sábado, 11 de junho de 2011

RAPIDINHAS DO MARTINHO – 21




MARTINHO JÚNIOR

CONSTRUINDO A EMERGÊNCIA

A emergência não se destaca apenas pelas capacidades em expansão dos países que compõem os BRICS; a emergência implica a paciente construção de articulações estruturantes alternativas às dos países do norte, que garantem inter relacionamentos geo estratégicos transoceânicos para o fluxo de mercadorias em grande tonelagem entre os BRICS, ou entre as regiões em que eles se integram, facilitando trocas comerciais e a circulação de pessoas, de bens e de equipamentos.

No início de Junho corrente, o ex-Presidente Lula da Silva esteve de visita a Cuba onde fez uma avaliação das obras do novo porto de águas profundas de Mariel, uma localidade situada a cerca de 50 km a oeste de Havana.

Em Fevereiro de 2010, quando duma das visitas oficiais de Lula enquanto Presidente a Cuba, deu-se arranque ao projecto, que agora vai ganhando forma, entrando as obras em velocidade de cruzeiro.

O novo porto de Mariel é um dos pontos duma articulação em construção que traz o sinal dos relacionamentos sul – sul, substancialmente nos relacionamentos da América Latina com o Extremo Oriente, entre a China e o Brasil.

Segundo um artigo em Cubadebate (http://pt.cubadebate.cu/noticias/2011/06/01/lula-visita-em-cuba-obras-de-porto-financiadas-pelo-brasil/), “o Brasil financiou 300 milhões de dólares – dos 600 milhões previstos – para a construção de uma estrada e uma ferrovia entre Mariel e Havana, além de dragagem do porto, construção de diques, armazéns e outras obras, todas a cargo de uma empresa brasileira.

Mariel substituirá comercialmente o porto de Havana como o principal do país, devido a maior profundidade de sua costa e melhor localização para operações com grandes navios”.

Cuba com o porto de águas profundas de Mariel vai-se tornar, em pleno Golfo do México e já durante a 2ª década do século XXI, num importante entreposto disponível para as rotas transoceânicas entre os países do Pacífico, com a China e o Japão à cabeça e os países com regiões costeiras no Atlântico, sobretudo os países da América Latina, com o Brasil à cabeça.

Ao porto de Mariel chegarão os maiores porta contentores transoceânicos, que utilizarão o canal do Panamá na ligação Pacífico – Atlântico e vice versa e dele, enquanto entreposto de longo curso, partirão as cabotagens para todo o Atlântico.

O porto de Mariel será, imediatamente a leste do canal do Panamá, o maior entreposto transoceânico.

Essa rota é alternativa àquela mais longa que saindo do Pacífico deriva para oeste atravessando o Índico e alcançando o Atlântico por via do canal do Suez – Mar Mediterrâneo, ou por via do Cabo da Boa Esperança, a sul de África.

Com Mariel o Brasil está em condições de melhor expandir os relacionamentos comerciais com o Extremo Oriente, sobretudo com a China, puxando Cuba para as novas articulações estruturantes sul – sul e contribuindo dessa forma para a diminuição do pérfido bloqueio a que Cuba tem sido sujeita há mais de 50 anos.

A ousadia do sul perante o bloqueio é simples: é através de inteligência, conjugação de interesses e obras que é possível, sem gastar uma bala, enfrentar o monstro da hegemonia!

O novo porto de Mariel terá também importância para o crescimento metropolitano da capital de Cuba, que se expandirá na direcção oeste e ao logo da linha de costa desde o velho porto de Havana.

O porto reabre também a expectativa em relação ao velho projecto de construção dum outro canal de ligação Atlântico – Pacífico na Nicarágua, com o concurso internacional de interesses como os da Venezuela, da China e do Brasil.

As articulações dos BRICS, com geo estratégias globais, começam a dar passos mais decisivos, apesar da pressão da hegemonia e das contrariedades que ela se esforça por criar.

Acabar de forma inteligente com o sufoco é a única forma de afirmação possível dos estados que se identificam plenamente com seus povos e com sua vontade solidária de independência e integração.

Martinho Júnior - 9 de Junho de 2011.

2 comentários:

Anónimo disse...

Lula, deixa de SER HIPÓCRITA !!!

Critica o regime militar brasileiro, e fica de conversa com esses DOIS GENOCIDAS !!!

O governo do general Figueiredo foi como UMA MÃE para ti. Até o teu tempo na prisão foi uma moleza. Queria ver se você aguentava OS HORRORES DAS PRISÕES CUBANAS.


Agora Cuba depende das esmolas do Brasil e Venezuela. Sempre dependeu de esmolas. Eita soberania difícil de construir. O que esperar de um país cujo povo usa jornal no lugar de papel higiênico?

Anónimo disse...

BLOQUEIO MENTAL

O comentador acima está mentalmente bloqueado.

Essa coisa de bloqueio não é só para Cuba e o pior bloqueio mesmo é o bloqueio mental.

Genocidas são aqueles que você segue: Bush , Tony Blair, Cameron, Sarkozy...

Deixe de fazer o trabalho de propaganda da CIA e comevce por pôr fim ao seu próprio bloqueio mental!!!