quarta-feira, 8 de junho de 2016

FMI ADMITE QUE O NEOLIBERALISMO É UM FRACASSO

PARTILHAR


Muitas das descobertas do informe que atinge centro da ideologia neoliberal fazem eco ao que os seus críticos e vítimas vêm criticando há várias décadas.

Benjamín Dangl* - Bitácora – Carta Maior

Na semana passada, um departamento de investigação do Fundo Monetário Internacional (FMI) publicou um informe no qual admite que o neoliberalismo é um fracasso.

O informe, cujo título é Neoliberalism: Oversold? (neoliberalismo: méritos exagerados?), é um sinal para que se abra uma esperança sobre a possível morte dessa ideologia.

O FMI está atrasado em apenas uns 40 anos. A jornalista canadense Naomi Klein escreveu um irônico comentário sobre o informe em seu twitter: “Então, os multimilionários criados (pelo neoliberalismo) devolverão o dinheiro, não é assim?”.

Muitas das descobertas do informe que atinge centro da ideologia neoliberal fazem eco ao que os seus críticos e vítimas vêm criticando há várias décadas.


“No lugar de promover o crescimento”, segundo o informe, “as políticas de austeridade impulsadas a partir das ideias neoliberais acabaram somente reduzindo as regulações, para limitar o movimento de capitais, o que, de fato, fez com que e aumentasse a desigualdade”.

Essa desigualdade “poderia por si só debilitar o crescimento…”. Portanto, segundo o informe, “os responsáveis políticos deveriam estar muito mais abertos à redistribuição (da riqueza) do que de fato estão”.

Entretanto, o informe omite alguns aspectos notáveis da história e do impacto do neoliberalismo.

O FMI sugere que o neoliberalismo foi um fracasso, mas que funcionou muito bem para 1% da população mundial, algo que sempre foi o propósito do FMI e do Banco Mundial. Tal como informou a organização Oxfam, em relatório difundido nos primeiros meses deste ano, o 1% mais rico da população mundial possui uma quantidade de riqueza equivalente a de todo o resto da população do planeta (do mesmo modo, a jornalista investigativa Dawn Paley comprovou em seu livro Drug War Capitalism (“A Guerra Capitalista Contra as Drogas”) que a guerra contra as drogas, longe de ser um fracasso, foi um tremendo sucesso para Washington e para as corporações multinacionais).

O informe do FMI escolheu o Chile como caso de estudo do neoliberalismo, mas não menciona nem uma só vez o fato de que as políticas econômicas e toda a ideologia neoliberal foram impostas no país durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), respaldada pelos Estados Unidos, uma omissão muito importante dos investigadores, e que não é casual, pois a ligação entre o terrorismo d Estado e a implantação do neoliberalismo na América Latina é um tema bastante conhecido.

Em 1977, em sua “Carta Aberta à Junta Militar” da Argentina, o valente jornalista Rodolfo Walsh denunciou a repressão desse regime, uma ditadura que organizou o assassinato e a desaparição de mais de 30 mil pessoas.

“Não obstante, esses acontecimentos que comovem a consciência do mundo civilizado, não constituem o maior sofrimento infligido o povo argentino, tampouco a pior violação dos direitos humanos que vocês já cometeram”, escreveu Walsh a respeito da tortura e dos assassinatos. “É na política econômica deste governo onde se percebe não só a explicação dos crimes, mas também uma gigantesca atrocidade que castiga a milhões de seres humanos: a miséria planificada…  Basta dar uma volta de algumas horas pela Grande Buenos Aires para comprovar a rapidez com que essa política transformou a cidade numa favela de dez milhões de pessoas”.

Tal como demonstra vividamente a jornalista Noami Klein em sua obra prima Shock Doctrine (“A Doutrina do Choque”), essa “miséria planificada”, formava parte da agenda que o Fundo Monetário Internacional impulsou durante décadas.

Um dia depois de Walsh enviar a carta à Junta pelo correio, ele foi capturado pelo regime, assassinado, queimado e teve seu cadáver atirado num rio, tornando-se outra vítima mais entre as milhões que o neoliberalismo já produziu.

Benjamin Dangl trabalhou como correspondente na América Latina, cobrindo movimentos sociais no continente por mais de uma década. É autor de livros como Dancing with Dynamite: Social Movements and States in Latin America, e também The Price of Fire: Resource Wars and Social Movements in Bolivia. Atualmente é editor do site UpsideDownWorld.org, sobre ativismo e política na América Latina.

Tradução: Victor Farinelli - Créditos da foto: reprodução

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: