Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 8 de maio de 2016

Pró-democratas pedem demissão de chefe do Governo de Macau por alegada corrupção



A Novo Macau, a maior associação pró-democracia do território, acusa o líder do Governo local de "fraca integridade" e alegada corrupção pela atribuição de um apoio a uma universidade da China continental e pede a sua demissão.

As acusações, que o executivo já rejeitou, constam de uma petição colocada 'online' no sábado à noite e hoje apresentada numa conferência de imprensa pela Associação Novo Macau.

Em causa está a atribuição, através da Fundação Macau, de um apoio de 100 milhões de yuan (13,5 milhões de euros) à Universidade de Jinan.

A associação diz que a aprovação deste apoio foi feita sem conhecimento público e sublinha que o chefe do Governo de Macau, Fernando Chui Sai On, preside ao Conselho de Curadores da Fundação e é, em simultâneo, vice-presidente do Conselho Geral da Universidade de Jinan.

Para a Associação Novo Macau, Chui Sai On está, "sem dúvida, envolvido num conflito de interesses".

A associação apela para a assinatura, até segunda-feira, da petição que pede a demissão do chefe do executivo pela sua "fraca integridade e alegado envolvimento em corrupção" e promete novas ações se não houver resposta por parte do Governo.

Ainda antes de se conhecer o teor da petição da associação, o Governo de Macau emitiu um comunicado sobre esta questão, para esclarecer "rumores e acusações no seio da sociedade".

"O chefe do executivo foi convidado para desempenhar as funções de vice-presidente do Conselho Geral da Universidade de Jinan, não recebendo qualquer remuneração ou interesses, pelo que não existe tráfico de influências, tal como tem sido acusado", lê-se no texto.

Segundo a mesma nota, o apoio atribuído à universidade é para construir um edifício para o ensino na área da comunicação social no campus de Cantão e duas residências para estudantes de Hong Kong e Macau no campus de Panyu.

"Estas são instalações que beneficiam os estudantes locais, por isso, o Governo de Macau espera poder contribuir para o crescimento e o fortalecimento desses jovens, que após conclusão dos cursos, regressam e participam no desenvolvimento da Região Administrativa Especial de Macau", acrescenta.

O Governo diz ainda que Macau "registou um desenvolvimento acelerado" desde 1999, quando a administração do território passou de Portugal para a China, e, "por isso, retribuir à pátria e contribuir para o desenvolvimento e educação do país é de facto um dever de Macau".

O executivo garante, por outro lado, que esta doação não afeta os apoios a instituições do território.

Também a Fundação Macau emitiu um comunicado no qual explica que desde 1999 "tem prestado, de uma forma adequada, apoio financeiro às zonas menos desenvolvidas do interior da China (...) para ajudar a construção das suas infraestruturas, luta contra a miséria e desenvolvimento educativo".

"Por outro lado, a fundação tem mantido uma estreita cooperação com as universidades chinesas de renome" e a Universidade de Jinan já formou cerca de 20.000 alunos de Macau, que beneficiam de uma "política de preferência" e apoio por parte da instituição de ensino, nomeadamente ao nível das propinas e beneficiando de bolsas de estudo.

A fundação garante ainda que "todos os procedimentos sobre a concessão de subsídios da Fundação Macau foram devidamente cumpridos" neste caso.

MP // CSJ - Lusa

Sem comentários: