segunda-feira, 10 de abril de 2017

SÍRIA, DO ATAQUE AÉREO QUÍMICO À RETALIAÇÃO NORTE-AMERICANA: BREVE ANÁLISE

PARTILHAR



O presidente norte-americano Donald Trump considerou o eventual ataque químico na Síria como a “linha vermelha” para “acolher”, sem possíveis e imediatas retaliações, o que se pass(ava)ou no país deBashar al-Assad.

Recorde-se que há cerca de 4 dias ocorreu um eventual ataque aéreo, à localidade síria de Khan Sheikhoun (Idlib), controlada pelos rebeldes sírios, com produtos químicos (especulou-se, eventualmente, gás sarin???!!!), tendo provocado várias largas dezenas de vítimas, entre feridas e mortas, entre elas, crianças.

Como se sabe, Trump terá dado ordens à marinha norte-americana para atacar, ontem, uma base aérea de Al-Shaayrate, (em Homs, norte da Síria)de onde, supostamente, teriam partido os ataques com armas químicas, bombardeando-a com misseis, de médio-longo alcance e grande precisão, Tomahawk.

Pelas imagens logo se verificou que se a ideia era torná-la inoperacional, saltavam à vista a presença de 3 ou 4 aviões de caças Sukhoi (pelo menos pareciam) intactos. O comunicado russo, lido por um porta-vos oficial,  disso deu logo a entender, ainda que admita terem sido destruídos alguns aparelhos, além de contestar o ataque como sendo perigoso, como apresença de um navio russo nos limites dos barcos norte-americano o comprovam, o governo russo acrescentou que o ataque. além de um"pretexto" para "agredir" a Síria, foi, também ele, uma violação do Direito Internacional (recorde-se que o ataque norte-americano ocorreu sem a chancela da ONU, dado que o Conselho de Segurança da ONU ainda está a negociar os termos da condenação do ataque químico).

Por isso não surpreende esta notícia, de hoje, que «Dois aviões militares descolaram da base aérea síria atacada pelos Estados Unidos esta manhã e realizaram bombardeamentos nas proximidades» em ataques a zonas controladas pelo Estado Islâmico/DAESH, conforme terá confirmado o director do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahmane, que terá sabido precisar se os aviões seriam sírios ou russos.

Acresce que o ataque foi precedido de um aviso prévio norte-americano aos russos. Se a base atacada fosse importante, por certo que estes teriam impedido o ataque, ou mandado retirar todo o material importante. E não o fizeram. Daí que...

Daí creio se poder inferir duas coisas:

1. Trump aproveitou esta oportunidade para dar recados internamente, do tipo, se necessário tomo iniciativas que vos faça ponderar as vossas atitudes anti-administração, bem como um sério aviso, das suas ideias belígeras, ao Irão e à Coreia do Norte!

2. A outra, e esta é meramente conspirativa, a partir de alguns comentários que se vai v(l)endo nas páginas sociais, e que não deixam de ter o seu quê de eventual razão, prende-se com a necessidade dos “aliados” dos rebeldes sírios afastar possíveis interpretações que teriam sido aqueles a dar material químico aos rebeldes (agora falta saber quais os aliados, sendo que um deles foi muito pronto, ainda antes de haver qualquer notícia comprovativa do possível ataque, a denunciar este, a Turquia; e colocando a Rússia no papel de apoiante; bem como sendo a única que foi pronta a identificar o já citado possível agente químico utilizado...).

Nota complementar: Digo eventual ataque aéreo químico, porque há duas versões: uma, inicialmente, dita por pessoas não afectas às partes que o produto químico não teria sido devido a um ataque aéreo, mas devido à explosão de um armazém, facto posteriormente confirmado, posteriormente, pelos russos ao reconhecerem que teriam atacado um armazém rebelde não sabendo que estes tinham produtos químicos armazenados; e outra, a versão dos rebeldes e bem aceite pelos que o apoiam, que teria sido um ataque aéreo da força aérea de al-Assad; ainda que análises independentes questionem a oportunidade desta versão.

Até agora, nenhuma fonte independente atestou qual das duas versões é a mais correcta.

Conhecendo as ideias e atitudes de ambos os lados, em actividades bélicas anteriores, não me admiraria que ambas as probabilidades pudessem ter alguma base de razão…

A aumentar as dúvidas, o recente artigo do portal russo Sputnik que recorda um antigo artigo do jornal britânico Daily Mail, datado de 29 de janeiro de 2013, e que entretanto já o removeu do seu portal, intitulado de “EUA apoiam plano para realizar ataque químico na Síria e culpar o regime de [Bashar] Assad”. Russos, mesmo que “apoiantes ou simpatizantes” de Trump, não perdoam uma oportunidade de afrontar políticas norte-americanas. É o actual e arriscado populismo versuspopulismo que se não for travado pode colocar a população mundial numa perigosa espiral bélica…

(imagem de © UOL Notícias)

ELCAlmeida , Ph.D (DSSc - Investigador/Researcher/Pós-Doutorando

**Eugénio Costa Almeida – Pululu - Página de um lusofónico angolano-português, licenciado e mestre em Relações Internacionais e Doutorado em Ciências Sociais - ramo Relações Internacionais - nele poderão aceder a ensaios académicos e artigos de opinião, relacionados com a actividade académica, social e associativa.

PARTILHAR

Author: verified_user

1 comentários:

urantiapt disse...

https://artedeomissao.wordpress.com/2017/04/07/donald-trump-afirma-a-sua-autoridade-sobre-seus-aliados/