domingo, 21 de agosto de 2016

Portugal. Madeira. O PARAÍSO QUE JÁ FOI INFERNO E QUER VOLTAR A SER PARAÍSO



Madeira avança com casas para realojamento mesmo sem financiamento do Estado


Miguel Albuquerque diz que vai tentar obter parte dos 2,5 milhões de euros necessários ao “nível nacional”. De qualquer forma, avança já com a construção

O governo da Madeira vai avançar com a construção de 30 fogos em São Gonçalo, no Funchal, para realojar algumas das famílias que perderam a casa nos incêndios da semana passada, mesmo que o Estado português não financie o projeto, avança a agência Lusa este sábado.

“Vamos tentar obter parte do financiamento a nível nacional. Mas, independentemente, venha financiamento ou não venha financiamento, isto vai ser para construir e é 2,5 milhões de euros”, afirmou Miguel Albuquerque, durante uma visita ao terreno, junto ao Bairro Social de São Gonçalo.

Lusa, em Expresso - Foto: Madeira. Um bombeiro sapador de Lisboa, enviado para ajudar no combate aos incêndios do Funchal, inspeciona uma casa na zona da Pena / Gregório Cunha


Turismo da Madeira vai ter apoios imediatos superiores a 10 milhões de euros


Não houve cancelamentos de maior a registar e os operadores turísticos continuam a vender férias na ilha. Turismo da Madeira vai ter apoios imediatos superiores a 10 milhões de euros

É hora de olhar para a frente e avançar para a recuperação “de mãos dadas entre todos” - é o apelo do presidente da câmara do Funchal, Paulo Cafôfo. Após os incêndios violentos que assolaram a Madeira em plena época alta de turismo, “é a altura de inverter e de aproveitar aquilo que foi uma calamidade”. Em particular na área de reabilitação urbana, a câmara do Funchal está empenhada em resolver o problema dos prédios devolutos no centro da cidade e “substituir-se aos privados, adquirindo prédios, recuperando-os e depois vendendo-os ou concessionando-os para exploração comercial, hoteleira ou até arrendamento”.

No imediato, o turismo da Madeira vai contar com linhas de crédito superiores a 10 milhões de euros para apoiar a recuperação dos danos mais graves acusados com os incêndios, independentemente de “outros apoios mais complexos e fortes” envolvendo fundos comunitários - segundo anunciou Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia, no domingo, ao visitar a região para apurar os impactos dos fogos no terreno.

O ministro da Economia elogiou aqui o trabalho das equipas da hotelaria, salientando que “houve hotéis em que até os funcionários se ofereceram para os turistas irem para casa deles”.

ATIVIDADE TURÍSTICA “PRATICAMENTE NA NORMALIDADE”

“Os operadores turísticos estrangeiros e nacionais com programação para a Madeira mantêm inalteradas as suas operações, não se tendo registado nem cancelamentos, nem regressos antecipados de turistas, em número que coloque em causa o sucesso deste destino turístico, na sequência dos trágicos incêndios ali ocorridos”, adianta a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT).

Esta conclusão, segundo a APAVT, decorre de contactos realizados junto dos seus associados, “que representam os maiores operadores turísticos internacionais, bem como os operadores turísticos portugueses, responsáveis por centenas de milhares de dormidas na Madeira”.

A associação das agências de viagens destaca ainda que “de acordo com as informações recebidas quer dos nossos associados, quer das próprias autoridades turísticas da região, a atividade turística regressou praticamente à normalidade na Madeira, pelo que permanece um destino a todos os títulos atrativo para os nossos potenciais turistas”.

MELHOR HOTEL DE CHARME DA EUROPA DESTRUÍDO PELO FOGO

Em termos turísticos, uma das maiores perdas dos incêndios que deflagraram na Madeira a 8 de agosto foi a destruição do hotel Choupana Hills, que nos últimos dois anos foi eleito “o melhor resort boutique da Europa” no âmbito dos World Travel Awards, prémios de nível mundial considerados os 'óscares' do turismo.

Inserido numa propriedade com 17 hectares, no topo de uma colina e ao lado do Jardim Botânico, o Choupana Hills foi concebido pelo arquitecto francês Michel de Camaret e pelo arquiteto decorador Didier Lefort, e era considerado um oásis de “luxo tranquilo”, seguindo a sua decoração princípios de 'feng shui'.

O hotel de cinco estrelas da Madeira enfrentou dificuldades financeiras até entrar em insolvência em 2014, mas manteve-se em funcionamento e até a ganhar prémios sob gestão da Amazing Evolution, empresa especializada na recuperação de ativos turísticos.

No dia a seguir à destruição do Choupana Hills pelo incêndio, a Amazing Evolution informava que “não foi possível ainda avaliar os prejuízos, mas a gestão do hotel está já a tomar todas as diligências necessárias, tendo já acionado todos os seguros”. E pedia “a todas as pessoas que tenham feito reservas no hotel que contactem os seus agentes de viagens”, salientando que “naturalmente, o hotel assegura o reembolso, assim que possível, de todos aqueles que consigam confirmar O presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, elogiou o facto de 95% das reservas efetuadas no Choupana Hills terem sido reencaminhadas para outros hotéis do Funchal “logo no dia seguinte” a ter sido atingido pelas chamas.

“Dá a ideia de como o destino é forte, porque apesar de tudo as pessoas aceitaram ficar noutros hotéis, e de como os operadores, hoteleiros e agentes de viagens da Madeira estão empenhados no destino”, frisou o presidente do Turismo de Portugal. “Agora é preciso virar a página e prosseguir, porque a Madeira continua a ser o melhor destino insular do mundo”.

Conceição Antunes – Expresso – Foto: Recuperação. A Madeira está a mobilizar todos os esforços para “virar a página” e manter a operação turística após o incêndio

Sem comentários: