quarta-feira, 2 de novembro de 2016

TUDO SOBRE A MORTE



Miguel Guedes – Jornal de Notícias, opinião

Se à festa do dia das bruxas sucede a solenidade do dia de Todos-os-Santos, já hoje se trabalha para que a morte não seja declarada como certa amanhã. Em poucas horas, presente, passado e futuro. A festa de Halloween não é muito mais do que uma gigantesca "rave party" comercial à escala das travessuras do Ocidente (com a vantagem de envolver crianças e guloseimas em horários ainda decentes). Feriado na retoma socialista, o dia de Todos-os-Santos é ainda mais assustador, velando com honra todos os santos conhecidos ou sem nome público, mártires e cristãos, num roteiro de santidade fúnebre. Foi ontem e já descansa em paz. Mas se a memória atrapalhar o decurso da história, o verdadeiro dia de finados pode começar agora, quando se inicia a contagem decrescente para as eleições americanas. Trump ultrapassa Clinton nas sondagens e não haverá som mais estridente. A nova versão da "Guerra dos Mundos" de Orson Welles lê-se em formato digital na forma de mails confidenciais adivinhados abusivamente por James Comey, director do FBI. A nova versão dos "Triunfo dos porcos" de George Orwell adivinha-se no "read my lips" de Donald Trump. Quem disse que o Halloween passou?

A ideia de ver Hillary Clinton na Casa Branca é tão excitante para mim como para um presidente da Caixa Geral de Depósitos é estimulante ver a sua declaração de rendimentos escrutinada pelo Tribunal Constitucional. Mas a política real não se faz lançando "napalm" sobre tudo e todos, esperando que da terra algo floresça. Trump é um insulto. Clinton é apenas mais do mesmo em versão requentada e talvez por isso se arrisque a perder para o pior de sempre. Se nada de bom florescerá no deserto que a vitória de Trump pode secar, já as réplicas podem ser mais do que muitas. O retrocesso civilizacional, racismo e xenofobia, imperialismo do "eu", misoginia e ignorância podem bem ser as tatuagens temporárias para algo que se alastra por toda a pele do Mundo. O sonho americano que os EUA espelham é demasiado vasto e influente para ser morto e travestido por um troglodita. Mas sim, ele pode.

Tudo à escala global se projecta em dimensões mais comezinhas. Pode haver quem acredite que os sismos em Itália acontecem por divina punição, pode aumentar o número de turistas que visitam cemitérios portugueses no escrutínio da arquitectura tumular, pode a Escola Náutica Infante D. Henrique continuar a fazer praxes na praia de Oeiras depois do que sucedeu na praia do Meco: a morte continua a ser um destino demasiadamente próximo para a divina desculpa, eterno descanso ou avistamento de morcegos. Quando Isabel Capeloa Gil, reitora da Universidade Católica, anuncia a abertura de um curso privado de Medicina centrado na defesa da vida, o que podemos esperar senão a ausência dos sinais vitais da mesma? Tudo sobre a morte.

*Músico e advogado / O autor escreve segundo a antiga ortografia

Sem comentários: