tentaremos transferir a parte mais pobre da população nativa através da fronteira, sem causar tumulto, dando-lhes emprego nos países de trânsito, mas no nosso próprio país devemos negar-lhes todo o trabalho.

Seria enfadonho citar aqui a vasta pilha de provas para o planejamento da transferência, e relatos da sua implementação – por pressão, intimidação ou expulsão forçada – quando a oportunidade surgisse. Consulte a bibliografia. [13]

A este respeito – ao excluir os palestinos nativos da economia dos colonos antes de 1948, e ao planejar e implementar a sua transferência – os sionistas “de esquerda” ou “trabalhistas” eram os mais empenhados [14]. Eles pensavam em termos de classe e sabiam perfeitamente que, como em qualquer outra economia política, os principais produtores seriam os diretos. O sionismo não poderia alcançar um Estado judeu, com uma maioria judaica predominante, sem ser através da exclusão dos árabes. O trabalho tinha de ser feito por judeus: por pioneiros judeus europeus idealistas, e (uma vez que não havia voluntários suficientes) por destituídos, na sua maioria de pele mais escura, judeus reunidos dos quatro cantos do mundo.

No conjunto, o sionismo e Israel aderiram a este modelo, minimizando a dependência do trabalho palestino com rápido desvio parcial e contido nas décadas de 1970 e 80 [15]. Hoje, as empresas capitalistas israelenses de alta tecnologia estabelecidas nos OTs em terras palestinas colonizadas preferem empregar trabalhadores judeus israelenses superexplorados em vez de árabes palestinos. [16]

A estratégia sionista-israelense sempre teve um duplo objetivo: maximizar a colonização judaica da terra, minimizar a sua população árabe.

Existe um grau de tensão entre estes dois objetivos. Yosef Weitz – um sionista “trabalhista”, um dos arquitetos mais fervorosos dos planos de transferência antes da guerra de 1948, e um dos principais praticantes que a conceberam durante essa guerra e as suas consequências – ficou muito preocupado após a guerra de 1967:

Quando a ONU resolveu dividir a Palestina em dois Estados, eclodiu a Guerra da Independência [1948], para nossa grande sorte [sic!], e nela aconteceu um duplo milagre: uma vitória territorial e a fuga dos árabes. Na Guerra de [1967] Seis Dias, aconteceu um grande milagre, uma enorme vitória territorial, mas a maioria dos habitantes dos territórios libertados permaneceram “apegados” aos seus lugares, [um fato] que é suscetível de destruir a fundação do nosso Estado. O problema populacional é o mais grave, especialmente quanto ao seu peso numérico, a que se junta o peso dos refugiados. [17]

O sonho molhado da colonização expandida é perturbado por um pesadelo de perigo populacional.

Diferentes correntes sionistas equilibram os dois objetivos de formas diversas. Algumas dão prioridade ao imperativo da expansão territorial acima da pureza étnica absoluta; outras são petrificadas pelo perigo demográfico: existem muitos árabes na Palestina, e eles têm uma elevada taxa de natalidade.

O ideal – todos concordam – é que se os palestinos desaparecessem de alguma forma e o problema desapareceria com eles. Mas a grande limpeza étnica só pode ser perpetrada no que o discurso sionista chama um “momento oportuno”. Enquanto se aguarda tal oportunidade, a estratégia dominante é confinar os palestinos a áreas de fácil contenção, de preferência de autopoliciamento. Estes diferem dos campos de concentração na medida em que os reclusos são reiteradamente convidados à partida, desde que emigrem. Nem são os bantustões, porque o principal objetivo dos bantustões era servir como residência nominalmente independente para uma força de trabalho de reserva da qual dependia a economia dos colonos. O que mais se assemelham são as reservas indígenas nos EUA. E os vários “planos de paz” de Israel e os acordos com líderes palestinos dispostos não são diferentes dos famosos tratados indianos.

O fato da colonização sionista seguir este modelo – baseado não na exploração da mão-de-obra do povo nativo, mas com o intuito de o excluir e expulsar – tem algumas consequências muito importantes.

Em primeiro lugar, o perigo de novas transferências maciças nunca está longe. Um “momento oportuno” pode surgir, por exemplo, durante uma emergência extrema ou guerra – uma perspectiva que está sempre presente nesta região volátil [18]. Israel pode mesmo ajudar a provocar tal oportunidade. Entretanto, a transferência em câmera lenta prossegue pelo método do dividir e conquistar, utilizando o abuso econômico, administrativo e físico.

Além disso, a limpeza étnica, a expulsão, é evidentemente muito mais difícil de desfazer do que as relações de exploração e discriminação racial.

Por isso, aqueles que se opõem a esta injustiça devem agir com grande urgência para despertar a opinião pública mundial e mobilizar a sociedade civil, de modo a tornar o mais difícil possível para Israel expandir a sua colonização e perpetuar a sua transferência.

Outra consequência extremamente importante que decorre da natureza específica da colonização sionista é que o conflito se consolidou como um conflito nacional.

Enquanto no modelo explorador de colonização o conflito entre colonos e povos nativos assume a forma de uma luta quase de classe, no outro modelo – o seguido pelo sionismo – os colonos formam uma nova nação de colonos.

Assim, também a colonização sionista resultou na criação de uma nova nação: os judeus de Israel, ou os hebreus modernos [19], Eles têm os atributos essenciais de uma nação no sentido moderno desta palavra: conectividade territorial; uma estrutura de classes completa (semelhante à de outras nações capitalistas modernas); uma linguagem comum do discurso cotidiano (que é única para eles!) e uma cultura secular, tanto “erudita” como popular.

Note-se que os judeus em geral – os da diáspora de hoje – carecem de todos estes atributos [20], Eles não constituem uma nação no sentido moderno atual deste termo. [21]

A adoção da nova identidade nacional é tão rápida como no caso de outras nações colonizadoras de imigrantes. Os nascidos em Israel para imigrantes judeus da Rússia ou de um país árabe são membros da nação hebraica: não são mais russos ou árabes do que um norte-americano de ascendência italiana ou polaca é italiano ou polaco. A sua origem paterna não é apagada, mas recua para segundo plano.

Ironicamente, o sionismo – tal como um pai que nega a existência do seu filho indesejado – nega a existência desta nação hebraica, recentemente criada pela colonização sionista. Pois de acordo com a ideologia sionista, todos os judeus do mundo constituem uma única nação. A verdadeira pátria de cada judeu não é o país em que ele/ela possa ter nascido e no qual a sua família possa ter residido durante gerações. A pátria desta alegada nação é a Terra Bíblica de Israel, sobre a qual tem um antigo direito nacional inalienável – na verdade, dado por Deus [22]. Os não judeus que vivem na pátria judaica são meros estrangeiros. A colonização sionista justifica-se como “regresso à pátria” – um direito possuído pelos judeus mas negado aos estrangeiros, e os refugiados palestinos, que foram legitimamente expulsos da pátria judaica. Não há nação hebraica, mas apenas membros da nação judaica mundial que já regressaram à sua pátria, uma vanguarda dos seus irmãos na diáspora, que têm o direito – na verdade, um dever sagrado – de seguir a vanguarda e de serem “reunidos” na Terra de Israel.

Aqui gostaria de destacar mais uma característica excepcional da colonização sionista. No modelo explorador da colonização clássica, os colonos foram considerados como uma minoria relativamente pequena, uma crosta superior ou uma quase classe exploradora da força de trabalho do povo nativo. Estes últimos constituem a maior parte dos produtores diretos, e por isso continuam a ser a grande maioria da população. Por outro lado, na maioria das colonizações que seguiram o outro modelo, em que os colonos formaram uma nova nação colonizadora, os povos nativos, se não completamente pulverizados, foram submersos ou de qualquer forma marginalizados. As suas identidades nacionais distintas e separadas foram sobrepostas pela da nação colonizadora. As suas línguas e tradições culturais, se não obliteradas, persistiram como relíquias populares – “subterrâneas” ou em áreas rurais remotas – enquanto a língua e a cultura da nação colonizadora predominavam noutros locais.

Não é assim no caso da colonização sionista: aqui o conflito entre opressores e oprimidos – colonos e povos nativos – assumiu a forma de um conflito nacional entre dois grupos nacionais distintos e bastante definidos, de dimensão sensivelmente igual. [23]

Apesar dos seus esforços, o Estado de Israel tem tido até agora apenas um sucesso parcial na “transferência” dos árabes palestinos da sua pátria. A guerra de 1967 foi demasiado breve para que a limpeza étnica pudesse ser repetida em qualquer coisa como a escala maciça de 1947-49. Além disso, os palestinos tinham aprendido a amarga lição daquele Nakba, e – como Yosef Weitz observa com pesar (p. 18) – permaneceram tenazmente “apegados” aos seus lugares. Ao mesmo tempo, a maior taxa de crescimento natural dos árabes equilibrou, em certa medida, o aumento da imigração judaica para Israel.

A identidade nacional dos árabes palestinos, longe de se dissolver sob o impacto da colonização, ficou cristalizada e foi reforçada através do conflito com ela. Mantiveram a sua língua e desenvolveram uma vigorosa produção cultural nacional.

Esta vitalidade notável deve-se, em grande parte, ao contexto regional. A maioria dos palestinos estão localizados em estreita proximidade, ou dispersos como refugiados num vasto e populoso mundo árabe que partilha uma língua literária comum (bem como a sua versão menos formal utilizada pelos meios de comunicação social) e uma gloriosa herança cultural. O seu dialeto falado é muito próximo dos de outras partes da antiga Grande Síria, e não muito distante dos dos países vizinhos do mundo árabe oriental. Os intercâmbios culturais são fáceis. Mesmo os árabes palestinos que escaparam à limpeza étnica de 1948 e permaneceram como uma minoria oprimida em Israel puderam sintonizar as emissões do mundo árabe. Um poema ou romance composto por um palestino em Haifa pode ser lido e apreciado por milhões de pessoas, desde o Oceano Atlântico até ao Mar Arábico.

Além disso, devido ao “atraso” histórico da colonização sionista, na altura em que começou, encontrou a identidade nacional árabe e um nacionalismo árabe crescente, que surgiu aproximadamente na mesma época. Excepcionalmente, um projeto de colonização foi confrontado desde o seu início por um movimento nacional emergente. Note-se a referência preocupada com o nacionalismo árabe e a sua aspiração a uma federação regional na Muralha de Ferro de Jabotinsky. A analogia que Jabotinsky faz entre o nacionalismo árabe e o nacionalismo italiano anterior a 1870 é também bastante adequada. Na Itália, juntamente com a identidade nacional “pan-italiana” e o nacionalismo – que ainda não tinha alcançado a unificação política – existiam identidades locais mini-nacionais distintas e patriotismos locais: veneziano, toscano, romano, napoletano, siciliano, etc. Na verdade, eles sobrevivem até aos dias de hoje [24]. Do mesmo modo, no Mundo Árabe existem dois níveis de identidade nacional e nacionalismo: juntamente com toda a identidade árabe e aspiração à unificação ou federação, existem identidades e patriotismos locais: egípcios, iraquianos, sírios, etc. – e, claro, o palestino, formado através de uma experiência de calamidade comum e na luta pela sobrevivência e superação. Existe alguma tensão entre estes dois níveis de identidade nacional, mas não precisam de ser mutuamente antagônicos; são capazes de ser compatíveis e mesmo complementares. Enquanto que os governos árabes e as elites governantes se limitam a falar do ideal da unidade árabe, o compromisso genuíno com ele é generalizado entre as massas; e uma componente central deste compromisso é uma profunda solidariedade com os palestinos.

Um Estado ou dois Estados?

Qualquer projeção de resolução convincente deve partir deste entendimento sobre a natureza do conflito. É um violento confronto colonial entre duas nações que tomaram forma através deste mesmo conflito: uma nação hebraica colonizadora e o seu opressor Estado colonizador Israelense, e uma nação árabe palestina colonizada e oprimida. A primeira é aliada ao poder imperialista que domina toda a região; a segunda é uma parte componente da maior nação árabe da região. Em princípio – ou seja, concebida de forma abstrata, sem ter em conta realidades reais como o atual equilíbrio de poder – uma solução justa que satisfaça os princípios que acabo de delinear poderia ser implementada dentro de vários quadros institucionais e estatais.

Podemos imaginar a Palestina dividida em dois Estados: Israel e um Estado árabe palestino. Ou pode-se imaginar um único Estado em toda a Palestina. E podemos pensar em outras estruturas, que mencionarei mais adiante. Mas claramente o ponto crucial não é o número de Estados, mas se os principais princípios de uma verdadeira solução são satisfeitos. Para que um conjunto de dois Estados os satisfaça, Israel teria de ser des-Sionizado: transformado de um Estado colonizador étnico num Estado democrático de todos os seus habitantes. Além disso, os recursos – incluindo a terra e a água – teriam de ser divididos de forma justa e equitativa pelos dois Estados. E a nenhum deles deveria ser permitido dominar o outro.

Por outro lado, um único Estado teria de ser não meramente democrático (e portanto laico) mas ter uma estrutura constitucional que reconhecesse os dois grupos nacionais e lhes conferisse direitos e estatuto nacionais iguais. [25]

Mas, na realidade, nada disto é viável neste momento. Na verdade, não é possível uma verdadeira solução a curto ou médio prazo, devido à enorme disparidade no equilíbrio de poder. Os palestinos, economicamente destroçados, pouco armados e com pouco apoio internacional eficaz, enfrentam agora um Israel capitalista moderno dominante, uma superpotência nuclear hegemônica regional, um homem de machadinha local e um sócio júnior da hiperpotência global. Enquanto este desequilíbrio grosseiro de poder continuar, qualquer colonização vai inevitavelmente impor duras condições opressivas ao lado mais fraco. Esperar qualquer outra coisa seria extremamente ilusório.

Nestas circunstâncias, qualquer “colonização com dois Estados” é necessariamente uma farsa: não dois verdadeiros Estados soberanos (quanto mais dois iguais), mas um poderoso Estado de Israel que domina um conjunto desarticulado de enclaves palestinos semelhantes às reservas indígenas, policiados por elites corruptas que atuam como agentes de Israel. Esta era a verdadeira perspectiva mesmo sob os Acordos de Oslo de 1993; e desde então a situação deteriorou-se muito mais, com as malignas metástases virulentas da colonização de Israel, e o enfraquecimento da Autoridade Palestina sob o golpe Israelense e o estrangulamento internacional. [26]

Perante a evidente inviabilidade atual de uma configuração igualitária de dois estados, muitas pessoas de genuína boa vontade passaram a utilizar a fórmula de “um estado”. Esta é, em termos abstratos, uma proposta atraente. O problema com ela, porém, é que uma configuração verdadeiramente igual de um estado não é mais viável a curto ou médio prazo do que uma configuração igual de dois estados – e exatamente pela mesma razão. Dado o desequilíbrio real de poder, um único Estado que abranja toda a Palestina não será melhor do que uma extensão da ocupação e subjugação militar direta israelense.

Uma falha comum às fórmulas de “dois Estados” e “um Estado” é que estão confinadas à “caixa” da Palestina – o território do Mandato Britânico de 1923 a 1948. Diferem-se na medida em que a primeira propõe a sua repartição, enquanto a segunda propõe ressuscitá-la como uma única entidade política distinta. Ironicamente, como salientei, esta caixa foi feita propositadamente para a colonização sionista, a causa raiz do conflito. Poderá servir de recipiente isolado para a resolução do conflito?
Nenhum conflito de poder dura para sempre. Uma verdadeira resolução do conflito tornar-se-á possível a longo prazo, dada uma mudança no atual equilíbrio de poder. É impossível prever exatamente como esta mudança poderá vir a ocorrer. Mas parece bastante certo que não se limita à relação entre Israel e os palestinos, enquanto todo o resto permanece como está: envolverá necessariamente movimentos tectônicos em toda a região, bem como mudanças globais e internacionais.

Dois processos interligados e que se reforçam mutuamente serão vitais para alterar o atual equilíbrio de poder. Primeiro, o declínio do domínio global norte-americano, e em particular da capacidade dos EUA de continuar a apoiar a hegemonia regional Israelense sem incorrer em custos econômicos e políticos inaceitáveis. Em segundo lugar, uma transformação social, econômica e política radical do Oriente Árabe, que conduza a um grau de unificação da nação árabe – muito provavelmente sob a forma de federação regional.

É bastante inútil discutir a resolução do conflito entre Israel e a Palestina, como se ocorresse numa cabine palestina isolada – dividida ou inteira –, ignorando o resto da região, e não tendo em conta a sua transformação, sem a qual essa resolução é, de qualquer modo, impossível. Inserida no seu contexto regional adequado, a nossa visão de resolução implica uma mudança de enfoque. Seria um erro insistir numa parte de “bens patrimoniais” – Israel nas suas fronteiras 1948-67 ou à Palestina nas suas fronteiras 1923-48 – como os dados fornecidos de uma vez por todas. Pelo contrário, os verdadeiros dados primários são de origem humana: os dois grupos nacionais que estão diretamente envolvidos no conflito, e que continuarão a existir por muito tempo: os árabes palestinos e os hebreus israelenses. E a tarefa será então de acomodar estes dois grupos na união ou federação regional. As fronteiras se tornarão demarcações internas no seio da federação, e serão desenhadas em conformidade. Não podemos prever o que será, mas não precisam, de forma alguma, conformar-se com as que existiram até agora.

Seria insensato afirmar que, neste momento, a perspectiva parece brilhante. O domínio norte-americano ainda parece sólido, tal como o apoio total dos EUA ao seu executor regional israelita. O Oriente Árabe é governado por elites corruptas e lascivas. Ainda não se recuperou da derrota pelo nacionalismo árabe secular.

Mesmo havendo poucos motivos para otimismo imediato, há alguns sinais de esperança que apontam para o longo prazo. O poder econômico e político norte-americano, externamente robusto, está atormentado por sintomas de declínio. O poder militar dos EUA é de pouca utilidade e está a sobrepujar-se a si próprio. Entretanto, um novo movimento radical anti-imperialista contra-hegemônico está reunindo ímpeto em partes do Terceiro Mundo. Está ainda por decolar no Oriente Médio. Mas depende muito de todos nós.


Notas

1. Significativamente, Israel nunca definiu oficialmente as suas próprias fronteiras internacionais. A linha verde desenhada nos seus mapas durante esse período foi a sua fronteira de fato.

2.A Comissão Real de Inquérito da Palestina, chefiada por Lord Peel, foi criada pelo governo britânico em 1936, na sequência da erupção da Grande Revolta dos Árabes palestinos, e pediu para propor mudanças no estatuto da Palestina. Em 1937, a Comissão recomendou a divisão do país entre árabes e judeus. Ben-Gurion aceitou relutantemente o plano; mas – como Dayan claramente implica – fez isso por razões táticas, com a expectativa de que a colonização sionista pudesse continuar em toda a Palestina.

3. Ha’aretz, 18.2.73. As palavras entre parênteses aqui e nas citações subsequentes são acrescentadas por mim.

4. Begin foi fundador do partido Ḥerut (‘Freedom’), a encarnação direta pós-1948 do movimento sionista ‘Revisionista’ fundado por Jabotinsky. Ḥerut combinado com partidos menores em 1973 para formar o Likkud (‘Consolidação’). Após a demissão do Begin, o Likkud foi liderado por Shamir, Netanyahu e Sharon. Em 2005, Sharon separou-se do Likkud para formar um novo partido. O nome do partido liberal Qadimah – que significa em hebraico tanto “forward” como “eastward” – era uma homenagem a Jabotinsky, que tinha fundado em 1904 uma editora sionista com esse nome. A mesma palavra hebraica foi também inscrita na insígnia de uma unidade de voluntários judeus – criada após muita pressão de Jabotinsky – no exército britânico durante a Primeira Guerra Mundial.

5. Artigo no jornal Histadrut Davar, 2 de Maio de 1952.

6. Reportagem de The Harlot from the Cities Overseas and We – Thoughts on the Eve of [Jewish] New Year 5712, Ha’aretz, 30 de Setembro de 1951.

7. Mensagem para as forças de Israel em Sharm al-Sheikh, 6 de Novembro de 1956, citada em Davar, 7 de Novembro. Surpreendentemente, Ben-Gurion não tinha consciência das conotações sinistras do termo “Terceiro Reino”.

8. Ver Yedi’ot Aḥaronot, 23 de Dezembro de 2005. Shimon Peres deu uma sugestão sobre este acordo num artigo intitulado This war has taught us that Israel must revise its military approach publicado no The Guardian no dia 4 de Setembro de 2006: ‘Cinquenta anos atrás tive o privilégio de introduzir novos sistemas de armamento nas Forças de Defesa de Israel que proporcionaram a Israel uma poderosa ferramenta intimidadora que ainda é válida’.

9. Da mesma forma, o termo “fascismo” é frequentemente mal utilizado como um rótulo generalizado para qualquer regime autoritário de direita.

10. De acordo com a expressão clássica: Definitio fit per genus proximum et differentiam specificam.

11. “O modo de produção da vida material condiciona o processo geral da vida social, política e intelectual”. (Karl Marx, Prefácio à Crítica da Economia Política)

12. Este ponto é defendido vigorosamente por G.E.M. de Ste. Croix, The Class Struggle in the Ancient Greek World, Cornell University Press, 1981.

13. Ver, por exemplo, Nur Masalha, Expulsion of Palestinians: The Concept of ‘Transfer’ in Zionist Political Thought, 1882-1948, Institute for Palestine Studies, Washington, 1992; Ilan Pappé, The Ethnic Cleansing of Palestine, Oneworld, 2006.


14. O sionismo ‘trabalhista’ dominou o movimento sionista desde o início dos anos 30 e liderou todos os governos de Israel até 1977.

15. No final desse período, mais de 100.000 (possivelmente o dobro) trabalhadores da Cisjordânia e da Faixa de Gaza estavam empregados dentro da Green Line, na sua maioria em empregos subalternos e mal remunerados. Ver Emmanuel Farjoun, Palestinian workers in Israel: A reserve army of labour: em Jon Rothschild (ed.), Forbidden Agendas, Al Saqi Books, 1984. Desde o aparecimento do primeiro intifaḍa (final de 1987), estes trabalhadores foram amplamente substituídos por trabalhadores migrantes de países muito distantes.

De acordo com estimativas de Kav La’oved (Worker’s Hotline), o número de palestinos da Cisjordânia atualmente empregados por israelenses na própria Cisjordânia (incluindo Jerusalém) é de 20.000: a maioria deles em parques industriais, o maior dos quais é Barkan, perto de Ariel. Houve também até 10.000 empregados na construção de acordo com a procura, dentro dos colonos (principalmente os urbanos) mas também em estradas e mesmo na construção do conhecido muro de segregação. Estes números são muito pequenos em proporção ao total da força de trabalho palestina, para não falar da força de trabalho de Israel.

16. Para um excelente estudo de caso que abre os olhos, envolvendo a exploração de mulheres judias ultraortodoxas, ver Gadi Algazi, Matrix in Bil‘in – Capital, settlements and civil resistance to the separation fence, or: A story of colonial capitalism in present-day Israel.

17. Yosef Weitz, Solution to the refugee problem: The State of Israel with a small Arab minority, o jornal Histadrut Davar, 29 de Setembro, 1967.

18. Para consultar sobre um cenário detalhado e assustador deste tipo, ver Sharon’s plan is to drive Palestinians across the Jordan, pelo historiador militar israelense Martin van Creveld, The Sunday Telegraph, 28 de Abril de 2002.

19. Prefiro adotar o segundo termo, pois evita qualquer conotação religiosa e concentra-se no atributo mais importante deste grupo: a sua língua.

20. É possível que os judeus do Leste Europeu antes do genocídio nazi possuíssem estes aspectos em grande medida, e constituíam algo como uma comunidade nacional.

21. O que é que elas constituem então? Esta é uma questão notoriamente complexa, na qual não posso e não necessito entrar aqui em qualquer profundidade. Deixem-me apenas fazer duas observações bastante simples. Primeiro, o termo “judeu” tem vários significados diferentes, embora parcialmente sobrepostos. Segundo, embora a diáspora judaica não possa ser reduzida analiticamente ao judaísmo (a religião judaica), o último é, empiricamente falando, um constituinte vital do primeiro, no seguinte sentido. Sem judaísmo, o judaísmo dissipa-se de alguma forma após algumas gerações: fora de Israel seria difícil encontrar uma pessoa que se identifique ou seja considerada por outros como judia, mas que não pratique judaísmo e não tenha nenhum pai ou avô que tenha praticado judaísmo. Entre os hebreus, por outro lado, encontrará muitos ateus de terceira geração.

22. Como alguém – não me consigo lembrar quem – observou: um sionista não tem de acreditar que Deus existe; mas tem de acreditar que Ele prometeu a Palestina aos judeus.

23. Esta característica excepcional do conflito em curso é mencionada por Nira Yuval-Davis na sua Conclusion a Ephraim Nimni (ed.), The Challenge of Post-Zionism, Zed Books, 2003, pp. 182-196.

24. É discutível que sejam ainda mais fortalecidos graças ao Princípio de Subsídio da UE.

25. A “desocupação” de Israel da Faixa de Gaza em 2005 não pôs fim à sua ocupação militar, mas apenas mudou a sua forma – sobretudo para pior.

+ As pessoas que ajudam a sustentar Outras Palavras recebem 25% de desconto em qualquer livro da Editora Elefante

26. Alguns defensores de um “acordo de dois Estados” argumentam que até mesmo esta fachada é preferível à continuação da ocupação militar contínua. Argumentam que é um mal menor; e que existem situações de extrema pressão em que um mal menor deve ser aceito. Mas o que é imposto sob pressão deve ser recebido com protesto – não abraçado, defendido e recomendado como se fosse o maior bem ou uma verdadeira solução.

*Gercyane Mylena -- Estudante de Ciências Sociais na Universidade Federal de São Paulo.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OUTROS QUINHENTOS

Sem comentários:

DESTAQUE

Chega "esconde" propósitos fascistas do seu programa

Chega "eclipsa" destruição da escola pública e do SNS do seu programa Quase dois anos depois de Ventura ter anunciado a "cl...

Mais lidas da semana