Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

terça-feira, 25 de julho de 2017

POLÍCIA JUDICIÁRIA | Triplicaram os inquéritos abertos por fogo posto




A Polícia Judiciária abriu este ano 683 inquéritos por suspeitas de fogo posto, mais do triplo dos 207 iniciados no mesmo período de 2016.

O balanço é feito à TSF por Rui Almeida, diretor da PJ do Centro, que admite que entre estes incêndios está, por exemplo, o da semana passada em Alijó que surgiu de madrugada e o de Pedrógão Grande que matou 64 pessoas.

Sem se alongar muito sobre o caso de Pedrógão que está em segredo de justiça, Rui Almeida explica que apesar de no início a PJ ter identificado um raio como a origem do incêndio, todas as hipóteses estão em aberto e o caso continua a ser investigado.

O responsável acrescente que a tragédia de Pedrógão Grande teria sempre de ser investigada pela Judiciária, mesmo sem sinais de fogo posto, devido à dimensão e vítimas, apesar de por norma esta polícia só investigar casos onde existe suspeita de fogo com origem intencional.

O responsável da PJ sublinha que o enorme aumento de inquéritos abertos em 2017 se deve naturalmente a mais casos suspeitos, mas também ao maior número de incêndios que "exponenciam as situações de fogo posto".

Dos 683 processos abertos este ano, a diretoria do Centro da PJ é a que tem mais em curso (173), seguida de Braga (105), Vila Real (80), a diretoria do Norte (61), a diretoria de Lisboa (60) e Leiria (45).

Destes inquéritos já resultaram 37 detenções de suspeitos com 15 a ficarem em prisão preventiva e dois em prisão domiciliária.

Quanto ao caso de Alijó que na semana passada deu muito trabalho aos bombeiros, Rui Almeida confirma que é um dos que está em investigação, nomeadamente por ter surgido de madrugada o que aumenta mais as suspeitas de "intervenção humana", apesar das investigações ainda estarem numa fase inicial.

Nuno Guedes | TSF |  Foto: EPA/Paulo Cunha

Sem comentários: