sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Portugal. AS NOZES E AS VOZES

PARTILHAR


Rafael Barbosa* – Jornal de Notícias, opinião

São mais as vozes que as nozes. O provérbio aplica-se na perfeição à luta política, que assenta muitas vezes numa inflamada discordância discursiva, assim se criando a ilusão de que os intervenientes têm pensamentos e propostas muito diferentes. A verdade é que as diferenças são muitas vezes ténues e, em alguns casos, inexistentes. E se essa proximidade é mais visível e frequente entre os chamados partidos do centro, também existe entre o centro e os extremos.

Um dos melhores exemplos de que é assim é o que se tem passado nos últimos dias, em Portugal, a propósito do aumento do salário mínimo nacional (SMN) para os 557 euros e da contrapartida de reduzir 1,25 pontos percentuais da taxa social única das empresas. A proposta é do PS, que pretendia, por um lado, honrar o compromisso de aumentar gradualmente o SMN até aos 600 euros, assim partilhando as nozes com o BE e o PCP; e, por outro, não alienar as confederações patronais, procurando distinguir-se das vozes dos seus dois sócios mais esquerdistas.

Acontece que, desta vez, BE e PCP não se contentam com as nozes e fazem questão de acentuar as diferenças de vozes - ou seja, não se limitaram a verbalizar a discordância quanto às "benesses" que vão ser dadas aos patrões e trataram de forçar uma votação no Parlamento. Acresce que os alinhamentos político--partidários destes novos tempos de "geringonça" já não são o que eram e o que parecia ser mera formalidade descontrolou-se. Se o CDS mostra abertura para um disfarce contabilístico, compensando através do Orçamento do Estado (impostos) o rombo nas contas da Segurança Social (TSU), ou seja, propondo apenas uma diferente tonalidade nas vozes; já o PSD aproveita a oportunidade tática de aprofundar a dissonância entre as esquerdas, ainda que o PS repita exatamente a mesma melodia que os sociais-democratas já entoaram no passado (quando aumentaram o SMN para 505 euros, em 2014, ofereceram um prémio de 0,75 pontos percentuais na TSU das empresas, durante 15 meses).

Não é difícil imaginar o PS a fazer o mesmo que o PSD está agora a fazer, ou seja, usar vozes diferentes consoante está no poder ou na oposição. Ainda assim, neste caso é o PSD quem está na linha de fogo, uma vez que é este que está a dar o dito por não dito. O que não iliba o PS. Os socialistas sabem que não têm uma maioria no Parlamento, sabem que os seus parceiros à Esquerda são pouco ou nada flexíveis em questões laborais. Era sua obrigação assegurar que o acordo anunciado aos quatro ventos tinha pernas para andar. Do mal, o menos, o que verdadeiramente importa já não muda - o novo salário mínimo nacional já está em vigor. Já temos as nozes. O resto são vozes.

*Editor executivo

PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: