quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Portugal | Televisão rasca, Berardo e Goucha no “palácio”


A seguir um artigo de opinião no JN, devidamente identificado. Tão identificado como a estação de televisão em referência, que é “rasca”, no dito de tantos portugueses. As vedetas em causa são Goucha e Joe Berardo, assim como o calote à Caixa Geral de Depósitos e a impunidade que levou milhares de milhões de euros a saírem dos bolsos dos portugueses para benefício de uns quantos senhores “da alta”, entre os quais o “acima de qualquer suspeita” Berardo. E Goucha no lugar de “partner” a fazer o que mais gosta e por onde começou (com valor): Corista, a dar cor e luz à vista. Encandeante. (PG)

No reino de Joe Berardo

Pedro Ivo de Carvalho | Jornal de Notícias | opinião

O cenário é a Quinta da Bacalhoa - o "palácio", como tão pomposamente a qualifica Manuel Luís Goucha. Joe Berardo recebe o apresentador à porta, com o aprumo habitual.

Calça e casaco pretos e um cachecol vermelho de grife a afagar-lhe o pescoço. Passara uma semana da divulgação da auditoria à Caixa Geral de Depósitos (CGD). Abrir parêntesis: o empresário madeirense é um dos principais responsáveis pelo gigantesco buraco nas contas do banco público, entretanto tapado pelos contribuintes através de uma recapitalização que nos custou cerca de quatro mil milhões de euros. Fechar parêntesis.

Goucha cai nos braços do comendador. "Porque é que decidiu comprar este palácio? Para se sentir rei?" Berardo incha de orgulho: "Eu já nasci rei". E vai por ali fora, num misto de autoglorificação e soberba. O auditório matinal da TVI fica não apenas informado do talento natural de Berardo para os negócios, como ainda recebe lições de história de arte a propósito de alguns quadros com que o colecionador forra as paredes interiores do "palácio". E o calote na CGD? Nem uma pergunta. Nem uma resposta. Os telespectadores da manhã iam certamente aborrecer-se.

Vejamos: Manuel Luís Goucha pode levar quem muito bem entender ao seu programa (vide a presença de Mário Machado). Não lhe é exigido que faça jornalismo. Ainda que o bom senso aconselhasse outro cuidado. Mas com Berardo é diferente. Ao homem que se recusa há anos a demolir uma casa de banho de luxo, desrespeitando várias ordens judiciais, tudo parece ser permitido. Brincou aos casinos com os quase 300 milhões de euros que a CGD lhe emprestou, numa guerra de poder pelo controlo do BCP, e não lhe aconteceu nada. E agora, que o quadro negro nos foi mostrado em toda a plenitude, ainda tem a desfaçatez de se pavonear a galope pelos montes da impunidade, fazendo dos papalvos que lhe cobriram os dislates financeiros os involuntários bobos da corte. Só uma República que não se dá ao respeito é capaz de tolerar um rei que não respeita ninguém.

*Diretor-adjunto

Imagem: Retirada de vídeo da TVI

Sem comentários: