terça-feira, 14 de outubro de 2014

São Tomé e Príncipe - Eleições: PROCESSO FOI LIVRE E TRANSPARENTE - CPLP




São Tomé, 14 out (Lusa) - A missão de observação da CPLP às eleições em São Tomé e Príncipe considerou hoje que o processo foi "livre e transparente" e que a compra de votos, conhecida como "banho", não terá influenciado os resultados.

Em conferência de imprensa na capital são-tomense, o chefe da missão de observadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Luís Fonseca, referiu que o processo, que era "relativamente complexo" por se realizarem em simultâneo legislativas, autárquicas e regional, decorreu com "grande tranquilidade".

"As eleições foram livres, transparentes e contribuíram para o reforço do processo democrático", disse o embaixador cabo-verdiano.

Sobre a compra de votos, Luís Fonseca referiu que "não é um fenómeno recente" e "tem a ver com o desenvolvimento económico e social do país, existem pessoas muito pobres" e os "agentes políticos tentam influenciar a sua consciência com a compra de voto".

No entanto, o também ex-secretário-executivo da CPLP considerou que "existe uma utilização quase generalizada deste expediente" e o facto de ser usado por várias forças políticas "acabará por neutralizar o seu efeito".

"Temos a registar com satisfação que as autoridades puseram em marcha medidas, iniciativas para reduzir o impacto deste fenómeno, de o combater, com campanhas de informação que terão tido os seus efeitos positivos", disse Luís Fonseca.

O embaixador referiu ainda que a missão registou alguns incidentes como a abertura tardia de assembleias de voto, alguma desorganização na forma como as pessoas eram atendidas ou urnas que não estavam devidamente seladas.

"Estes pequenos incidentes resultam de deficiente preparação, não foram levados a cabo deliberadamente para influenciar o resultado das eleições", disse.

Luís Fonseca referiu ainda o boicote em três localidades, onde as pessoas reivindicaram melhores condições de vida, mas que "não têm um peso grande no cômputo geral dos resultados".

A missão da CPLP foi composta por 21 observadores. Integram a organização Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

De acordo com os resultados provisórios divulgados na segunda-feira pela Comissão Eleitoral Nacional (CEN) são-tomenses, a Ação Democrática Independente (ADI), liderada por Patrice Trovoada, venceu as eleições legislativas de domingo, conseguindo 33 dos 55 assentos no parlamento, sendo a primeira vez que um partido consegue a maioria absoluta.

O Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social-Democrata (MLSTP-PSD) conseguiu 16 lugares, o Partido da Convergência Democrática (PCD) cinco e a União para Democracia e Desenvolvimento (UDD), do atual primeiro-ministro, Gabriel Costa, conquistou pela primeira vez um lugar na Assembleia Nacional são-tomense.

A ADI venceu as legislativas de 2010, mas foi afastada do poder dois anos depois através de uma moção de censura aprovada por toda a oposição.

VM/MYB // APN - Lusa

Sem comentários: