Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quarta-feira, 8 de junho de 2016

MILAGRES, PARA QUE VOS QUERO?!




A cafeína do Expresso Curto de hoje vem com carradas de milagres. O referido na abertura é o mais importante e comovente. Não acreditar em milagres é uma vantagem para os que querem ser mais terra-a-terra. Mãe morta cerebralmente permite gestação do filho durante semanas e semanas. Não foi milagre mas sim dedicação e sapiência dos médicos e enfermeiros. Foi humanismo no seu expoente máximo. Nasceu um menino escorreito com mais de dois quilos. Há lágrimas boas que nos saltam dos olhos por tanta comoção. E nada disso é milagre, é a humanidade e as sensibilidades a funcionarem corretamente. Uma vida perdida oferece ao mundo uma nova vida, Vida perdida que podemos interpretar como não o seja, porque vai viver no filho até que nova morte os separe. Se separar.

Também foi milagre o PR Marcelo promulgar as 35 horas? Contrariado, mas promulgou. È um PR que acredita que quanto mais trabalho… melhor. E por que não 48 horas por semana como nos tempos dos “outros senhores”? Salazar assim questionaria. E Marcelo? As tendências são o que são e refletem-se nos momentos adequados. No principio é tudo muito bonito. Vamos acompanhando. Ver para crer até onde vai o “Querido Presidente”.

Barrigas de aluguer é que não. Marcelo vetou o diploma das barrigas de aluguer. Acredita em milagres e naquele muito velhinho do “Deus te fadou porque algum defeito te achou”. Se não engravida é porque não será uma boa mãe? E Deus zela por isso? Ah, pois. Talvez. Não. Deus tem muito mais o que fazer, está assoberbado com os problemas da humanidade - sem conseguir resolvê-los. É verdade que o assunto encerrado no diploma das “barrigas de aluguer” não é tão simples como isso. Para confirmar se o PR Marcelo tem alguma razão será correto, conveniente, melhor, reformular o diploma e reenviá-lo para promulgação. Às vezes pode ser que aconteça “um milagre”. Se acontecer as famílias ficarão muito venerandas ao PR, e felizes. E ele até é “bom rapaz”. Podia ser um pouco mais liberto de certos dogmas eclesiásticos, políticos, partidários, e outros… Lá está, ele acredita que o óptimo é inimigo do bom. Outro dogma. Errado, pois até qualquer quadrúpede sabe que o óptimo é melhor que o bom, situado num nível superior, melhor.

Pano para mangas há neste Expresso Curto. Vão à cafeína. É meio-dia, hora de alguns almoçarem e de outros fazerem de conta que almoçam. A cafeína sempre ajuda a recuperar a estaleca. Milagre?

Milagres, para que vos quero?!

Boa quarta-feira, se conseguirem.

Mário Motta / PG

Bom dia, este é o seu Expresso Curto 

Martim Silva – Expresso

O milagre tem 108 dias e 155 mil minutos. E aconteceu em São José

Bom dia,

(Marcelo promulgou as 35 horas, mas deixou avisos. E vetou pela primeira vez um diploma da geringonça, o das barrigas de aluguer. Mas já lá vamos)

A 20 de fevereiro, David Cameron terminava uma ronda negocial com os parceiros europeus e voltava ao Reino Unido para marcar o referendo do “brexit” para o dia 23 de junho. O mundo evocava o nome do intelectual italiano Umberto Eco, falecido na noite anterior. A portuguesa Leonor Teles arrebatava o Urso de Ouro para curtas metragens no Festival de Berlim. O Benfica ganhava em Paços de Ferreira e mantinha-se na perseguição ao Sporting na liderança do campeonato. O ministro da Cultura João Soares atirava-se ao diretor do CCB António Lamas, que queria ver fora do cargo.

Isto foi o que lemos e ouvimos a 20 de fevereiro. Mas o que não lemos e não ouvimos foi sobre o milagre. O milagre que então começava não estava nas notícias.

S., de 37 anos, dava entrada no Hospital de São José , em Lisboa, pelas onze da noite, com uma hemorragia cerebral. S. estava grávida de 15 semanas. Entrou em morte cerebral. Os médicos, em acordo com o pai e a família da mãe da criança, decidiram prolongar a vida de S. e tentar levar a gestação da criança até às 32 semanas de gravidez, algo que nunca tinha acontecido.

A mãe permaneceu ligada à máquina, com o coração a bater, e alimentada por via endovenosa. E o bebé milagre foi crescendo. 15 semanas depois, nasceu.

O milagre começou a 20 de fevereiro e consumou-se ontem, em forma de cesariana. Passaram quatro meses. 108 dias. 2592 horas. 155 mil minutos. Às 32 semanas de gravidez, a equipa de médicos que acompanhou S. e a sua criança ao longo deste tempo conseguiu o milagre nunca antes atingido em Portugal.
Nasceu um menino, de 2,350 kilogramas.

Nunca em Portugal se tinha conseguido nada assim. Uma equipa de heróis. Um milagre da medicina. E (também) uma terrível tragédia.

Aqui pode ler o que o Expresso, o Público e o DN já escreveram sobre o assunto.

(Não sei quem vai ser condecorado pelo Presidente da República no 10 de Junho. Mas a partir de ontem sei quem merecia lá estar)

EURO 2016

(se não gosta de futebol nem um bocadinho salte este capítulo e retome o Curto abaixo)

É já daqui a dois dias, em França, que se inicia o campeonato da Europa de futebol. Aqui no Expresso, em conjunto com a SIC e a Visão, temos montada uma operação especial para lhe fazer chegar tudo o que interessa sobre o Euro, com particular destaque para a seleção nacional (a Mariana Cabral já está em França, em Marcoussis, e vai contar o que vê e lê e ouve por lá).

Por cá, o Pedro Candeias está ao leme do euro2016.expresso.pt. E há muito para ler:

-Os números à volta da segurança e do receio de atentados terroristas impressionam. A França vive um momento intenso, pelo início do Euro mas também pelos riscos que uma tal competição pode trazer.

-João Mário, ainda muito novo, é já um dos maiores craques e esperança nacional para o Euro. Fomos entrevistá-lo. E descobrimos que quando era miúdo era assim para o gordinho…

-Todos os dias, o Adriano Nobre desencanta uma história do baú. Esta é sobre as convocatórias mais estranhas e polémicas que já tivemos em Portugal.

-A poucos dias do início da competição, os 23 já estão finalmente reunidos e lá se conseguiu fazer a foto oficial da seleção. E Marcelo Rebelo de Sousa já tem uma camisola oficial (com direito a nome e tudo).

-Daniel Cruzeiro lembra o Euro 96 e as cabeleiras de Cadete e Poborsky.

-E até o Ricardo Costa aproveita o Euro para encolher a barriguinha e fazer uma perninha neste relvado, com a crónica “Esquecer o Brasil, Lembrar Portugal”.

-Outra “velha glória” que escreve no site do Euro é o Jorge Araújo (consta que tinha mesmo talento com a bola quando era novo), que vai deixando umas histórias por aqui.

-No site também pode fazer também a sua escolha do onzeideal nacional, e ver quais são os nomes preferidos dos internautas. Eu já fiz a minha seleção…

OUTRAS NOTÍCIAS

Cá dentro,

-Marcando uma clara diferença em relação ao que estávamos habituados, Marcelo Rebelo de Sousa resolveu em tempo recorde o que fazer em relação às três polémicas leis que esta terça-feira aterraram em Belém para análise (promulgação, veto ou envio para o TC).


Sem esgotar o prazo, longe disso, Marcelo decidiu aprovar a lei que reduz o horário de trabalho na Função Pública novamente para as 35 horas semanais (mas ainda com a ameaça de envio do diploma para o TC se este acarretar aumento de custos). Claro que sem demora o Governo já veio garantir que odiploma não vai mesmo aumentar os custos para o Estado.

Ao mesmo tempo, o Presidente vetou o diploma das chamadas barrigas de aluguer, e promulgou o alargamento da lei da Procriação Medicamente Assistida. Agora cabe ao Parlamento alterar o diploma chumbado, ou confirmá-lo por maioria absoluta dos deputados (o que obrigaria o Presidente a deixá-lo passar).

-As negociações com Bruxelas para a capitalização da Caixa Geral de Depósitos ainda parecem longe do fim, reconheceu o ministro das Finanças, Mário Centeno.

-A ida de Paulo Portas para a Mota-Engil continua, naturalmente, a causar ondas de choque. No Expresso Diário o Ricardo Costa explica como a opção, sendo inteiramente legítima, mina qualquer possibilidade de um regresso de Portas à política (à semelhança do que aconteceu a Luís Amado quando foi para o Banif e se colou à Guiné-Equatorial).


Aqui mostramos como a empresa de construção e os partidos de poder em Portugal são assim uma espécie de BFF (Best Friends Forever).

-O Governo, que hoje reúne o Conselho de Ministros no Convento da Arrábida, está a estudar a possibilidade dos Politécnicos poderem conferir o grau de doutoramento.

-Imperdível é a entrevista que a Ângela Silva e o Filipe Santos Costa fizeram a Vasco Pulido Valente, a propósito de um novo livro de crónicas suas que vai ser lançado. Esse era o propósito mas na verdade a entrevista foi muito, muito mais que isso. Ácido como sempre, lúcido como nunca, um retrato cru e muitas vezes cruel da nossa situação e sobre os nossos protagonistas.

-As magníficas reportagens do Pedro Coelho na SIC sobre a queda do Banif têm uma versão escrita. E podem ser lidas no Expresso.

-Muito interessante é esta entrevista que a Alexandra Simões de Abreu fez a Alexandra Leitão, a mediática secretária de Estado da Educação, e que tem dado a cara, e assumido a maternidade, da ideia de rever os contratos de associação com os colégios. Ficamos a saber o seu percurso, como pensa, como chegou ao governo e como tem uma relação à prova de bala com o ministro.

-Carvalhão Gil, o espião do SIS que foi detido em Roma, já está em Portugal e foi ouvido pelas autoridades judiciais no caso em que é suspeito de vender segredos de Estado aos russos.

-Depois do Diário Económico ter acabado com a edição em papel, do Jornal de Negócios ter mudado a direção, de Bárbara Reis anunciar a demissão do Público, agora é a vez das mudanças chegarem ao DN, com o diretor, André Macedo, a anunciar que deixa o cargo até ao final de julho.

-Depois da recente polémica, não é que José Cid volta à carga? Numa entrevista à CMTV pediu desculpa aos transmontanos e criticou Tony Carreira.

-E José Avillez soma e segue e o seu restaurante Belcanto é já o 78º melhor do mundo.

Lá fora,

-Hillary Clinton já parece ter atingido a aguardada meta (2383) do número de delegados necessários para poder ser escolhida na convenção democrata de julho como candidata do partido às presidenciais norte-americanas de novembro.

Do lado de cá do Atlântico, olha-se para o anunciado duelo Hillary-Trump como o combate dos mal-amados. E é bem verdade que se fizermos apenas um ligeiro esforço de memória percebemos que estamos a quilómetros da expectativa que há oito anos Obama criava. De qualquer forma, este momento é histórico, já que ficamos um passo mais perto de termos a primeira mulher presidente dos EUA.

-O Banco Mundial reviu em baixa as previsões de crescimento para a economia mundial. Mais uma notícia a lançar dúvidas sobre a economia do planeta nos próximos anos.

-Uma primeira edição de O Capital, de Karl Marx, vai a leilão. E o seu valor pode atingir os 150 mil euros. Ou seja, pode representar uma grande mais-valia para quem se desfizer do exemplar.

-Moby acaba de lançar gratuitamente na internet quatro horas de música para os seus fãs. Música, diz o próprio, para fazer yoga e meditar.

-E as Spice Girls anunciam uma tournée para assinalar os vinte anos de sucesso. E nós que estávamos quase a conseguir esquecer que elas alguma vez existiram.

FRASES

"Nas Europeias houve mais de 500 socialistas que quiseram lixar o Seguro e votaram Marinho e Pinto", Manuel dos Santos, socialista que vai substituir Elisa Ferreira no Parlamento Europeu, ao i

"Não passo droga. Não tenho mulheres a atacar. Ganho dinheiro de forma legal", Chef Olivier, em entrevista à Sábado

"Acreditamos em vós como acreditamos em Portugal", Marcelo Rebelo de Sousa, para a seleção nacional, citado pelo Público

"O PS tem hoje uma atitude mais cética em relação à Europa",Mariana Mortágua, deputada do BE, no DN

O QUE EU ANDO A LER

Sugestão de leitura é o novo romance do escritor suíço Joel Dicker, que há três anos fez furor (e vendeu milhões) com o policial “A Verdade sobre o Caso Harry Quebert”.

Agora, em “O Livro dos Baltimore”, Dicker volta à carga e conta a história de Marcus Goldman e dos seus amigos e família, o “gangue de Baltimore”, numa narrativa envolvente, cheia de avanços e recuos no tempo, até se desvendar finalmente “o Drama” (assim mesmo, em maiuscúla). A escrita de Dicker agarra e o livro lê-se sem parar.

Já depois de “O Livro dos Baltimore”, tenho andado às voltas com a biografia de uma das mais fascinantes, independentes e lúcidas personalidades da vida portuguesa, António Barreto. O livro é de Maria de Fátima Bonifácio e prometo aqui voltar a ele num próximo Curto.

E agora que Hillary Clinton já está mesmo confirmada como próxima candidata dos Democratas à Casa Branca, também conto falar aqui num destes dias de alguns dos episódios mais marcantes da sua vida relatados na sua biografia.

Por hoje é tudo, mais logo temos seleção. No Estádio da Luz, contra a Estónia, no último ensaio antes da partida para França. E já com Cristiano Ronaldo em campo.

Tenha um grande dia (que já sabemos que vai ser muito quente).

Sem comentários: