Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sexta-feira, 6 de maio de 2016

IGNORÂNCIA? QUEREM LÁ SABER? TIIP VEM PARA APRENDERMOS A MAL?



TIIP, sabe o que significa? Naturalmente que não. A maioria anda alheada desta sigla e o que ela significa. Anda alheada do que os EUA e os neofascistas a que chamam neoliberais e se instalaram no comando da UE andam a tramar. TIIP significa Tratado Transatlântico de Comércio e Investimento, mais um modo de os EUA nos tramar. E a potência que com reminiscências hitlerianas quer, pode e manda na Europa – a Alemanha. Este pseudo tratado é para nos tratar da saúde, a nós, aos europeus, aos povos, e beneficiar exponenciais mercados norte-americanos e alemães. Principalmente. Claro que os da velha Albion, a Inglaterra, também tem neste tratado-tanga muito interesse. Como sempre quem se tramam são os mais pequenos e… são os povos. Os EUA são a insaciável sanguessuga do mundo, os EUA são o mercado e a Alemanha também. Em menor escala mas também. São pátrias do cifrão a que muitos se vendem e obedecem em troca de côdeas e aveia de bestas geneticamente preparada para alimentar traidores. Em Portugal temos o caso de Passos e do governo que nos exauriu durante quatro anos, de braço dado com Cavaco Silva, esse horribilis humanóide que ocupou por dez anos a Presidência da República e fez dela gato-sapato. Uf! Já se foi!

Valdemar Cruz, jornalista do Expresso, serve hoje o Expresso Curto. Aborda o TIIP. Diz o que pode, e diz muito. Diz talvez o que só entenda por ser peão (como tantos) do tabuleiro dos jogos desonestos que estão em jogo, talvez por ser um bem-intencionado e ingénuo. Gente de bem são os que mais se tramam neste mundo mercantilista entregue a súcias de mafiosos, de criminosos que assentam as armas contra a humanidade. Mundo de desespero, miséria, desemprego, fome… Tratado? Ignorância? Alheamento? Passe a interessar-se, o seu futuro está em jogo, o dos seus filhos e dos seus netos. O nosso futuro.

Sorva o Expresso Curto. Vale sempre a pena por a alma não ser pequena e permitir que quando não se aprende a bem, aprende-se a mal. Os que agora não entendem o TIIP vão ter oportunidade de apreender a mal o que é esse tal tratado. Cá estaremos para nos tramarmos. Bom dia. Bom fim-de-semana. Respirem fundo, muito fundo. Aproveitem enquanto não têm de pagar para respirarem este ar poluído. A “coisa” vai mudar. Podem crer. Mudar para pior se continuarem a leste do que vai acontecendo por aí e não resistirem, e não disserem não. Não! (MM / PG)

Bom dia, este é o seu Expresso Curto

Valdemar Cruz – Expresso

A estratégia da aranha na negociação transatlântica

Paciência. Criatividade. Perversidade. São inúmeras, na história da arte, ou na mitologia, as referências às características da aranha. Entre as milhares de espécies existentes, algumas dezenas têm uma picada muito perigosa para os humanos. Há quem se deixe tomar pela aracnofobia, uma rejeição extrema, não apenas dapeçonha, como tudo quanto possa estar ligado à aranha. Por exemplo as teias. Como as que têm vindo a ser tecidas em segredo entre a União Europeia e os EUA da América na negociação do TIIP-Tratado Transatlântico de Comércio e Investimento. Como ontem, numa citação do jornal "Guardian", titulava Joana Azevedo Viana no Expresso Diário, este é "o assunto mais aborrecido com que todos deviam estar preocupados". A aranha move-se silenciosa. Tem o tato e a visão muito desenvolvidos e a paciência bastante para provocar a intrusão na mais absoluta das discrições. O TIIP começou a ser negociado em 2013, mas a generalidade dos europeus tem andado distraída das consequências de um tratado cuja aprovação e aplicação resultaria numa secundariaçãoabsoluta do papel do Estado nos serviços públicos, na segurança ambiental e familiar, com consequências gravosas na regulação financeira, na defesa e privacidade dos cidadãos ou nos direitos laborais, transformados numa espécie de cidadela a varrer do mapa, custe o que custar. O objetivo de reduzir os entraves regulatórios e a burocracia para potenciar ao máximo as trocas entre os EUA e a EUtem sido negociado longe de qualquer olhar. Nenhuma organização não governamental ou parlamento nacional, nem sequer os membros do parlamento europeu têm acesso aos documentos, nem estão à mesas das negociações. Os defensores do acordo, como Luísa Santos, diretora das relações exteriores da Business Europe, uma estrutura do patronato europeu, citada há dias pelo El País, sustentam que "as pessoas que protestam estão contra a globalização e o comércio internacional em geral". No Expresso Diário, Mark Dearce, pertencente à ONG War on Want, afirma que o TTIP representa "a maior tomada de poder pelas grandes empresas a que se assistiu numa geração". Ainda segundo Dearce, "através da desregulação, privatizações e do mecanismo de 'tribunais corporativos', este acordo secreto vai colocar as grandes empresas numa posição em que podem destruir as proteções sociais, ambientais e de saúde, forçar a privatização dos serviços públicos e levar governos a tribunal por causa de qualquer prática que afete os seus lucros". As aranha começam por digerir os alimentos fora do corpo. Só depois da completa captura da presa a cobrem com os seus sucos digestivos e a sugam. Nunca têm pressa. O processo é lento. Mas é implacável, a estratégia da aranha.

OUTRAS NOTÍCIAS

O Ministério da Educação admite cortar o financiamento para aabertura de novas turmas de início de ciclo (5º,7º e 10º anos) a 22 dos 81 colégios que têm contratos de associação com o Estado por estarem em concorrência direta com escolas públicas. Esta é a notícia principal do jornal Público de hoje. Ali se indica que aqueles colégios, muitos deles localizados em Coimbra, por cada turma financiada, recebem em cada ano €80.500. É uma decisão que vai dar luta,com a igreja católica a juntar-se a algumas associações de pais na promoção de manifestações em várias cidades do país.

As portagens nas ex-Scut do interior não vão ser eliminadas. O PS prepara-se para chumbar hoje na Assembleia da República os projetos de lei do PCP, BE e PEV para eliminar as portagens nas autoestradas do interior e no Algarve. O Governo poderá vir a admitir apenas uma redução do preço da portagem.

Dados pessoais e reservados de contribuintes destinados à Caixa Geral de Depósitos (CGD) foram encontrados pela Polícia Judiciáriana posse de uma rede de corrupção nas Finanças com ligações a Pereira Cristóvão, ex-vice-presidente do Sporting, noticia o JN.

Se entregou a sua declaração do IRS no princípio de abril e está areceber um reembolso inferior ao expectável, pode fazer uma declaração de substituição sem qualquer penalização. Uma falha no simulador afetou em particular casais e unidos de facto, que este ano, pela primeira vez, têm de decidir se pretendem ser ou não tributados em conjunto.

O túnel do Marão é inaugurado amanhã por António Costa e abre á circulação às zero horas de domingo. São 5,6 quilómetros pelas entranhas da serra, o que permitirá uma poupança próxima dos 30 minutos no tempo despendido na ligação entre Porto e Bragança. Tido como o maior túnel rodoviário da Península Ibérica, trará ganhos, não apenas na redução do tempo médio das viagens, mas sobretudo fará com que a circulação deixe de estar dependente das condições atmosféricas.

O Conselho das Finanças Públicas (CFP)analisou as contas das Administrações Públicas de 2015 e concluiu que o Governo do PSD/CDS não foi bom de contas em vários impostos e falhou metas em €199 milhões. "A dotação provisional e reserva orçamental foram utilizadas na íntegra em 2015, sobretudo para pagamento de despesas com pessoal", diz o CFP dirigido por Teodora Cardoso.

Lá fora 

Mais um bombardeamento na fronteira turco-síria. Terão morrido pelo menos trinta pessoas na sequência de um ataque aéreocontra um campo de refugiados na província de Idlib. A informação é dada por uma organização de defesa civil que trabalha em zonas controladas pela oposição síria.

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu demitiu-se e abandonou o governo. Emparedado entre as ambições pessoais do presidente Recep Tayyip Erdogane as contradições dos dirigentes máximos do seu próprio partido, Davutoglu bate com a porta num momento particularmente sensível para a Turquia, a braços com a obrigatoriedade de assegurar o cumprimento do plano migratório acordado com a EU, a necessidade de fazer frente às ameaças do chamado Estado Islâmico e as implicações do levantamento curdo dirigido pelo grupo armado PKK.

Um juiz do Supremo Tribunal Federal do Brasil suspendeu Eduardo Cunha da presidência do Congresso. O principal impulsionador da destituição de Dilma Rousseff é afastado por não possuir a necessária estatura moral para ocupar o cargo. Cunha está a ser investigado por corrupção.

Há novas esperanças na luta contra o cancro. Trabalhos publicados na revista Spectator e no The Independent trazem nova luz para um dos grandes combates da humanidade. No jornal britânico é colocada a possibilidade de o segredo para a cura estar nas pessoas que aparentam ser imunes. A Spectator aposta no bom diagnóstico precoce. Será uma das formas cruciais de fazer com que o cancro passe a não ser, afinal, sequer tão perigoso como uma diabetes de tipo 2.

Como quem pode, pode, a Uber acaba de contratar Neelie Kroes, ex-vice-presidente da Comissão Europeia, para integrar um painel deoito assessores empenhados em resolver os problemasregulatórios que a empresa tem defrontado. Kroes chegou a ser uma das principais vozes críticas contra as tentativas dos governos europeus de limitarem a expansão da Uber. Daquele comité fazem parte, entre outros, Ray Lahood, ex-secretário de transportes de Obama e o ex-primeiro ministro do Peru, Roberto Daniño.

Alguns países têm petróleo, diamantes ou cacau. O pequeno arquipélago de Cabo Verde tem música. Assim começa um trabalho do New York Times a propósito da grande riqueza de um país economicamente frágil como é a terra natal de Cesária Évora . Este mês, promotores musicais dos EUA, da Europa e de algumas nações africanas vão reunir-se na cidade da Praia durante quatro dias. Participam na Atlantic Music Expo.

NÚMEROS

600 000
Postos de trabalho, segundo as últimas previsões, desaparecerão na União Europeia com a aplicação do TTIP

1 600
Número de localidades na União Europeia que se declararam oficialmente contrárias à assinatura do TTIP

70%
Da comida processada vendida em supermercados dos EUA contém ingredientes geneticamente modificados, em geral proibidos na Europa

FRASES 

"Chego e conheço as ruas, chego e conheço os edifícios, chego e conheço os mercados. O povo moçambicano é muito doce, ao contrário de outros povos que são muito chatos". Marcelo Rebelo de Sousa em Moçambique

"Sou pouco entusiasta de propostas de eliminação de portagens. Mas há algumas situações concretas que devem ser revistas, como por exemplo a Via do Infante". António Costa, primeiro-minsitro

"Gostava de deixar claro que não há nenhum programa de redução de trabalhadores". António Mexia, CEO da EDP em entrevista ao DN

"Os excedentes e os défices crescem durante a recuperação e o ónus do ajustamento recai desproporcionalmente sobre os devedores durante a crise". Yannis Varoufakis em artigo no DN

O QUE ANDO A LER E A VER/OUVIR

Terminei há dias a leitura de Não se Pode Morar nos Olhos de um Gato, de Ana Margarida de Carvalho e ainda estou pasmado e sem fôlego. É um pasmo no sentido do assombro capaz de resultar em sobressalto ou inquietação. É raro, muitíssimo raro, acontecer-me terminar a leitura de um livro e ser tomado por uma incontrolável pulsão de regresso à primeira página. Ao momento inicial de descoberta absoluta. É uma impossibilidade. Nunca mais se recupera o fascínio da descoberta. Não importa. O essencial é mergulhar nesta escrita torrencial. Assustadora, às vezes. Há por ali um dilúvio de ideias e um magistral trabalhar da língua, da linguagem, da construção narrativa. Com um título construído a partir de um verso de Alexandre O'Neill retirado do Poema do Desamor ("Queixa-te coxa-te desnalga-te desalma-te/ Não se pode morar nos olhos de um gato"), a trama tem como voz inicial a de uma santa de madeira, testemunha de tudo quanto ocorre, também ela arrastada pelo naufrágio de um navio negreiro ao largo do Brasil. Salvam-se, além da santa, o capataz, o escravo, um criado, que vem a ver-se, será um outro alguém, um padre, uma fidalga e a sua filha, um estudante e um menino preto. Perante a imensidão do mar, encontram como refúgio um rochedo, um buraco numa nesga de praia engolida em cada maré cheia. Ali, amontoados naqueles forçados recuos diários vai-se desnudar o mundo todo de cada um deles, com arrasadoras incursões ao passado que os construiu. Multiplicam-se as tensões, reconstroem-se vivências e criam-se quadros inesquecíveis. São momentos de rasgar a carne, de arrepios fulminantes, com Ana Margarida de Carvalho a assinar um poderoso momento de grande literatura.

Gostava de falar hoje aqui do novo disco de Rokia Traoré (Mali, 1974) e do seu último disco (ouça aqui Né So), mas optei por outra mulher negra. Beyoncé. O seu último trabalho, "Lemonade", deu origem a um disco e um video de mais de uma hora. A partir de uma história de infidelidade – e aqui é irrelevante perceber o quanto possa haver de autobiográfico - constrói um trabalho centrado no papel e nas relações da mulheres negras numa sociedade onde são as grandes vítimas de discriminação. Ao recuperar a herança de figuras como Malcolm X para proclamar que as pessoas menos respeitadas na América são as mulheres negras, Beyoncé revela-se disponível para assumir uma atitude que não será apenas de denúncia. Em 2001, enquanto membro das Destiny's Child, atuou na tomada de posse de George W. Bush, o que lhe valeu inúmeros comentários negativos. Respondeu, então, que um dia falaria das suas convicções políticas, mas só quando soubesse o que dizer. Fê-lo agora como nunca antes o havia feito, após 15 anos e 75 milhões e discos vendidos. Na passada semana iniciou a sua nova digressão mundial em Miami. Toda vestida de preto e acompanhada de uma dezena de bailarinas negras, abriu o concerto com "Formation", o tema interpretado na última final da Super Bowl no qual homenageia o movimento Black Lives Matter, que denuncia a brutalidade da atuação policial contra os negros. Beyoncé, continua escudada em poderosas campanhas de marketing. Jamais será uma artista das margens. Porém, para lá de um disco de grande qualidade musical, revela-se capaz de por em questão as bases do sistema em que ela própria se movimenta.

Está tirado o Expresso Curto. Tenha bom proveito e um bom dia, apesar da chuva. A todas as horas pode visitar o sítio do Expresso, onde encontrará mais e novas notícias.

Sem comentários: