sábado, 17 de setembro de 2016

Guiné Equatorial. JORNALISTA DETIDO POR FAZER ECO DE QUE OBIANG É CANIBAL



Jornalista detido por sugerir canibalismo de líder africano

O diretor de um jornal liberiano foi esta quinta-feira detido durante várias horas depois de ter republicado um artigo do site do diário britânico "Daily Mail" que alega que o Presidente da Guiné Equatorial é canibal.

O tabloide britânico publicou no domingo um artigo sobre o Presidente "vitalício" da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, no qual se afirma que o chefe de Estado escalpou opositores vivos e lhes comeu os testículos, cérebros e fígados.

O jornal liberiano "New Democrat" reproduziu alguns elementos da peça do jornalista Thomas Burrows na sua primeira página de quarta-feira, o que desencadeou a ira do ministro da Informação.

Festus Poquie, diretor do New Democrat, foi detido por polícias à paisana e fechado numa cela durante várias horas antes de ser libertado hoje à tarde.

"A Polícia Nacional da Libéria pode confirmar que a sua Divisão de Crime está a ter uma conversa com o diretor do New Democrat, Festus Poquie", lê-se numa nota da polícia citada pela agência de notícias francesa, AFP.

O ministro da Informação da Libéria, Eugene Nagbe, já tinha contactado o sindicato da imprensa do país para se queixar do artigo e exigir que fossem tomadas medidas contra o New Democrat.

"Considerando que a conduta do diretor do New Democrat ostenta um perigoso afastamento dos princípios do jornalismo profissional, exigimos e insistimos que o jornal seja penalizado", escreveu o ministro numa carta.

O Sindicato da Imprensa liberiano descreveu a detenção do jornalista como "um ato de intimidação contra a liberdade de imprensa na Libéria", num momento de elevada tensão entre os 'media' e o Governo.

No princípio deste mês, a jornalista Jallah Grayfield apresentou uma queixa à polícia dizendo ter recebido mensagens intimidatórias de um ministro.

Este verão, o Governo encerrou duas estações de rádio conhecidas pelas suas posições críticas sobre a Presidente, Ellen Johnson Sirleaf.

A organização Repórteres Sem Fronteiras sustentou que o público tem "o direito de ouvir todas as opiniões, mesmo aquelas que são críticas e irritam o atual Governo", na sequência do caso do ministro.

Obiang, que preside ao terceiro maior produtor de petróleo da África subsaariana, é o dirigente há mais tempo em exercício no continente, depois de ter tomado o poder na sequência de um golpe de Estado em 1979.

A Guiné Equatorial é regularmente apontada como um dos Estados mais corruptos e autoritários de África.

Jornal de Notícias – Foto: Thomas Mukoya/REUTERS – Título PG

Sem comentários: