domingo, 20 de novembro de 2016

Angola. AS PRODUÇÕES OPEN SOCIETY GEORGE SOROS - por Martinho Júnior




AS PRODUÇÕES OPEN SOCIETY - GEORGE SOROS, PARIRAM MAIS UM WESTERN DUMA ESTAFANTE SAGA DE PACOTILHA AO NÍVEL DUMA TAL SOCIEDADE "INDEPENDENTE" DE COMUNICAÇÃO (UMA "SIC" PRÓDIGA ENTRE OS SICÁRIOS)!


A persistência da manipulação de contraditórios que num país em crescimento tem a pretensão de fazer passar a "mensagem às massas" em estafantes termos que perseguem as filosofias neoliberais preparatórias das "revoluções coloridas", ou das "primaveras árabes", com a mesma sistematização de sempre, com os mesmos métodos psico-sociológicos de sempre, com os mesmos actores de sempre, começa a provocar, até pela caducidade das imagens, o efeito de náusea, ao contrário dos objectivos do realizador, do produtor e do encenador que estão por detrás das cenas!

Assistiu-se a um mau "western", sem imaginação, sem inovação e até os actores principais são, “como não podia deixar de ser”, os mesmos, ou invariavelmente do mesmo tipo, um "western" que Hollywood deixou há muito de produzir, quando surgiu o italianíssimo crítico que dá pelo nome de "O BOM, O MAU E O VILÃO":

Do lado dos BONS, um professor desenraizado, acaba por perder seu papel autêntico quando pretensamente colocado ao lado de incontornáveis "BONS" formatados pelas escolas da Open Society e pagos por um patrão como o National Endowment for Democracy, um professor que é secundarizado no seu papel por que a peça tinha de ter um actor principal, ao nível dum Rafael Marques de Morais, ou dum fugidio Luati Beirão, ou duma tão liberal representante da família Simeão, ou de mais um convulsivo "rap" de expressão contorcionista como o MCK!

Os "BONS" animaram o circo da trilha maniqueísta e a sua presença faz-nos desde logo lembrar que, por detrás das cenas há "cachets independentes" que apontam à bandeira sistemática dos Democratas ao nível de Obama, ou de "Killary" Clinton, que não convenceu o estado-unidense médio dos imensos espaços rurais e das periferias tornadas sucata dos Estados Unidos, cansados do pesadelo em que se tornou o “American Dream”!

Quanto aos MAUS, que se pretende tornar em PÉSSIMOS, é claro que tinham de ser o presidente JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS e sua "horrível" filha a engenheira ISABEL DOS SANTOS, que já era MÁ quando andava pelas Europas em púdicos investimentos e agora, veja-se lá o desaforo, foi nomeada administradora da Sonangol!

Inadmissível para as economias de mercado dum capitalismo neoliberal, haver ou não competências de quem quer que seja com identidade de angolano, pois essas economias são incompatíveis com angolanos desse tipo e padrão, particularmente quando lhes assiste alguma competência técnica e patriótica (pelo menos não são pagos pela Open Society, ou pelo “NED”!

De horror em horror no "western" da pacotilha de George Soros, a tal de Sociedade "Independente" de Comunicação preencheu a hilariante saga do VILÃO, que para ter o selo de autenticidade, aconchegou a presença dum representante do Governo Angolano, que surgido a contra relógio e distraidamente não entendeu os enredos, os ingredientes e as falácias entre os BONS e os MAUS da fita realizada e produzida por George Soros, com dois apresentadores, dispostos à VILANIA!

As velharias do "Western" da Open Society - George Soros, coloca todo o mundo estático, ninguém se mexe, ninguém se tem perturbado com a pobreza e com as misérias do povo angolano, a não ser, claro está, a própria "obrigação" e "independência" dos que preenchem  o campo dos BONS: a benemérita Open Society, uma National Endowment for Democracy cheia de compaixão, um Rafael Marques de Morais preocupadíssimo e sempre "legal" com os pobres e repulsor dos ricos, que vai preenchendo sistematicamente o papel de actor principal das produções, realizações e encenações, bem acompanhado pelos "revús" e liberais de família que preenchem a ocasião!

De tão estático, o Governo Angolano não tem mudado de orientações, decisões e práticas: tudo continua no lixo, tudo continua sem saneamento básico, tudo é desenraizado e precarizado em termos urbanos, habitacionais e humanos, tudo é reduzido ao pó da decrepitude num moinho que não para de triturar, tudo é feito sem o mínimo de prevenção em termos de saúde e as obras dum Higino Carneiro, ou dum Sambo, valem a mesmíssima coisa que as obras dos seus antecessores, pois eles, sem citação, fazem necessariamente parte do “regime”, palavra que tão bem se abre ao grotesco dos MAUS!

Enfim um Governo Angolano já com arteriosclerose, reduzido a Tchavola (a nova designação esquizofrénica de Angola) já completamente "balhecas", à espera que a Open Society, o National Endowment for Democracy e os seniores da espionagem estado-unidense do costume (serviços diplomáticos e Voice of America incluídos) desencadeiem a "revolução colorida", ou uma tal de "primavera" da praxis e da salvação das tumbas!...

Há cada vez mais decadência depois da trilha estafada do italianíssimo O BOM, O MAU E O VILÃO: insistir no mesmo tipo produção, realização e encenação, insistir sempre nos mesmos BONS e nos mesmos MAUS é já uma defraudada masturbação pornográfica mental, própria dum VILÃO como a "SIC"!...

... Se até os neoconservadores dissecaram essa trilha nas últimas eleições estado-unidenses, nada impede que os angolanos desnudem o rei (ou a raínha) dos preconceitos sistematizados de democratas que radicalizaram a trilha dos “western” deste tipo de formatação, ao ponto de terem desencadeado a “coboiada” do caos e do terrorismo como na Líbia ou na Síria, à maneira dos BONS ofícios dum tão democrata e bem-falante Obama ou duma tão inteligente fundamentalista neoliberal "Killary"!


Foto: um mercenário num efémero banco dos réus, que durou tão pouco para o tão desejado, mas jamais alcançado, “protagonismo histórico” que está a virar circo!

Sem comentários: