quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Moçambique: MASSACRE DE WIRIYAMU

 
Ver em baixo restante reportagem
 
Um massacre ainda "desconhecido"
 
12 de Dezembro de 2012, 08:44
 
Luís Andrade de Sá, da Agência Lusa
 
Wiriyamu, Moçambique, 12 dez (Lusa) - Passaram 40 anos sobre o massacre de Wiriyamu, cometido por tropas especiais portuguesas sobre civis suspeitos de apoiarem a Frelimo, no centro de Moçambique, mas os contornos da "Operação Marosca" continuam ainda envoltos num certo mistério.
 
"Continua difícil verificar com precisão os acontecimentos de 16 de dezembro de 1972 (...) Isto porque as autoridades portuguesas, quer antes, quer depois do golpe de 25 de abril de 1974, não autorizaram um inquérito independente à Operação Marosca", queixam-se os investigadores portugueses Bruno C. Reis e Pedro A. Oliveira num texto publicado em março deste ano na revista 'Civil Wars' ("Cutting Heads or Winning Hearts: Late Colonial Portuguese Counterinsurgency and the Wiriyamu Massacre of 1972").
 
Apenas um pequeno sinal, quase escondido na berma da estrada nacional 7, à saída de Tete, indica o desvio para Wiriyamu, o local de um dos maiores massacres ocorridos na então província portuguesa e que terá apressado o fim das guerras coloniais que Portugal travava em África.
 
Na aldeia, um monumento com ossadas humanas evoca a tragédia ocorrida em Wiriyamu, Juwau e Chawola, três povoados nas cercanias dos rios Zambeze e Luena, mas o jovem Carrilho, 12 anos, que ali passa de bicicleta, não consegue identificar nem os seus responsáveis nem o que aconteceu.
 
O diretor da escola primária completa de Wiriyamu, Carlos Alciano, 40 anos, garante que o massacre faz parte do programa de ensino dos alunos da sexta e sétima classes e que as visitas ao monumento são frequentes.
 
"Eles têm que conhecer quando surgiu o massacre, quem o fez, quantas pessoas morreram", diz, mas o número de vítimas varia: "400", segundo os padres de Burgos, os primeiros a denunciaram o massacre, "cerca de 200", de acordo com o médico Rodrigues dos Santos, que visitou o local pouco depois dos acontecimentos, "63" ou "98", assumidas por autoridades portuguesas, segundo diversas fontes, ou os "450" evocados na base do monumento em Wiriyamu.
 
Independentemente do número de mortes, a "Operação Marosca" resultou num massacre, "a ocorrência de crimes e, por vezes, extremamente cruéis, execuções de civis desarmados, em grande número", asseguram os dois investigadores portugueses.
 
Bruno Reis e Pedro Oliveira defendem, no entanto, que, se se pode dizer que se tratou de "matança indiscriminada", já que ninguém foi poupado, também se pode afirmar o seu contrário, no sentido de que "a operação tinha como alvo o que era visto como bases da Frelimo disfarçadas de aldeias civis" e que os militares portugueses se baseavam em informações aparentemente falsas da PIDE/DGS.
 
"Isto, de nenhuma forma, reduz a criminalidade destas mortes mas, simplesmente, alarga a responsabilidade para lá dos soldados individuais e seus comandantes", escrevem.
 
À operação estão associados o então comandante militar de Moçambique, Kaúlza de Arriaga, e o seu conceito de luta anti-guerrilha, envolvendo fortes meios aéreos e tropas especiais, e o agente da PIDE/DGS Chico Kachavi, um moçambicano temido pelos seus conterrâneos.
 
"Ele é que comandava nesse dia, e não queria saber se este era africano. O coração dele era europeu", recorda Vinte Pacanet Gandar, 63 anos, sobrevivente do massacre, e que diz que o agente da PIDE/DGS foi mais tarde morto por elementos da Frelimo.
 
LAS // HB
 
Principais datas relacionadas com massacre
 
12 de Dezembro de 2012, 08:44
 
Maputo, 12 dez (Lusa) -- Há 40 anos, tropas especiais portuguesas entraram em três aldeias no centro de Moçambique e mataram centenas de pessoas no que foi conhecido como o massacre de Wiriyamu.
 
A violência indignou o mundo, isolou Portugal e contribuiu para o agravar das divergências nas Forças Armadas portuguesas, que conduziriam ao 25 de Abril de 1974, e também para o reforço da Frelimo que, menos de dois anos depois, proclamou a independência de Moçambique.
 
Cronologia das principais datas:
 
1962

25 set - Frelimo inicia luta armada contra colonialismo português, no norte de Moçambique.
 
1968

08 mar -- Frelimo abre frente de Tete, no centro.
 
1970

01 jul/06 ago -- "Operação Nó Górdio", dirigida por Kaúlza de Arriaga, no norte de Moçambique, contra a Frelimo
 
1972

18 nov -- Grande ofensiva da Frelimo em Cabo Delgado, Niassa e Tete

14 dez -- Um avião civil que sobrevoa Wiriyamu é alvejado. No mesmo dia, a PIDE/DGS envia uma equipa ao terreno para obter informações sobre o caso.

15 dez - Seis militares portugueses são mortos numa emboscada, enquanto batiam a zona.

16 dez - Assassínio de cerca de 400 pessoas nas povoações de Chawola, Juwau e Wiriyamu, a cerca de 25 quilómetros da cidade de Tete
 
1973

06 jan -- Representante da Cruz Vermelha e médico do hospital de Tete visitam o local do massacre.

Jun - Denúncia dos missionários espanhóis, a quem tinham sido passadas as primeiras informações, enviada à Amnistia Internacional em Londres

07 jul -- Notícia do massacre na capa do 'The Times', de Londres

15 jul - Manifestação em Londres contra a política africana do Governo português, pedindo a anulação da visita do presidente do Conselho português, Marcelo Caetano.

16 jul -- Marcelo Caetano inicia visita a Londres, por ocasião dos 600 anos da aliança anglo-portuguesa, no meio de fortes protestos.

01 ago - Kaúlza de Arriaga abandona o cargo de Comandante-Chefe das Forças Armadas de Moçambique.

21 ago -- Comunicado do Ministério da Defesa de Portugal que admite que "alguns elementos das Forças Armadas, em destacamento, ignorando ordens, cometeram atos repreensíveis na região de Tete".
 
1974

07 set -- Portugal e Frelimo concordam na independência de Moçambique, marcada para 25 de junho de 1975.

22 nov -- Relatório da comissão de inquérito da ONU aos noticiados massacres em Moçambique: "A comissão dá-se por completamente satisfeita com as provas de que, a 16 de dezembro de 1972, tropas portuguesas dirigidas por agentes da DGS cercaram as aldeias de Chawola, João e Wiriyamu, entraram nas aldeias, mataram qualquer pessoa à vista e, na operação, destruíram as aldeias (...). Estima-se que o número de vítimas seja superior a 400 nas três aldeias".
 
LAS // HB
 
O massacre de Wiriyamu segundo o sobrevivente Vinte Pacanet Gandar - reportagem
 
12 de Dezembro de 2012, 08:44
 
Luís Andrade de Sá, da Agência Lusa
 
Wiriyamu, Moçambique, 12 dez (Lusa) - Não é por terem passado 40 anos que parece que as coisas mudaram em Wiriyamu: não há eletricidade nem água e a cidade de Tete, a 30 quilómetros, ligada por uma picada de terra batida, continua insuportavelmente distante.
 
"E fome existe, também", acrescenta Vinte Pacanet Gandar, 63 anos, camponês de Wiriyamu. E, para que não restem dúvidas, repete: "E fome".
 
A quase permanente seca na região, no centro de Moçambique, afeta a produção de mapira e amendoim, que todos cultivam para consumo próprio, e o pouco dinheiro, as raras moedas que usam para comprarem óleo ou sementes, obtêm-se com a venda de carvão na cidade.
 
Luís Wiriyamu, 27 anos, neto do homem que deu o nome à aldeia, vive de apanhar lenha que, depois, transforma em carvão e vende na berma na estrada -- "Não há mais nada para fazer aqui", queixa-se.
 
A escola primária, um painel solar numa pequena venda e os camiões de uma mineira australiana, a caminho de mais um projeto nas imediações, destacam-se na paisagem de casas de paredes de barro e telhados de colmo, em veredas de terra batida, por entre embondeiros e mato cerrado, por onde meninas carregam à cabeça feixes de lenha que vão alimentar o fogo com que mulheres cozinham o almoço.
 
Vinte Pacanet Gandar, que se expressa num português desenvolto, foi um dos sobreviventes do massacre de Wiriyamu perpetrado naquela aldeia por tropas portuguesas, no dia 16 de dezembro de 1972, que vitimou centenas de pessoas e, segundo historiadores, mudou o rumo da guerra colonial.
 
A sua condição de sobrevivente granjeou-lhe fama, mas também a construção de uma narrativa, quase de um fôlego, do massacre cometido por tropas especiais portuguesas.
 
"Surpresamente, apareceram cinco helicópteros e dois jatos que começaram a bombardear lá fora, e, então, aterraram na aldeia para os soldados saírem", conta Vinte, que tinha, então, 23 anos.
 
A "Operação Marosca" tivera como motivos próximos a morte, dois dias antes, de seis militares em Tete, e disparos, na zona, contra um avião civil, sinais para as chefias militares de que a Frelimo atuava no centro da colónia, com o apoio da população.
 
"Cercaram a nossa aldeia. Começaram a queimar o quê? As casas. Levaram as pessoas para acumular lá fora. E começaram a perguntar: 'Vocês aí, não conhecem os turras? E nós falávamos: 'Não, não conhecemos'", prossegue o camponês.
 
As sucessivas lideranças militares portuguesas em Moçambique tinham encarado de forma diferente o "problema" da Frelimo e a guerra de libertação iniciada em 1962, e, no início, apenas circunscrita ao norte do país.
 
Comandante militar desde 1969, Kaúlza de Arriaga inova relativamente aos seus antecessores, ao usar intensivamente meios aéreos e tropas especiais, o que fragiliza a Frelimo no norte, obrigando-a a deslocar-se para o centro, onde intensifica essa frente de guerra e se ataca, até, colonos portugueses.
 
"Mas eles disseram: 'Não, não, aqui há turras e vocês estão a tirar comida para dar aos turras para os turras vir matar a nós, lá na estrada. Por isso, vocês, hoje, não vão viver nada, vão ser mortos aqui'", continua Vinte, dando a voz aos militares portugueses.
 
A zona de Wiriyamu estava a ser batida desde o dia 14 por aviões militares e agentes da PIDE/DGS, que procuravam uma base da Frelimo com cerca de 300 guerrilheiros.
 
Depois, tropas especiais entram em Wiriyamu, Juwau e Chawola, todas aldeias na mesma zona, e, a 16 de dezembro, recolhem aos quartéis, deixando um rasto de destruição, hoje evocada num monumento que guarda caveiras e ossadas de alguns dos "mais de 450 mortos".
 
Vinte safou-se, correndo para o mato e evitando os tiros que disparavam contra ele, mas a sua família foi quase toda dizimada: "Quem morreu? O meu pai, chamado Guspiga, meu avô, Jemusse, Mabalata, Manyate ... são muitos ... Tuma, Capitone... são muitos".
 
Alguns feridos abrigam-se no hospital de Tete e denunciam o massacre a missionários espanhóis. No início de 1973, a Cruz Vermelha e um médico português visitam o local, em junho do mesmo ano, o escândalo chega à imprensa internacional, e Portugal, que, até aí, tinha negado os acontecimentos, acabará por admitir "excessos" das suas tropas.
 
Dois anos depois de a notícia ser capa do 'Times', de Londres, Moçambique torna-se independente e, 40 após o massacre, só por distração alguém pode achar que continua tudo igual em Wiriyamu.
 
"Antigamente, não tínhamos escola. As pessoas que têm idade como a minha não falam português, aqui, mas, hoje, as nossas crianças estão a estudar e, quando acabarem, vão fazer bom trabalho", prevê Vinte Pacanet Gandar, o camponês de Wiriyamu que sobreviveu ao massacre.
 
LAS // HB
 
Restantes vídeos:
 
*Reportagem de Felícia Cabrita – Paulo Camacho


Sem comentários: