sábado, 15 de outubro de 2016

OS ÚLTIMOS TIGRES



Risalat Khan - Avaaz

Bancos estão gastando milhões para construir uma termelétrica a carvão próxima à floresta dos últimos tigres-de-bengala do planeta. Este é um exemplo da nossa desunião com a natureza e da ganância sem limites das corporações. Mas podemos impedi-las. 

Após um relatório da ONU vir a público criticando o projeto em Bangladesh, começarmos a pressionar os bancos. Agora eles estão desesperados para proteger suas marcas de um escândalo global. Se aumentarmos a pressão no JPMorgan, Crédit Agricole e outros bancos, podemos fazer esse projeto se tornar tão mal visto que logo eles desistirão da ideia.

Tanto o JPMorgan quanto o Crédit Agricole já desistiram de projetos semelhantes. Vamos coletar um milhão de assinaturas para salvar os tigres e convencer os presidentes dos bancos a desistir novamente:

Clique para salvar os últimos tigres

A floresta de mangue de Sundarbans é o maior mangue arbóreo do mundo e um dos poucos lugares no planeta onde habitam pouco mais de cem tigres-de-bengala. O local foi classificado como Patrimônio Mundial da UNESCO por conta de seu ecossistema e biodiversidade únicos.

A UNESCO e especialistas acreditam que construir a termelétrica de Rampal pode colocar a floresta em sério risco, assim como as espécies que ali habitam.

JPMorgan tem uma política de não colocar em risco Patrimônios Mundiais. O Deutsche Bank, por exemplo, disse que não irá financiar projetos de carvão que ameaçam a Grande Barreira de Corais. Já o banco Crédit Agricole tinha se comprometido a não investir no Projeto Rampal. Mas eles estão ajudando a arrecadar dinheiro para esse projeto mortal, que agora eles sabem que será um desastre ambiental. Vamos pressioná-los publicamente e forçá-los a retirar o apoio ao projeto.

Ativistas no local têm lutado contra a implantação dessa mega-usina. Agora eles pediram nossa ajuda. Vamos juntar 1 milhão de assinaturas para salvar o lar dos tigres da poluição de carvão:

Clique para salvar os últimos tigres

Sabemos da ameaça das mudanças climáticas à nossa existência, mas estamos apenas começando a entender outra crise global: a perda da biodiversidade. O que sabemos até agora é que as partes ainda intocadas do nosso planeta precisam ser protegidas se quisermos manter nossos complexos ecossistemas. Eles não podem ser violados pela energia mais poluente da Terra! Vamos nos unir para garantir que o cuidado com nosso planeta sobreponha o interesse das corporações e salvar a floresta de Sundarbans.

Com esperança e determinação

Risalat, Iain, Alice, Christoph, Luca, Fatima, Ricken e toda a equipe da Avaaz 

MAIS INFORMAÇÕES:

Projeto Controverso de Usina a Carvão na Índia Ameaça o Tigre de Bengala e Patrimônio Mundial da UNESCO (IEEFA)
http://ieefa.org/projeto-controverso-de-usina-carvao-na-india-ameaca-o-tigre-de-bengala-e-patrimonio-mundial-da-unesco/

UNESCO pede o arquivamento do projeto Rampal (em inglês) (Prothom Alo)
http://en.prothom-alo.com/environment/news/122299/Unesco-calls-for-shelving-Rampal-project

Uma nova termelétrica pode destruir a maior floresta de mangue do mundo (em inglês) (Washington Post)
https://www.washingtonpost.com/news/energy-environment/wp/2016/07/18/a-new-power-plant-could-devastate-the-worlds-largest-mangrove-forest/

Arriscada e com subsídios em demasia: uma análise financeira da Usina de Rampal (IEEFA)
http://www.ieefa.org/wp-content/uploads/2016/06/Risky-and-Over-Subsidised-A-Financial-Analysis-of-the-Rampal-Power-Plant-_June-2016.pdf 

-----------------------------------------------------------------------------

A Avaaz é uma rede de campanhas global de 44 milhões de pessoas que se mobiliza para garantir que os valores e visões da sociedade civil global influenciem questões políticas nacionais e internacionais. ("Avaaz" significa "voz" e "canção" em várias línguas). Membros da Avaaz vivem em todos os países do planeta e a nossa equipe está espalhada em 18 países de 6 continentes, operando em 17 línguas. Saiba mais sobre as nossas campanhas aqui, nos siga no Facebook ou Twitter.

Para entrar em contato com a Avaaz, escreva para nós no link www.avaaz.org/po/contact.

Sem comentários: