Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

terça-feira, 21 de junho de 2016

BREXIT E O FUTURO DA UNIÃO EUROPEIA



Roger Rafael Soares, Díli, opinião

Ocorreu no norte de Inglaterra, altura em que decorre a campanha para a realização do Referendo sobre saída ou permanência da Grã-Bretanha na União Europeia, um ato cruel e de barbaridade extrema praticado por dois cidadãos, no qual vitimou mortalmente uma deputada do Parlamento Britânico pertencente ao grupo parlamentar do Partido Trabalhista. É com grande pesar que presto a minha solidariedade à família desta Senhora, a quem não tenho ligação próxima, mas pelos medias, trata-se de uma cidadã que dedicou a sua vida ao serviço dos outros e defensora notável da causa pública e solidária com a situação dos refugiados sírios.

A sua morte transmite-nos que em qualquer lado não há segurança garantida, onde o respeito pela vida não é valorizado por ideologias extremistas e vagas. O mundo está mais frágil em termos de segurança, o terrorismo é organizado e realizado dentro dos Estados, como foi os casos do atentado à discoteca em Orlando que fez 50 mortes e dezenas de feridos e do assassinato de uma cantora cometido por um fã psicopata, ambos realizados nos EUA, a par dos conflitos armados. Esta situação alerta para uma preocupação cada vez mais maior aos cidadãos e decisores políticos em matéria de segurança.

Por outro lado, a morte da deputada acontece durante a discussão de realização do referendo na Grã-Bretanha no próximo dia 23 de julho, sobre a sua saída ou permanência na União Europeia. Este referendo coloca em cima da mesa a incerteza dos efeitos e impacto da saída da Grã-Bretanha da zona euro, quer para a União Europeia, quer para a própria Grã-Bretanha. Ou seja, tudo está em aberto. Mas as consequências desta possível saída, caso venha a se realizar, no mercado laboral são certas em torno do estatuto dos emigrantes - que são cidadãos europeus –, isto é, se continuam com o estatuto atual ou passam a ter visto de trabalho. Assim como, é real o enfraquecimento da União Europeia perante o mundo, caso a Grã-Bretanha saia da União Europeia. Mas o que me preocupa, e espero que se tenha em consideração, é a proteção dos emigrantes trabalhadores. Assim como, a posição da Grã-Bretanha pode tratar-se de uma “janela” de interesse de saída da União Europeia por outros Estados membros.

Neste quadro, e dado os desafios atuais que a União Europeia enfrenta, a permanência da Grã-Bretanha na União Europeia é inquestionável, uma vez que a Grã-Bretanha é um dos Estados membros que detém um enorme peso e influência nas tomadas de decisão das diretivas da União Europeia.


Sem comentários: