Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quarta-feira, 27 de julho de 2016

O PODER DE TER O PODER



Miguel Guedes* – Jornal de Notícias, opinião

A Convenção Nacional do Partido Democrata norte-americano (CND) termina amanhã depois de dias de turbulência que bem demonstram a divisão em que o partido mergulhou desde que Bernie Sanders fez história e a sua mini-revolução. Mas enquanto tenta fortalecer uma candidata dentro do seu próprio eleitorado para uma eleição que bate à porta em meses, a CND prevê o futuro e reforça a minha convicção: Michelle Obama será candidata presidencial em 2020 (caso Donald Trump vença) ou em 2024. Com um discurso que nem Melania Trump terá facilidade em plagiar, Michelle conquistou num ápice o resgate emocional de uma plateia que não perdoa o jogo sujo com que o partido tramou a campanha de Bernie. Há qualquer coisa que os Obama têm e podem.

Bernie Sanders podia ter plagiado as palavras de Ted Cruz na Convenção Republicana: "Votem segundo a vossa consciência". Não o fez. Pelo contrário, tentou persuadir os seus apoiantes de que não há dúvida possível na escolha entre Clinton subjugada aos piores jogos de interesses e Trump que não abdica de se apresentar no papel do palhaço rico que insiste em ser dono do circo. Ainda assim, a relutância com que os congressistas receberam os pedidos de união à volta da candidatura de Clinton, entre vaias e assobios, mostra bem como estão transviadas as opções de voto nos democratas do movimento "Bernie or Bust". Como referia a humorista Sarah Silverman no palanque, "vocês estão a ser ridículos". Trump fechou a porta do Congresso Republicano a liderar as sondagens nacionais. O que antes era um alerta é agora uma certeza: não é mais possível admitir que Trump nunca poderá ganhar. Há muito que Trump não tem mas pode.

A cruzada de diabolização esteve sempre presente na campanha de Clinton em relação a Sanders. Incapaz de gerir a sua imagem do passado, a candidata democrata preferiu a cabala, dividindo o partido para depois redefinir a sua margem para o perdão. Esticou a corda, confiando que Trump seria um candidato fácil de bater caso conseguisse ganhar a nomeação no seu partido. Ganhar a Bernie, o homem que queria aumentar o ordenado mínimo para o dobro, esse perigoso demónio. Lá como cá, agitam-se as águas. António Saraiva sai da audiência de ontem em Belém atirando-se ao Bloco de Esquerda pela "leitura de diabolização" dos empresários. Temeroso do esvaziamento do poder da concertação social após ter defendido um aumento do salário mínimo abaixo dos actuais 530 euros, o presidente da CIP atira-se a esses perigosos radicais com cauda que pretenderam devolver um pouco mais às pessoas daquilo que lhes foi retirado. Há qualquer coisa que alguns patrões têm e não podem.

O autor escreve segundo a antiga ortografia

*Músico e advogado

Sem comentários: