sexta-feira, 12 de maio de 2017

Portugal | O COELHINHO E O TACHO

PARTILHAR

Ana Alexandra Gonçalves*

Era uma vez um coelhinho inconformado. Inconformado com a sua situação, inconformado com o presente e com saudades de um passado cinzento que tanto o agradava. O coelhinho de fofo nada tem, contrariamente à imagem tradicional da espécie a que pertence, pelo contrário, o coelhinho perdido na floresta, rói-se de inveja daqueles que ocupam o lugar que ele ainda julga ser seu, por direito.

O coelhinho acusa o que agora ocupa o lugar que outrora fora seu de rapar o tacho, uma alusão desesperada e, em larga medida, assente na sua própria experiência de subsolo conhecida pelas piores razões – utilizou recursos de outros, sob falsos pretextos, esbanjando esses recursos. Essa experiência de subsolo ficou conhecida com tentativa de juntar tecnologia e forma na mesma palavra. Em suma, rapou o tacho.

O coelhinho que de fofo nada tem sente-se sozinho, apesar dos seus dois amigos. Todavia, sabe que o amigo javali mais dia menos dia cravará a suas presas no seu pequeno corpo, ocupando o seu lugar. A sua outra amiga, uma avestruz amarelada que esconde a cabeça na areia sempre que se fala do seu passado, olha para o coelhinho com a mesma candura que olha para os seus companheiros agiotas, não fazendo do coelhinho o ser especial que ele tanto almeja ser. Diz-se por aí que o coelhinho tem uns amigos pardais, mas como ele também bem sabe, os pardais, quando os ventos de mudança soprarem fortes, voarão para outras paragens.

Resta muito pouco ao coelhinho que, no seu íntimo, sabe estar a colher aquilo que semeou. Mas enquanto a coisa der, o coelhinho vai fazendo o seu caminho, acusando os outros de ser aquilo que ele próprio é. Até porque agora o coelhinho nem tacho tem para rapar, contentando-se com uma mera cenoura, fortemente alaranjada, mas ressequida.


PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: