quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Quem é a Lone Star Funds. Os segredos dos abutres que rondam o Novo Banco

PARTILHAR

– "a proposta do potencial investidor Lone Star (...) apresenta condicionantes, nomeadamente um potencial impacto nas contas públicas", diz o comunicado do Banco de Portugal

Ambos os fundos que parecem estar à frente da corrida ao Novo Banco – a Lone Star e a Apollo – nasceram no rescaldo da crise que levou à falência quase metade das associações de poupança e empréstimo, uma espécie de instituições financeiras mutualistas, entre a segunda metade dos anos 80 e o início da década de 90.

A Lone Star Funds foi criada entre 1995 e 1996, mas o seu fundador e presidente, John Grayken, já vinha acumulando fortuna através da compra de "activos tóxicos" à banca – no essencial, crédito à habitação de cobrança difícil –, vendendo posteriormente com lucros na ordem das centenas de milhões de euros.

Quando o sector imobiliário voltou a estar em alta nos EUA, a Lone Star virou-se para o Japão, em 1998, e depois para a Europa. O termo flipping é regularmente usado para descrever a estratégia destes fundos: comprar barato para, ao fim de poucos anos, vender com lucro. Mas como é possível comprar activos desvalorizados e transformá-los numa "galinha dos ovos de ouro" num espaço de dois ou três anos?

Quando se trata de crédito à habitação, a prática da Lone Star é simples: se o devedor não paga, executa a hipoteca e vende o imóvel o mais rápido possível. Os lucros são conseguidos à custa de despejos massivos, seja na baixa de Nova Iorque, no Japão, na Coreia do Sul ou no Leste da Alemanha.

Lone Star Funds: comprar barato, vender caro e depressa 

Se a sua especialidade começou por ser o imobiliário, a crise asiática do final do século XX proporcionou novos negócios, entrando no sector financeiro. Em 2003 adquire uma participação maioritária num banco coreano, que tenta vender passados três anos com um lucro superior a 4,5 mil milhões de dólares, 250% do valor pago.

Suspeitas de manipulação bolsista abortaram o negócio, levaram à prisão do representante da Lone Star na Coreia do Sul e de um funcionário que desviou 11 milhões de dólares para o fundo norte-americano. Mas a venda acabou por se concretizar em 2012, com um lucro de 3,5 mil milhões de dólares.

Porém, a receita aplicada no banco Korea Exchange Bank (KEB) logo após a compra não deixou boas memórias aos seus trabalhadores, com uma reestruturação agressiva, fusão de unidades e despedimentos. Mas o ritmo não agradava ao "fundo abutre", levando mesmo à substituição do presidente do banco em 2005. 

No Japão, o fundo aproveitou a falência de um banco para criar o Tokyo Star Bank, em 2001, depois de pagar 340 milhões de dólares ao governo nipónico. Depois de seis anos de mais uma "reestruturação agressiva", o banco é vendido. Quando, em 2011, no auge da crise financeira, os novos donos não conseguem sustentar os 2,2 mil milhões de dólares de dívida assumida para comprar o Tokyo Star Bank, a Lone Star recupera o controlo do banco.

Em 2014, o banco japonês é vendido pelo fundo norte-americano – pela segunda vez em menos de uma década – por 510 milhões de dólares a um banco sedeado na Ilha de Taiwan.

Se o cartão de visita da Lone Star na gestão bancária é negro, as práticas fiscais não são melhores. O fundador renunciou mesmo à cidadania norte-americana, passando a ser cidadão irlandês e beneficiando do regime fiscal que permite não pagar impostos, já que detém a participação no fundo norte-americano na Bermuda, um paraíso fiscal.

É esperada nos próximos dias uma decisão da equipa liderada pelo ex-secretário de Estado Sérgio Monteiro, contratado pelo Banco de Portugal para dirigir o processo de venda do Novo Banco, para que seja recomendado um comprador ao Governo, a quem cabe a decisão final. 

04/Janeiro/2017

Ver também: 
  Pagamos a conta, fiquemos com o Banco , por Miguel Tiago

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: